• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 29 Novembro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 18° / 5°
Períodos nublados
Ter.
 19° / 9°
Céu limpo
Seg.
 17° / 9°
Períodos nublados com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  16° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Nos ecos da festa do Avante! - josé alves pereira

Opinião  »  2020-10-09  »  José Alves Pereira

"O privilégio do PCP foi ter-se tornado no alvo preferencial e único. "

Falemos da festa do Avante!, agora que a poeira assentou e o aranzel antidemocrático cessou, transferindo-se para outros acontecimentos. Não é tanto do evento em si mesmo, mas do contexto em que ele este ano se construiu e realizou. A história da festa começa a escrever-se em 1976 na antiga FIL, à Junqueira. Logo aí, teve que superar o rebentamento de uma bomba que, colocada num posto de energia eléctrica, quase impossibilitava a sua realização. Nos anos seguintes, por dificuldades na obtenção de espaços públicos, mudou-se para o Alto da Ajuda, depois Vale do Jamor, em seguida Loures e, finalmente, em 1990, na Quinta da Atalaia, sendo necessário comprar o terreno.

Ano após ano, voltavam a desinformação e a intriga, sonegando notícias e imagens, escondendo dos portugueses aquela que era (é) a mais expressiva manifestação político-cultural do Portugal de Abril. Isso deixava campo livre para os mais disparatados dislates do comentariado instalado na comunicação social. Onde puderam os portugueses tomar conhecimento de que ali se realizava, para uma assistência de milhares de pessoas, desde 2004, o maior espectáculo ao ar livre de música clássica? E as bienais de artes plásticas? E da cidade internacional, em que das delegações de várias partes do mundo, eram escolhidas, para notícia, as que podiam servir para alimentar preconceitos e campanhas ao serviço do imperialismo. E as dezenas de concertos, debates, exposições, feiras do livro e do disco, do Avanteatro, etc. etc.

Chegados a 2020, aos detractores da festa saiu-lhes a grande ocasião. O covid e a pandemia caiu sobre o país e passou a constituir o grande pretexto para descabeladas e reaccionárias ofensivas contra a democracia e as liberdades, cavalgando o medo, empurrando os cidadãos para guetos em que medrando o pânico mais fácil seria impor a selva dos lay offs, despedimentos e todos os atropelos às leis laborais.

Para impor este estado de coisas, e na previsão de um agravamento da situação económica do país, tornava-se necessário, para que sejam os trabalhadores, desempregados, reformados, precários, e outras camada da população a pagar a crise, que não houvesse resistência, que as organizações sindicais, políticas e partidárias que os representam se atemorizassem, fechassem no confinamento e deixassem o campo livre à ofensiva, que é bom recordar, teve precedentes.

A tentativa de impedir as comemorações do 25 de Abril na Assembleia da República e, logo a seguir, contra as manifestações do 1.º de Maio. Com mais de seis meses de antecedência e sempre ponderando a evolução da pandemia, se iniciou a construção da festa do Avante! e também começou a campanha para a denegrir, assente em duas linhas de força: um suposto privilégio do PCP, que não teria equivalência noutros sectores, o que era manifestamente falso. Uma busca, que nem necessitava de ser exaustiva, facilmente o comprovaria. O caso mais falado seria o dos grandes festivais de música, que só não se realizaram porque tendo que fazê-lo com as limitações da DGS, relativamente ao número de espectadores, tornavam-se economicamente inviáveis.

O privilégio do PCP foi ter-se tornado no alvo preferencial e único. Outra linha de força foi o perigo dos contágios do covid, como se os frequentadores da festa fossem mais irresponsáveis que os das praias, feiras do livro, peregrinações, touradas, etc. E foram caravanas, out doors com mensagens provocatórias colocados nas vias de acesso ao recinto da festa, petições, providências cautelares nos tribunais, campanhas para atemorizar moradores e comerciantes, sempre com a cobertura diligente das televisões que para muitas outras coisas nunca dispõem de meios.

A esta campanha se juntou Marcelo Rebelo de Sousa, pressionando a DGS e sugerindo que o problema não seria a questão sanitária, mas a “percepção pública do problema”. Um presidente reconhecido como produtor de factos políticos e bom conhecedor dos mecanismos da comunicação, finge ignorar como se constroem as percepções públicas. Podemos dar um exemplo. Noticiou a SIC que o The New York Times, em chamada de capa e fotos, que “Portugal vai ter uma festa de suicídio colectivo, chamada Avante, com 33000 convidados”. Logo Rui Rio (PSD) aproveitou para fazer críticas ao evento, dado o impacto negativo internacional na imagem do país. Havia apenas um “pequeno” senão: este The New York Times nunca existiu, foi criado nas redes sociais e divulgado pela SIC, sabendo que era falso, e que numa desculpa atabalhoada, mais tarde, reconheceu o “engano”.

Só que a “percepção” estava criada. Jornais que num dia anunciavam que a festa servia unicamente para salvar financeiramente o partido, no número seguinte declaravam que a mesma há anos só dava prejuízos. Ou que a mesma era uma contrapartida do governo para que o PCP aprovasse o próximo orçamento. Outros suscitavam invejas porque nem todos os artistas desempregados ali podiam actuar. E todos os dias a lengalenga se renovava.

