• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 17 Agosto 2022    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 39° / 21°
Céu limpo
Sex.
 38° / 21°
Céu limpo
Qui.
 34° / 15°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  27° / 16°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A GRANDE PORTA DE KIEV - josé alves pererira

Opinião  »  2022-06-18  »  José Alves Pereira

" “Que a imaginária “grande porta” possa ser franqueada pelos contendores, pondo termo ao actual conflito."

O conflito em curso na Ucrânia veio dar maior visibilidade à sua capital e sede de governo, Kiev. Como todos os cidadãos, vejo com uma sensação de perda a destruição das estruturas materiais e das vidas, mas igualmente das irreparáveis, no curto prazo, fracturas nas relações humanas. A cidade não me é totalmente desconhecida, mas a impressão que dela retenho é já um pouco difusa. Numa ou noutra imagem actual, penso reconhecer ainda alguns dos sítios por onde andei. É a umas velhas fotografias de 12,5x9 cm, reveladas em papel, que a memória se ampara para vaguear por essas recordações. Numa manhã de Setembro de 1976 chego à estação de comboios de Kiev integrando um grupo de trinta veraneantes numa mistura de turístico, político e cultural. Deixara Moscovo na véspera e no comboio cama fiz de noite os 756 quilómetros que separam as duas cidades. Hoje separa-as, infelizmente, muito mais que essa distância.

A diferença mais sentida à chegada foi a língua, que nos disseram ser em relação ao russo assim como o espanhol para o português. Não vai o meu saber tão longe pelo que tomo por vera a explicação.

Um pouco distante da cidade, visitámos locais que por este ou aquele motivo o justificavam, caso de um kolkhoze – propriedade agrícola estatal - onde se cultivava beterraba. A visita ao Palácio dos Pioneiros, com o olhar naquelas crianças que exercitavam os primeiros movimentos no ballet e outras pautas com as claves, bemóis e sustenidos. Num dia solarengo, sentei-me nas bancadas do estádio olímpico, base habitual do Dynamo de Kiev. De uma colina sobranceira, apreciávamos o largo e caudaloso rio Dnieper. Tudo tão distante já de um solo pisado há pouco mais de trinta anos pelos exércitos germano-fascistas, numa guerra cruenta e demolidora.

Nas instituições visitadas, trocavam-se impressões do que a cada um lembrava, mediadas por um intérprete, um jovem estudante de nome Iuri. Uma figura omnipresente era Taras Shevchenko (1814-1861) poeta, pintor, político, ucraniano. Dele, em várias partes do mundo, existem monumentos, um dos quais inaugurado no Restelo (Lisboa) em 2019. Pareceu-me Kiev uma urbe moderna, muito reconstruída após a II Guerra Mundial, que ali teve episódios dramáticos com a sua ocupação pelos exércitos nazis, entre Setembro 1941 e Novembro 1943. Anos dramáticos e mortíferos, com intensos combates entre as tropas soviéticas e o grosso das hordas nazi-fascistas do general Guderian que na região centro se dirigiam a Moscovo, travadas a escassos quilómetros da Praça Vermelha por uma heróica resistência.

Passados tantos anos e mudanças, é provável que Kiev fosse hoje mais cosmopolita, mas também mais potenciadora de desigualdades. Mas isso é outra história, que nos levaria às manifestações da Praça Maidan, em 2014, e ao início dos tempos sombrios que estamos a assistir. Com o músico russo Modest Mussorgky e a sua composição “Quadros de uma exposição”, relembramos Kiev através do tema que dá título a este texto. Após visitar uma amostra de desenhos e pinturas do seu amigo e arquitecto Viktor Hartmann (1934-1873), Mussorgky compõe uma suite em 15 movimentos em que caracteriza, através dos sons, promenades, sentimentos e impressões de viagens. “A grande porta de Kiev” será o trecho musical finalizador com um timbre e coloridos usados ao longo do tempo em arranjos e orquestrações.

Que a imaginária “grande porta” possa ser franqueada pelos contendores, pondo termo ao actual conflito e repondo o que for possível nas relações entre povos que tantos, demasiados, se esforçam por acirrar.

 

 


 

 

 Outras notícias - Opinião


Não é coisa pouca! - antónio gomes »  2022-08-16  »  António Gomes

A cidadania fez-se ao caminho, recolheu mais de 900 assinaturas, entregou-as na Assembleia Municipal e colocou-a a reflectir sobre o assunto.

