• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 17 Agosto 2022    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 39° / 21°
Céu limpo
Sex.
 38° / 21°
Céu limpo
Qui.
 34° / 15°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  27° / 16°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Aquela máquina - carlos paiva

Opinião  »  2022-06-04 

"“Qualquer fabulosa máquina, projectada pela engenharia alemã com design sueco e fabrico japonês que empanque por motivo desconhecido em qualquer canto do planeta, arrisca-se a enfrentar um português."

Somos conhecidos no mundo inteiro como o povo do desenrasca. Não é pelo vinho do Porto, não é pelo CR7, não é pelos descobrimentos, não é pelo clima e pelas praias. É pelo desenrasca. Como testemunham os hábitos de leitura nacionais, temos uma facilidade nata em absorver conhecimento pela prática. Pela teoria, somos alérgicos. Quem ler o manual antes de tentar colocar qualquer equipamento a funcionar, é sumariamente achincalhado por todos como maricas e tótó. Experimenta-se tudo e mais um par de botas primeiro. Só quando nada resulta, então, recorre-se ao manual. Ainda assim, a contra vontade, emitindo em voz alta imensas críticas à organização e redacção do mesmo, impregnando as inflexões com o maior desdém possível.

Muitas são as histórias na mitologia popular acerca de problemas insolúveis num qualquer estaleiro ou fábrica num país distante, em que chamam o português e ele põe aquilo a funcionar, o que quer que “aquilo” seja, desenrascando a situação, salvando o mundo de desastre iminente. Qualquer fabulosa máquina, projectada pela engenharia alemã com design sueco e fabrico japonês que empanque por motivo desconhecido em qualquer canto remoto do planeta, arrisca-se a enfrentar um português. Recrutado para equipa de limpeza e destacado de urgência para a linha de produção pelos quadros superiores com aval da administração, aflita. Macacão seboso, barba de três dias, cigarro ao canto da boca, arrastando atrás de si uma grade de minis, aproxima-se da máquina, cospe para o chão, limpa o suor da testa com algumas folhas amarfanhadas do manual técnico, faz saltar a carica de uma mini com o isqueiro Bic que imediatamente se infiltra na máquina por uma fresta que ninguém sabia lá estar (nem o manual técnico), dá duas goladas na cerveja, senta-se na grade de minis e pronuncia estoicamente a frase mágica que dá início a todo o processo: “É que tá aqui uma porra!”

Com o maior desleixo pela segurança, a sua, a da máquina, e restantes trabalhadores à sua volta, começa a intervenção obedecendo a uma metodologia apenas compreensível a si. Desconhecedores, ignorantes destas coisas, poderiam interpretá-la erradamente como “chafurdar”. Passado algum tempo, o português emerge das entranhas da máquina, ainda mais sujo do que quando entrou, exibindo uma carica de mini segura entre o indicador e o polegar, soltando um sonoro “Ahh!” com ar vitorioso. Reacende a beata que entretanto se apagou, abre outra mini, disfarçadamente cuidadoso para a carica não sair disparada, dirige-se ao chefe da linha de produção e diz: “Podem ligar a máquina. Está desenrascado.” Dá duas goladas seguidas na cerveja e fica a fitar a máquina com o olhar parado. Ligam a máquina e, “aquilo” funciona. Mais ruidosa que antes, mais fumarenta que antes, mas funciona. Os quadros superiores voltam finalmente a respirar, a administração sorri, o português sorri.

Chegados a este ponto, perfilam-se imediatamente três certezas: Primeira certeza, o design sueco fica irremediavelmente comprometido, passando à designação artística oficial de chaço. Segunda certeza, a engenharia alemã fica reduzida ao ridículo por uma carica de mini. Terceira certeza, daqui em diante apenas e só o português sabe como pôr a máquina a funcionar. Independentemente do número de técnicos especializados japoneses que atirem a ela.

Prometeu-se calçada para o Largo do Lamego. Em vez disso aplicou-se alcatrão. Está desenrascado. Prometeu-se ligar o escoamento à rede de esgotos. Em vez disso, despeja diretamente para o rio. Está desenrascado. Deu-se a obra como oficialmente concluída quando ela ia a meio. Está desenrascado. Prometeu-se competência. Em vez disso, obtivemos irresponsabilidade. Está desenrascado. É aquela máquina.

 


“Qualquer fabulosa máquina, projectada pela engenharia alemã com design sueco e fabrico japonês que empanque por motivo desconhecido em qualquer canto do planeta, arrisca-se a enfrentar um português.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Não é coisa pouca! - antónio gomes »  2022-08-16  »  António Gomes

A cidadania fez-se ao caminho, recolheu mais de 900 assinaturas, entregou-as na Assembleia Municipal e colocou-a a reflectir sobre o assunto.

Os peticionários e a Assembleia Municipal de Torres Novas tomaram posição e decidiram sobre o futuro do território que envolve a nascente do rio Almonda e sobre a pertença da água que ali brota.
(ler mais...)


CRÓNICA PARA UM TEMPO ESTIVAL - -josé alves pereira »  2022-08-16  »  José Alves Pereira

Neste verão canicular de dias adormentados, cercados pelas chamas televisivas e pela (des)informação da guerra na Ucrânia e outras menos visíveis, que escrever para alguns distraídos momentos de leitura ?  Nesta indecisão, veio-me à memória um episódio insólito presenciado num outro escaldante Agosto, no final dos anos 80, numa praia de Marbelha, ao sul de Espanha.
(ler mais...)


Três notas sobre o mês de Agosto - josé mota pereira »  2022-08-16  »  José Mota Pereira

1.

“Primeiro dia de inverno”, assim ouvia ao avô de verão, mestre Zé Viola, velho  pescador de Peniche, onde na sua pequena casa  passávamos as férias de verão nos anos iniciais da existência.
(ler mais...)


Não (h)à crise - carlos paiva »  2022-08-16  »  Carlos Paiva

Conto com mais de meio século de existência e não conheço Portugal sem estar em crise. Este estado perpétuo instalou-se no subconsciente colectivo, sendo aceite como a normalidade. Curioso como regularmente o governo nos educa para novas normalidades.
(ler mais...)


Trve - carlos paiva »  2022-07-15  »  Carlos Paiva

Quem se interessa por música, em jovem e no caminho para a maturidade, é comum acontecer um sentido de propriedade, totalmente deslocado, acerca de algo que não nos pertence, nem por sombras está dentro da nossa esfera de influência.
(ler mais...)


Os rankings e escolas públicas e privadas - jorge carreira maia »  2022-07-15  »  Jorge Carreira Maia

Já com o calor de Julho saíram os rankings dos exames nacionais do ano anterior. Sempre que são publicados, geram uma árdua batalha entre os defensores da sua não publicação, argumentando que não se pode comparar o incomparável, como os que defendem que se deve tornar manifesto quais as escolas que tem mérito e aquelas que não o têm e, numa perspectiva liberal, argumentar sobre a superioridade do ensino privado sobre o ensino público.
(ler mais...)


A NASCENTE QUE NUNCA MORRE - ana domingos »  2022-07-15  »  Ana Domingos

 

No dia em que as fontes secarem, depois no norte e sul se fundirem, já estarei longe deste lugar. Depois, para lá de tudo, do tacto, da cor, um miudinho templo apreciará, insistentemente, a ousadia desafiante de nunca, mas nunca morrer.
(ler mais...)


É tempo de dignificar a Assembleia Municipal de Torres Novas - antónio gomes »  2022-07-05  »  António Gomes

 

A última sessão da Assembleia Municipal (AM) aprovou, por unanimidade, a gratuitidade dos TUT a partir de 2023, por proposta do BE. Logo no início deste século, a Agência Europeia do Ambiente tinha colocado como uma das condições principais em defesa do ambiente que os transportes públicos fossem gratuitos.
(ler mais...)


A ANEMIA - josé mota pereira »  2022-07-05  »  José Mota Pereira

Num canto de página d` O Almonda, na sequência de mais uma reorganização do jornal nestes últimos anos, vem o anúncio: O Almonda deixará de se publicar semanalmente, passando a quinzenário.

 Na sua longa história, esta é uma mudança significativa e que ultrapassa as fronteiras do jornal.
(ler mais...)


Um problema irresolúvel - jorge carreira maia »  2022-07-05  »  Jorge Carreira Maia

 


1. A solidão de Macron. A coligação de apoio a Macron ganhou as eleições legislativas francesas, mas o governo ficou sem maioria no parlamento. O pior é que este reflecte a polarização política existente em França, onde as forças radicais e populistas, à esquerda e à direita, têm uma enorme influência, e o centro-direita não parece inclinado a estender a mão à maioria.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2022-08-16  »  António Gomes Não é coisa pouca! - antónio gomes
»  2022-08-16  »  José Alves Pereira CRÓNICA PARA UM TEMPO ESTIVAL - -josé alves pereira
»  2022-08-16  »  Carlos Paiva Não (h)à crise - carlos paiva
»  2022-08-16  »  José Mota Pereira Três notas sobre o mês de Agosto - josé mota pereira