Acabada a festa, que decorreu com a serenidade e a confraternização possíveis, emudeceram as cassandras. E tinham agora motivos para continuar. Quinze dias depois, um partido filofascista organiza uma convenção, mete 500 pessoas numa tenda, encostadas ombro a ombro, grande parte delas sem máscara e nem um sinal de percepção do perigo sanitário. No fundo, no fundo, é malta amiga!

Quem se situa no campo democrático e foi levado pela enxurrada da campanha antidemocrática dominante, ou pelo distanciamento da crítica sonsa, poderá questionar-se porque mobilizou a direita e a extrema-direita tantos esforços e meios para impedir a realização da festa. Talvez compreenda então que a festa do Avante! foi, no contexto actual, uma importante afirmação de responsabilidade, determinação, coragem, reafirmação de independência política e ideológica, e de insubmissão aos poderes económicos, financeiros e mediáticos.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Onde pára o PS? - josé mota pereira »  2020-11-21  »  José Mota Pereira

Vivi algum tempo nos Açores, onde contactei com uma realidade social e política muito diversa daquela a que estava habituado por estas paragens. Nesse período, a transição do poder político passava de Carlos César para o seu sucessor, Vasco Cordeiro, de forma absolutamente tranquila, com o PS exercendo uma maioria eleitoral que a toda a gente parecia vir a ser eterna.
(ler mais...)


Gatos »  2020-11-21  »  Rui Anastácio

A “Rosa dos Gatos” foi uma das personagens que habitou a minha infância. Na verdade a minha infância foi habitada por uma miríade de personagens. Escolhi a Rosa não sei bem porquê.

A Rosa alimentava vinte gatos, tinha muito mau feitio para as crianças mas um imenso amor pelos gatos.
(ler mais...)


[Breve ensaio para uma carta ao futuro] - margarida trindade »  2020-11-21  »  Margarida Trindade

Aquele era o tempo do contágio. O tempo em que da ordem nasceu a desordem. O tempo da separação e da angústia. O tempo asséptico. O tempo final. O tempo do medo. O tempo da rebelião e de todos os perigos latentes.
(ler mais...)


Ser Torrejano - josé ricardo costa »  2020-11-21  »  José Ricardo Costa

Desço a rua dos Anjos quando o meu cérebro é de repente apoquentado por uma radical e inquietante questão. Não o pavor diante do silêncio e escuridão do espaço cósmico ou por não saber se quando esticar o pernil irei dar com a Audrey Hepburn a cantar o Moon River numa matiné de domingo no Virgínia ou com um cenário de Bosch.
(ler mais...)


Pandemia e a vantagem do meio termo - jorge carreira maia »  2020-11-21  »  Jorge Carreira Maia

Depois de uma pequena acalmia, a pandemia de COVID-19 escalou. Contágios, internamentos, utilização de cuidados intensivos e mortes, tudo isso apresenta números que são já assustadores. É fácil criticar os governos, difícil, porém, é ter, com os recursos existentes e com os conhecimentos disponíveis, respostas que agradem a todos ao mesmo tempo.
(ler mais...)


Generalizar, apontar, julgar - inês vidal »  2020-11-21  »  Inês Vidal

Digo isto com frequência. Quem melhor me conhece, já o ouviu dezenas de vezes. Ainda hoje, ao jantar, dizia à minha filha que não podemos viver no preconceito. A vida não é a preto e branco, tem antes milhares de nuances.
(ler mais...)


Mais rápido que a própria sombra - carlos paiva »  2020-11-21  »  Carlos Paiva

As árvores, além de produzirem oxigénio e servirem de lar para uma série de bicharada, têm num dos efeitos colaterais à sua existência, o arrefecimento do ar. Onde há árvores, fica mais fresquinho.
(ler mais...)


Água - antónio gomes »  2020-11-21  »  António Gomes

A água é um recurso escasso, não é infinito e não podemos viver sem ela. O acesso à água é um direito humano.
Muito se tem escrito e muito se vai continuar a escrever sobre a exploração e utilização da água, mas medidas concretas para rentabilizar a sua utilização são ainda são escassas e decisões políticas são a excepção.
(ler mais...)


Voltemos ao comércio local - antónio gomes »  2020-11-06  »  António Gomes

A situação de pandemia agrava-se aos olhos de toda a gente e as consequências desta situação são evidentes: no emprego/desemprego, na actividade económica, na transacção de mercadorias, em particular no comércio local.
(ler mais...)


FUI LÁ ATRÁS, VOLTO JÁ - josé mota pereira »  2020-11-06  »  José Mota Pereira

Passados três meses da sua aquisição, o smartphone decidiu entregar a alma ao criador, pelo que o cronista teve que o substituir temporariamente, aguardando a devida recuperação do paciente tecnológico. Sendo a doença temporária e recuperável no prazo razoável de três semanas, decidiu o cronista investir a modesta quantia de cerca de vinte moedas de euros na aquisição de um aparelho telefónico portátil, a que dantes chamávamos telemóvel, para permitir o seu contacto com os outros humanos do Mundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-11-21  »  José Mota Pereira Onde pára o PS? - josé mota pereira
»  2020-11-21  »  José Ricardo Costa Ser Torrejano - josé ricardo costa
»  2020-11-06  »  Jorge Carreira Maia Hiperpolitização - jorge carreira maia
»  2020-11-21  »  Carlos Paiva Mais rápido que a própria sombra - carlos paiva
»  2020-11-06  »  José Mota Pereira FUI LÁ ATRÁS, VOLTO JÁ - josé mota pereira