Os peticionários e a Assembleia Municipal de Torres Novas tomaram posição e decidiram sobre o futuro do território que envolve a nascente do rio Almonda e sobre a pertença da água que ali brota.
(ler mais...)


CRÓNICA PARA UM TEMPO ESTIVAL - -josé alves pereira »  2022-08-16  »  José Alves Pereira

Neste verão canicular de dias adormentados, cercados pelas chamas televisivas e pela (des)informação da guerra na Ucrânia e outras menos visíveis, que escrever para alguns distraídos momentos de leitura ?  Nesta indecisão, veio-me à memória um episódio insólito presenciado num outro escaldante Agosto, no final dos anos 80, numa praia de Marbelha, ao sul de Espanha.
(ler mais...)


Três notas sobre o mês de Agosto - josé mota pereira »  2022-08-16  »  José Mota Pereira

1.

“Primeiro dia de inverno”, assim ouvia ao avô de verão, mestre Zé Viola, velho  pescador de Peniche, onde na sua pequena casa  passávamos as férias de verão nos anos iniciais da existência.
(ler mais...)


Não (h)à crise - carlos paiva »  2022-08-16  »  Carlos Paiva

Conto com mais de meio século de existência e não conheço Portugal sem estar em crise. Este estado perpétuo instalou-se no subconsciente colectivo, sendo aceite como a normalidade. Curioso como regularmente o governo nos educa para novas normalidades.
(ler mais...)


Trve - carlos paiva »  2022-07-15  »  Carlos Paiva

Quem se interessa por música, em jovem e no caminho para a maturidade, é comum acontecer um sentido de propriedade, totalmente deslocado, acerca de algo que não nos pertence, nem por sombras está dentro da nossa esfera de influência.
(ler mais...)


Os rankings e escolas públicas e privadas - jorge carreira maia »  2022-07-15  »  Jorge Carreira Maia

Já com o calor de Julho saíram os rankings dos exames nacionais do ano anterior. Sempre que são publicados, geram uma árdua batalha entre os defensores da sua não publicação, argumentando que não se pode comparar o incomparável, como os que defendem que se deve tornar manifesto quais as escolas que tem mérito e aquelas que não o têm e, numa perspectiva liberal, argumentar sobre a superioridade do ensino privado sobre o ensino público.
(ler mais...)


A NASCENTE QUE NUNCA MORRE - ana domingos »  2022-07-15  »  Ana Domingos

 

No dia em que as fontes secarem, depois no norte e sul se fundirem, já estarei longe deste lugar. Depois, para lá de tudo, do tacto, da cor, um miudinho templo apreciará, insistentemente, a ousadia desafiante de nunca, mas nunca morrer.
(ler mais...)


É tempo de dignificar a Assembleia Municipal de Torres Novas - antónio gomes »  2022-07-05  »  António Gomes

 

A última sessão da Assembleia Municipal (AM) aprovou, por unanimidade, a gratuitidade dos TUT a partir de 2023, por proposta do BE. Logo no início deste século, a Agência Europeia do Ambiente tinha colocado como uma das condições principais em defesa do ambiente que os transportes públicos fossem gratuitos.
(ler mais...)


A ANEMIA - josé mota pereira »  2022-07-05  »  José Mota Pereira

Num canto de página d` O Almonda, na sequência de mais uma reorganização do jornal nestes últimos anos, vem o anúncio: O Almonda deixará de se publicar semanalmente, passando a quinzenário.

 Na sua longa história, esta é uma mudança significativa e que ultrapassa as fronteiras do jornal.
(ler mais...)


Um problema irresolúvel - jorge carreira maia »  2022-07-05  »  Jorge Carreira Maia

 


1. A solidão de Macron. A coligação de apoio a Macron ganhou as eleições legislativas francesas, mas o governo ficou sem maioria no parlamento. O pior é que este reflecte a polarização política existente em França, onde as forças radicais e populistas, à esquerda e à direita, têm uma enorme influência, e o centro-direita não parece inclinado a estender a mão à maioria.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2022-08-16  »  António Gomes Não é coisa pouca! - antónio gomes
»  2022-08-16  »  José Alves Pereira CRÓNICA PARA UM TEMPO ESTIVAL - -josé alves pereira
»  2022-08-16  »  Carlos Paiva Não (h)à crise - carlos paiva
»  2022-08-16  »  José Mota Pereira Três notas sobre o mês de Agosto - josé mota pereira