• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 30 Novembro 2023    |      Directora: Inês Vidal; director-adjunto, João Carlos Lopes    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 14° / 4°
Céu nublado com chuva fraca
Sáb.
 15° / 5°
Períodos nublados
Sex.
 14° / 7°
Períodos nublados com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  18° / 10°
Céu muito nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A sorte e o mérito - jorge carreira maia

Opinião  »  2023-10-08  »  Jorge Carreira Maia

"Uma vida conseguida é vista, por aqueles que triunfaram, como fruto do seu mérito"

Em entrevista ao Público, na semana passada, o realizador Woody Allen diz, a certa altura, “O que me aconteceu não foi por eu ser bom ou por ter qualidade, por vezes foi porque tive sorte. Quando comecei, ninguém queria que eu realizasse (cinema)”. Noutro passo, acrescenta: “Acho que o acaso desempenha um papel extremamente importante na nossa vida, muito maior do que as pessoas gostam de pensar”, e continua “É importante trabalhar, ter disciplina, concentrar-se, e isso ajuda. Mas também é preciso ter sorte para ter sucesso”. Na antiguidade clássica greco-latina, o papel da sorte era reconhecido de tal modo que tanto gregos como romanos lhe atribuíram uma deusa, Tykhe, para os primeiros, Fortuna, para os segundos. Era uma deusa caprichosa e cega. A fortuna era o resultado do acaso.

 Esta arbitrariedade que une Woody Allen e os antigos, foi pressentida a partir do início da Idade Média, como irracional. A primeira forma de racionalização é a leitura da sorte não como o fruto do acaso, mas de um plano providencial de Deus para os homens. A inexplicabilidade da sorte ou do azar encontravam uma razão na vontade oculta de Deus. A certa altura do desenvolvimento das sociedades modernas, sob a influência do liberalismo, a sorte e o azar passaram a ter outra forma de racionalização e explicação: o mérito ou a falta dele. É o mérito que explica o facto de uns serem ricos e outros pobres. Uma vida conseguida é vista, por aqueles que triunfaram, como fruto do seu mérito e não da sorte ou de um plano divino. A isto chama-se, no jargão corrente, meritocracia, o poder daqueles que têm mérito.

 O filósofo Michael Sandel, na sua análise do efeito corrosivo que a meritocracia tem na sociedade, chama, também ele, a atenção para o papel da sorte. Imagine-se o caso de Cristiano Ronaldo. Talentoso, trabalhador, disciplinado, o protótipo do mérito e não o resultado da sorte. Sandel faria a seguinte pergunta: e se Cristiano Ronaldo tivesse nascido, com todas essas qualidades e talentos, num mundo onde o futebol não fosse apreciado? Percebe-se que a narrativa meritocrática é, no mínimo, exagerada. Mesmo o talento e a força de vontade são mais herdados do que fruto de cada um. Isto não significa que se justifiquem sociedades igualitárias, mas que devemos tentar encontrar soluções que equilibrem as sociedades, evitando criar uma muralha entre aqueles que têm a sorte de ter as qualidades valorizadas num certo momento e os que não têm essa sorte, entre os que parecem ter mérito e os que parecem não o ter.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Sozinho em Gaza... »  2023-11-24  »  Hélder Dias

PÁSCOA - josé mota pereira »  2023-11-21  »  José Mota Pereira

Um sobressalto. Sim, é um sobressalto a forma como aqueles nomes nos saltam para os olhos e as suas vidas, tão reais e tão concretas, nos interpelam na descrição dos seus processos na Inquisição e que descobrimos através do trabalho de investigação de António Mário Lopes dos Santos, agora editado em livro pelo Município de Torres Novas: “ Os judeus em Torres Novas - a repressão inquisitorial no concelho de Torres Novas (séc XVI-XVII).
(ler mais...)


O pântano das facilidades - antónio gomes »  2023-11-21  »  António Gomes

Depois de na passada primavera termos assistido àqueles folhetins que, todos somados, levaram à demissão de 13 membros do governo e dos sucessivos escândalos em que o governo do PS estava sempre por perto, em que o caso da indemnização de 500 mil euros à administradora da TAP é talvez o caso mais conhecido, nada fazia prever que ainda íamos assistir ao terramoto político de maiores proporções que se abateu sobre o governo de Portugal.
(ler mais...)


Goodbye Marx - josé ricardo costa »  2023-11-21  »  José Ricardo Costa

Apesar da sua grande importância durante o Império Romano, do qual há muitos vestígios, ou a Idade Média, Trier é hoje apenas uma simpática cidade da Renânia-Palatinado, bem encostadinha ao Luxemburgo.
(ler mais...)


Jogada de mestre - antónio mário santos »  2023-11-21  »  António Mário Santos

Deixem-me ser claro. A crise em que Portugal se encontra não me apanhou de surpresa. A maioria absoluta do Partido Socialista submeteu-se, desde as eleições legislativas, a quem lhe dera origem: António Costa. Por sua vez, a sua maioria na Assembleia retirara-lhe capacidade de intervenção partidária, submetida aos interesses do vencedor eleitoral, cuja palavra se tornou magister dixit.
(ler mais...)


Guerras culturais - jorge carreira maia »  2023-11-21  »  Jorge Carreira Maia

Gostaria de falar neste artigo do acontecimento que, na semana passada, arrastou a queda do governo. Confesso, todavia, que ainda não percebi o que se passou. Deixo isso de lado e volto-me para uma revista. Tem o nome de Crítica XXI e é dirigida por Rui Ramos e Jaime Nogueira Pinto, dois influentes intelectuais da direita portuguesa.
(ler mais...)


Em flagrante delítio... »  2023-11-12  »  Hélder Dias

Conselhos do Sócrates... »  2023-11-09  »  Hélder Dias

Quem tropeça também cai »  2023-11-08  »  Hélder Dias

SOS... »  2023-11-02  »  Hélder Dias
 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2023-11-09  »  Hélder Dias Conselhos do Sócrates...
»  2023-11-02  »  Hélder Dias SOS...
»  2023-11-12  »  Hélder Dias Em flagrante delítio...
»  2023-11-08  »  Hélder Dias Quem tropeça também cai
»  2023-11-24  »  Hélder Dias Sozinho em Gaza...