• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 04 Outubro 2022    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 32° / 19°
Períodos nublados
Qui.
 32° / 15°
Períodos nublados
Qua.
 31° / 17°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  32° / 16°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Um problema irresolúvel - jorge carreira maia

Opinião  »  2022-07-05  »  Jorge Carreira Maia

 


1. A solidão de Macron. A coligação de apoio a Macron ganhou as eleições legislativas francesas, mas o governo ficou sem maioria no parlamento. O pior é que este reflecte a polarização política existente em França, onde as forças radicais e populistas, à esquerda e à direita, têm uma enorme influência, e o centro-direita não parece inclinado a estender a mão à maioria. A França está prestes a ficar numa situação de impasse político, onde os extremos vão tentando destruir o regime. Parece ser um caso exemplar onde uma abordagem liberal – a de Macron – está a matar a democracia liberal, a dar argumentos aos devaneios populistas de Mélanchon e de Le Pen para levarem a democracia francesa à derrocada e com ela a União Europeia.

2. As desculpas de Guterres. Numa reunião com jovens, uma espécie de prelúdio para a Conferência dos Oceanos, o secretário-geral das Nações Unidas pediu desculpa à geração que vai “herdar um planeta com problemas”. Este pedido de desculpas é uma confissão de impotência. Não de Guterres, mas da espécie humana em lidar com os problemas que ela própria cria. Isto contraria a avaliação de Marx que afirmou que a humanidade apenas coloca problemas que pode resolver. Não é que não existam condições materiais para resolver o problema ambiental. Existem, mas não parecem existir condições subjectivas para o fazer. A resolução desses problemas exigiria que a parte mais rica do planeta sacrificasse o seu modo de vida, e a parte mais pobre sacrificasse os seus sonhos de se tornar rica. Exigiria que os homens não fossem homens.

3. Uma viagem literária aos séculos XVIII e XIX. Tenho estado a ler os romances Lágrimas e Tesouros (1863), de Rebelo da Silva, e Salústio Nogueira (1883), de Teixeira de Queirós. O primeiro, um romance histórico, decorre no tempo de D. Maria I, o segundo situa-se no tempo de D. Luís. Quase cem anos separam os ambientes políticos do primeiro, marcado ainda pelas perseguições de Pombal, e do segundo, o da monarquia liberal. Contudo, há tal continuidade nas atitudes dos homens face ao poder que estas parecem ser coisa imutável na humanidade. É esta imutabilidade da relação dos homens com o poder que dá pouca esperança para se encontrar uma solução para o imbróglio em que a Europa está metida devido ao impasse francês ou para a catástrofe que espera a humanidade motivada pelo problema ambiental. A perspicácia de Marx choca com um dado fundamental. O principal problema com que o Homem se confronta não é posto por ele, mas é ele próprio. E este problema parece ser para a humanidade irresolúvel. Não consegue deixar de ser o que é.

 

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Vai e volta... »  2022-09-30  »  Hélder Dias

Referendo aos pinguins?... »  2022-09-29  »  Hélder Dias

Referendo?... »  2022-09-29  »  Hélder Dias

Estou apaixonado pelo meu carro - carlos paiva »  2022-09-23  »  Carlos Paiva

A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, em que Torres Novas participa, assinou dia 8 de Setembro um contrato de concessão com a Rodoviária do Tejo, com a validade de oito anos, para o serviço público de transporte de passageiros.
(ler mais...)


Testemunha dos tempos - maria augusta torcato »  2022-09-23  »  Maria Augusta Torcato

Um jornal testemunha. É um dos seus papéis. E espera-se um papel ativo na observação, na análise e na intervenção do que está à sua volta, próximo e distante.

O JT completa 29 anos com publicações ininterruptas ao longo deste tempo.
(ler mais...)


A aposta de António Costa - jorge carreira maia »  2022-09-23  »  Jorge Carreira Maia

António Costa voltou decididamente ao consenso liberal que gere a União Europeia, do qual em aparência se tinha afastado nos primeiros seis anos de governação. O problema da actualização dos vencimentos da função pública e das reformas e o da recusa de taxar os lucros extraordinários das grandes empresas provam que está completamente comprometido com a visão dominante na União Europeia.
(ler mais...)


A Ilha - josé ricardo costa »  2022-09-23  »  José Ricardo Costa

Não há volta a dar. Todos os anos, o fim das férias faz-nos regressar ao Gólgota depois de alguns dias de prazerosa ressurreição. Sendo o trabalho, como dizia Mark Twain, um mal necessário a ser evitado, as férias são a concretização desse desejo, sentindo o trabalhador o carinho do Tempo a embalá-lo numa sucessão de dias livres.
(ler mais...)


A gente vai continuar - inês vidal »  2022-09-23  »  Inês Vidal

É difícil sentirmo-nos parte de algo. Podemos passar uma vida inteira a passar ao lado de uma vida inteira, sermos sempre supérfluos, o outro, apenas mais um. Viver à superfície, cumprir por cumprir, encarar a coisa como apenas e só mais uma etapa.
(ler mais...)


Não há um adulto na sala? - joão carlos lopes »  2022-09-21  »  João Carlos Lopes

A cena da imagem é uma carrinha de pronto-socorro que queria ir para os lados de São Pedro. Não podendo (teria de voltar em direcção ao largo da Botica, Rotunda, rua do Nogueiral, largo do Caldeirão, fazer toda avenida, isto é, correr a cidade toda) – por isso, tentou pela rua da Trindade, mas teve de voltar para trás.
(ler mais...)


O longo funeral... »  2022-09-20  »  Hélder Dias
 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2022-09-21  »  João Carlos Lopes Não há um adulto na sala? - joão carlos lopes
»  2022-09-06  »  Hélder Dias Tony Costa...
»  2022-09-09  »  Pedro Ferreira O Almonda e o colapso - pedro ferreira
»  2022-09-12  »  Hélder Dias Amigo?...
»  2022-09-20  »  Hélder Dias O longo funeral...