• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 15 Abril 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 22° / 10°
Céu limpo
Sex.
 23° / 12°
Períodos nublados com chuva fraca
Qui.
 22° / 14°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  21° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Hiperpolitização - jorge carreira maia

Opinião  »  2020-11-06  »  Jorge Carreira Maia

"Vivemos, ao contrário do que as eleições dizem, numa época de hiperpolitização."

Escrevo no dia em que decorrem as eleições norte-americanas. No entanto, não são as eleições nos EUA o foco do artigo, mas as portuguesas. Olhemos para a evolução da participação nas eleições para a Assembleia da República, deixando de lado a Assembleia Constituinte de 1975. Em 1976, nas primeiras legislativas, votaram 83,5% dos eleitores (a maior votação foi a de 1980 com 83,9%). Nas últimas, as décimas quintas, em 2019, votaram 48,6%. Em 43 anos, o regime democrático alienou mais 35% do eleitorado. Ao fim de 10 anos, já tinham sido perdidos mais de 10% de participantes. Ao fim de 20 anos, a perda cifrava-se na casa dos 20%. Ao fim de trinta, a queda sofrera uma travagem, mas mesmo assim aumentara para mais 22%. Nos doze anos seguintes perderam-se mais 13% dos eleitores, sendo as últimas eleições as primeiras em que a participação fica abaixo de 50%.

Houve um claro afastamento dos portugueses da vida democrática. A questão que se coloca, porém, é se esse afastamento das práticas da democracia representa um desinteresse pela política e pelos destinos da comunidade. Quando não existiam redes sociais e a comunicação social dominava a opinião, havia a sensação de que crescia o desinteresse dos portugueses pela política, um refluxo para a esfera privada, uma indiferença pelo que estava a acontecer. As redes sociais vieram demonstrar outra realidade. A desafeição crescente do eleitorado não é com a política, mas com o actual regime. Constantemente as pessoas produzem comentários políticos, assinalam as distâncias entre o eles (os políticos) e o nós (as pessoas comuns), fazem observações jocosas e acusatórias sobre as elites políticas do regime. Há uma intensa participação.

Vivemos, ao contrário do que as eleições dizem, numa época de hiperpolitização. Esta não se manifesta nem na defesa da democracia nem em formas de participação política convencionais. Manifesta-se no rápido tweet, no comentário jocoso, no like concordante com uma qualquer diatribe. Esta hiperpolitização – hiper porque representa uma intensificação do interesse pela política e porque está ligada ao hiperespaço – não deve ser encarada de ânimo leve. Ao situar-se fora do quadro institucional, ela trabalha para desprestigiar e fazer explodir as instituições democráticas. A hiperpolitização assinala duas coisas. Em primeiro lugar, um grande ressentimento com o regime democrático. Em segundo lugar, desenha uma utopia, o desejo de um regime político puro, que não seja contaminado pela venalidade dos políticos. Sempre que se conjugam ressentimento e desejos utópicos, as comunidades encontram-se à beira de um abismo.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Empréstimo »  2021-04-13  »  Hélder Dias

Sombra suspeita »  2021-04-13  »  Hélder Dias

Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro »  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro

Num momento em que o sentimento generalizado sobre os chineses é de alguma desconfiança, preparo-me aqui para contrapor e dar uma oportunidade aos tipos. Eu sei que nos foram mandando com a peste bubónica, a gripe asiática, a gripe das aves, o corona vírus.
(ler mais...)


#torresnovas@weshallover.com - josé ricardo costa »  2021-04-10  »  José Ricardo Costa

É muito bom viver em Torres Novas mas também se sente o peso de estar longe do que de verdadeiramente moderno se passa no mundo, enfim, nada de #Me Too, Je suis Charlie Hebdo, vetustas estátuas transformadas em anúncios da Benetton.
(ler mais...)


Rever a revisão, já! - josé mota pereira »  2021-04-10  »  José Mota Pereira

 

 Recuemos no tempo. Entremos numa máquina do tempo e cliquemos no botão que nos leve até ao ano de 2001. Recordemos vagamente que em 2001:

 - Caíram as Torres Gémeas em Nova Yorque em 11 setembro.
(ler mais...)


Na era do ad hominem - jorge carreira maia »  2021-04-10  »  Jorge Carreira Maia

Quando a internet surgiu e, posteriormente, com a emergência dos blogues e redes sociais pensou-se que a esfera pública tinha encontrado uma fonte de renovação. Mais pessoas poderiam trocar opiniões sobre os problemas que afectam a vida comum, sem estarem controladas pelos diversos poderes, contribuindo para uma crescente participação, racionalmente educada, nos assuntos públicos.
(ler mais...)


Equilíbrio - inês vidal »  2021-04-10 

É e sempre foi uma questão de equilíbrio. Tudo. E todos o sabemos. O difícil é chegar lá, encontrá-lo, ter a racionalidade e o bom senso suficientes para o ter e para o ser. E para saber que o equilíbrio de hoje não é obrigatoriamente o de amanhã, muito menos o que era ontem.
(ler mais...)


As árvores morrem de qualquer maneira e feitio - carlos paiva »  2021-04-10  »  Carlos Paiva

Comemorou-se a 21 de Março o dia da floresta. O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) resolveu assinalar a data disponibilizando 50.000 árvores gratuitamente à população. Quem as quisesse plantar, teria de se identificar, inscrever, levantar a árvore (até um máximo de dez árvores por pessoa) e, num prazo de 48 horas, declarar o local onde plantou documentando com fotos.
(ler mais...)


Rejuvenescimento político - anabela santos »  2021-04-10  »  AnabelaSantos

Hoje, como acontece diariamente, no caminho de casa até à escola, lá se deu o habitual encontro matinal entre mim e o Ananias, o meu amigo ardina. Trocámos algumas palavras, comprei o jornal e seguimos por caminhos opostos que nos levam à nossa missão do dia, o trabalho.
(ler mais...)


O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes »  2021-04-08  »  João Carlos Lopes

Durante décadas, todos os torrejanos ajudaram no que puderam o CRIT, uma obra social que granjeou a estima de todos os cidadãos e empresários, e foram muitos, que sempre disseram sim a todas e quaisquer formas de ajuda em prol da aventura iniciada em 1975.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-04-08  »  João Carlos Lopes O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes
»  2021-03-23  »  João Carlos Lopes Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes
»  2021-03-20  »  José Ricardo Costa A Rosa do Nome - josé ricardo costa
»  2021-03-20  »  Jorge Carreira Maia A arte do possível - jorge carreira maia
»  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro