• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 22 Fevereiro 2024    •      Directora: Inês Vidal; Director-adjunto: João Carlos Lopes    •      Estatuto Editorial    •      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 17° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Sáb.
 15° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
Sex.
 14° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  18° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Compreender o terror

Opinião  »  2016-03-31  »  Jorge Carreira Maia

"Se quisermos perceber o que se está a passar, temos de compreender o sistema de crenças e de ideias daqueles que insistem em espalhar o terror pelo mundo."

A grande tentação, nestes dias de temor, tremor e terror, é compreender o que se passa no mundo através de ideias que tiveram a sua utilidade num tempo que já acabou. A entrada na cena política mundial do islamismo radical veio pulverizar a teoria, em voga na esquerda e também na direita, de que todos os conflitos radicam em problemas económicos. Esta explicação, popularizada por um certo marxismo, sempre sofreu de claras limitações, as quais agora se mostram impotentes para explicar o motivo pelo qual há pessoas que matam e se matam para impor um conjunto de crenças religiosas e uma forma de vida que nos escandaliza. 

Como em todos os conflitos, também naquele que vivemos, os factores económicos são importantes. São decisivos estrategicamente, mas não como causa final que determina o conflito. São importantes, pois podem ser decisivos para uma estratégia vitoriosa. Pensar, porém, que os grupos radicais combatem por causa do petróleo ou da economia é deixar-se enredar nos próprios preconceitos e recusar-se a olhar para a realidade. Por que motivo se resiste a aceitar que se está perante um conflito cultural e não económico? Um dos motivos deve-se ao hábito. Não estamos habituados a interpretar as guerras desse modo. Outro está ligado à posição política dos pensadores que defenderam que, no século XXI, os conflitos seriam culturais (o anti-semita polaco Feliks Koneczny) ou choques civilizacionais (o conservador norte-americano Samuel Huntington). A posição ideológica destes autores faz com que se rejeitem em bloco as suas teses em vez de analisar a sua consistência.

A teoria da causa económica dos conflitos não consegue explicar por que razão o Estado Islâmico toma decisões anti-económicas, como destruir o legado arqueológico da humanidade. Também não é possível compreender a motivação económica na atitude dos bombistas-suicidas ou no tratamento das mulheres pelos combatentes do Daesh. Todos estas actos obedecem a um sistema de crenças e os seus autores lutam pela imposição dessas crenças. Se olharmos com atenção para a história da humanidade talvez descubramos que nunca os homens combateram por questões económicas. Mesmo quando, em aparência, era esse o motivo, eles combatiam por aquilo que os bens materiais lhes poderiam proporcionar, isto é, pela representação que eles faziam da vida e do seu destino. Combatiam por ideias e crenças. Se quisermos perceber o que se está a passar, temos de compreender o sistema de crenças e de ideias daqueles que insistem em espalhar o terror pelo mundo.

http://kyrieeleison-jcm.blogspot.pt/

 

 

 Outras notícias - Opinião


Os bombeiros e a cidade - João Carlos Lopes »  2024-02-07 

Declaração de interesses: sou sócio da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Torrejanos há mais de 20 anos, sócio de quotas pagas e dos que não desistem de vez em quando e voltam a entrar, ao sabor das circunstâncias.
(ler mais...)


Reflexões sobre a Democracia em Tempos de Turbulência - antónio mário santos »  2024-02-04 

Já, no passado, escrevi que só voltaria a crer numa justiça democrática em Portugal no dia em que Ricardo Salgado e José Sócrates se sentassem, em julgamento, no banco dos réus. O que tem acontecido nos últimos tempos abriu no meu cepticismo algumas frestas de esperança.
(ler mais...)


A campanha eleitoral - jorge carreira maia »  2024-02-04  »  Jorge Carreira Maia

Pede-se que as campanhas eleitorais sejam esclarecedoras, o que pressupõe a existência de um público a ser esclarecido. Esta ideia de esclarecimento está ligada à ideia de verdade. Esclarecer significa permitir aos eleitores o acesso à verdade.
(ler mais...)


Libertem o... macaco! »  2024-02-01  »  Hélder Dias

Reciclagem... »  2024-01-25  »  Hélder Dias

Playboy… »  2024-01-23  »  Hélder Dias

Aliança?... »  2024-01-17  »  Hélder Dias

Ladrões de bicicletas e outras fitas em cartaz - joão carlos lopes »  2024-01-11  »  João Carlos Lopes

1. No Entroncamento, uma terra que noutras gerações teve grande tradição no uso da bicicleta – já não há centenas de operários a pedalar para as oficinas - passou-se o mesmo que cá na terrinha: o projecto das bicicletas eléctricas foi suspenso ao fim de 15 dias, fustigado por mau uso do material, avarias persistentes e sobretudo actos de vandalismo.
(ler mais...)


DERROTAR (DE NOVO) HYNKEL - josé mota pereira »  2024-01-09  »  José Mota Pereira

Em 1977 o dia de Natal ficou marcado pelo desaparecimento físico de Charles Chaplin, actor e realizador, que no cinema criou o inesquecível Charlot.

A História regista que alguns anos antes, no final de 1973 (fez agora 50 anos) o Cineclube de Torres Novas realizou uma exposição sobre a vida e a obra do cineasta, merecendo realce o postal que o próprio Charles Chaplin enviou para o torrejano José Ribeiro Sineiro.
(ler mais...)


Voltar à menoridade - jorge carreira maia »  2024-01-09  »  Jorge Carreira Maia

Cerca de 50% dos americanos entre os 18 e os 45 anos não acham que a democracia seja a melhor forma de governo. Metade das novas gerações está disponível para viver sob um regime autoritário. Isto nos Estados Unidos, uma das democracias mais antigas e consolidadas do planeta, uma nação intrinsecamente democrática, onde um complexo jogo de checks and balances tem por função limitar o poder dos três ramos de acção política, o executivo, o legislativo e o judicial, de modo a que nenhum deles possa exorbitar e pôr em causa a liberdade dos indivíduos, que é aquilo que está sempre em jogo numa democracia liberal.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2024-02-07  Os bombeiros e a cidade - João Carlos Lopes
»  2024-01-23  »  Hélder Dias Playboy…
»  2024-01-25  »  Hélder Dias Reciclagem...
»  2024-02-01  »  Hélder Dias Libertem o... macaco!
»  2024-02-04  Reflexões sobre a Democracia em Tempos de Turbulência - antónio mário santos