• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 17 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 15° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 14° / 2°
Céu muito nublado com chuva fraca
Seg.
 14° / 1°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  15° / 1°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Hiperpolitização - jorge carreira maia

Opinião  »  2020-11-06  »  Jorge Carreira Maia

"Vivemos, ao contrário do que as eleições dizem, numa época de hiperpolitização."

Escrevo no dia em que decorrem as eleições norte-americanas. No entanto, não são as eleições nos EUA o foco do artigo, mas as portuguesas. Olhemos para a evolução da participação nas eleições para a Assembleia da República, deixando de lado a Assembleia Constituinte de 1975. Em 1976, nas primeiras legislativas, votaram 83,5% dos eleitores (a maior votação foi a de 1980 com 83,9%). Nas últimas, as décimas quintas, em 2019, votaram 48,6%. Em 43 anos, o regime democrático alienou mais 35% do eleitorado. Ao fim de 10 anos, já tinham sido perdidos mais de 10% de participantes. Ao fim de 20 anos, a perda cifrava-se na casa dos 20%. Ao fim de trinta, a queda sofrera uma travagem, mas mesmo assim aumentara para mais 22%. Nos doze anos seguintes perderam-se mais 13% dos eleitores, sendo as últimas eleições as primeiras em que a participação fica abaixo de 50%.

Houve um claro afastamento dos portugueses da vida democrática. A questão que se coloca, porém, é se esse afastamento das práticas da democracia representa um desinteresse pela política e pelos destinos da comunidade. Quando não existiam redes sociais e a comunicação social dominava a opinião, havia a sensação de que crescia o desinteresse dos portugueses pela política, um refluxo para a esfera privada, uma indiferença pelo que estava a acontecer. As redes sociais vieram demonstrar outra realidade. A desafeição crescente do eleitorado não é com a política, mas com o actual regime. Constantemente as pessoas produzem comentários políticos, assinalam as distâncias entre o eles (os políticos) e o nós (as pessoas comuns), fazem observações jocosas e acusatórias sobre as elites políticas do regime. Há uma intensa participação.

Vivemos, ao contrário do que as eleições dizem, numa época de hiperpolitização. Esta não se manifesta nem na defesa da democracia nem em formas de participação política convencionais. Manifesta-se no rápido tweet, no comentário jocoso, no like concordante com uma qualquer diatribe. Esta hiperpolitização – hiper porque representa uma intensificação do interesse pela política e porque está ligada ao hiperespaço – não deve ser encarada de ânimo leve. Ao situar-se fora do quadro institucional, ela trabalha para desprestigiar e fazer explodir as instituições democráticas. A hiperpolitização assinala duas coisas. Em primeiro lugar, um grande ressentimento com o regime democrático. Em segundo lugar, desenha uma utopia, o desejo de um regime político puro, que não seja contaminado pela venalidade dos políticos. Sempre que se conjugam ressentimento e desejos utópicos, as comunidades encontram-se à beira de um abismo.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)


Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia »  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia

A sondagem da Aximage, para o DN/JN/TSF, referente ao mês de Dezembro, dá ao CDS uns miseráveis 0,3%. Os partidos também morrem e o CDS está moribundo. Teve um importante papel na transição à democracia e, também, na vida democrática institucionalizada.
(ler mais...)


Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado.
(ler mais...)


Resíduos urbanos - antónio gomes »  2021-01-10  »  António Gomes

O sector dos resíduos sólidos urbanos esteve recentemente na agenda mediática devido à revolta das populações que vivem perto dos aterros onde são depositados, pois assistem à constante degradação da sua qualidade de vida.
(ler mais...)


Como serás tu, 2021? - anabela santos »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir.
(ler mais...)


2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal »  2021-01-10  »  Inês Vidal

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval.
(ler mais...)


2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-12-19  »  Inês Vidal Paul do Boquilobo - Inês Vidal
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia 2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia