• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 17 Agosto 2022    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 39° / 21°
Céu limpo
Sex.
 38° / 21°
Céu limpo
Qui.
 34° / 15°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  27° / 16°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Sim, dou licença - inês vidal

Opinião  »  2022-06-04 

"“Acredito que somos biologicamente diferentes e que, como tal, quanto mais não seja por isso, nunca poderemos ser iguais. Não é essa igualdade que um feminista pede."

Sempre quis ser espanhola. Gosto e invejo o ritual das cañas e pinchos, ao mesmo tempo que me questiono, intrigada, sobre onde enfiam as crianças para poderem passar os fins de tarde na esplanada. Adoro o conceito. Sempre quis ser espanhola. Uma vontade reiterada e sublinhada com a recente medida de atribuição de uma licença menstrual às mulheres que com ela sofrem. Uma questão de saúde e bem estar, sexismos à parte. Uma medida contra falsos moralismos e discussões politicamente correctas sobre igualdade ou diversidade.

Sou mulher. Cresci entre irmãos e vizinhos homens. Trepei árvores, joguei aos centros no portão lá de casa, brinquei com tropas e índios, corri atrás da bola, desci a ladeira de skate vezes sem conta. As cicatrizes dos meus joelhos contam orgulhosamente todas essas histórias. Quando fechada no meu quarto, brinquei com os meus bonecos o mais que pude. Vesti e despi, alimentei, dei colo e até ralhei. Fui mãe, com aquele instinto bem apurado, que mantenho ainda hoje (apesar de invejar a capacidade logística de deixar as crianças em casa para rumar às cañas de fim da tarde).

Sou mulher e gosto. Nunca desejei ser homem, muito menos que me considerassem igual a um. Acredito que somos biologicamente diferentes e que, como tal, quanto mais não seja por isso, nunca poderemos ser iguais. Não é essa igualdade que um feminista pede. Um feminista pede que o respeito seja igual, tanto pelo homem como pela mulher, bem como pelas diferenças evidentes que ambos têm.

Como mulher que sou, tenho características que homem algum jamais terá, tal como os homens têm particularidades que eu jamais atingirei. E isso é bom, parte de um equilíbrio fantástico que só a natureza nos poderia dar. Como mulher posso ser mãe, gerar crianças, sejam elas homens ou mulheres, e o meu corpo tem a maravilhosa capacidade de poder alimentar ambos de igual forma. Quanto mais não seja, que valha tudo isso. Causa e consequência de tudo o que sou e gero, tenho a menstruação todos os meses e com ela, todas as incapacidades que isso acarreta. Para mim é sujo e desconfortável, além de acicatar o meu já natural mau humor. Que me aguente, quem à minha volta se move. Mas, para algumas mulheres, é dor e horror, um estado incapacitante que mal deixa respirar, quanto mais trabalhar. E é para essas, para quem o ser mulher pode ser uma doença, que surge esta licença menstrual. Para quando o parar é inevitável.

Muitas vozes tenho ouvido depois de Espanha ter trazido de volta à mesa este assunto. Um retrocesso e um atentado a quem quer a igualdade, dizem uns, uma incongruência dizem outros, considerando incompatível a igualdade profissional e uma licença menstrual. Como se a dor incapacitante de uma endometriose ou doença semelhante, pudesse pôr em casa a capacidade de trabalho de alguém.

A discordância certamente continuará. A mim, esta discussão meio hipócrita só me deixa a pensar que eu de facto devo ter o meu género muito bem resolvido. Ter dores menstruais não faz de mim menos do que um homem. Só faz de mim mulher.

 



 

 

 Outras notícias - Opinião


Não é coisa pouca! - antónio gomes »  2022-08-16  »  António Gomes

A cidadania fez-se ao caminho, recolheu mais de 900 assinaturas, entregou-as na Assembleia Municipal e colocou-a a reflectir sobre o assunto.

Os peticionários e a Assembleia Municipal de Torres Novas tomaram posição e decidiram sobre o futuro do território que envolve a nascente do rio Almonda e sobre a pertença da água que ali brota.
(ler mais...)


CRÓNICA PARA UM TEMPO ESTIVAL - -josé alves pereira »  2022-08-16  »  José Alves Pereira

Neste verão canicular de dias adormentados, cercados pelas chamas televisivas e pela (des)informação da guerra na Ucrânia e outras menos visíveis, que escrever para alguns distraídos momentos de leitura ?  Nesta indecisão, veio-me à memória um episódio insólito presenciado num outro escaldante Agosto, no final dos anos 80, numa praia de Marbelha, ao sul de Espanha.
(ler mais...)


Três notas sobre o mês de Agosto - josé mota pereira »  2022-08-16  »  José Mota Pereira

1.

“Primeiro dia de inverno”, assim ouvia ao avô de verão, mestre Zé Viola, velho  pescador de Peniche, onde na sua pequena casa  passávamos as férias de verão nos anos iniciais da existência.
(ler mais...)


Não (h)à crise - carlos paiva »  2022-08-16  »  Carlos Paiva

Conto com mais de meio século de existência e não conheço Portugal sem estar em crise. Este estado perpétuo instalou-se no subconsciente colectivo, sendo aceite como a normalidade. Curioso como regularmente o governo nos educa para novas normalidades.
(ler mais...)


Trve - carlos paiva »  2022-07-15  »  Carlos Paiva

Quem se interessa por música, em jovem e no caminho para a maturidade, é comum acontecer um sentido de propriedade, totalmente deslocado, acerca de algo que não nos pertence, nem por sombras está dentro da nossa esfera de influência.
(ler mais...)


Os rankings e escolas públicas e privadas - jorge carreira maia »  2022-07-15  »  Jorge Carreira Maia

Já com o calor de Julho saíram os rankings dos exames nacionais do ano anterior. Sempre que são publicados, geram uma árdua batalha entre os defensores da sua não publicação, argumentando que não se pode comparar o incomparável, como os que defendem que se deve tornar manifesto quais as escolas que tem mérito e aquelas que não o têm e, numa perspectiva liberal, argumentar sobre a superioridade do ensino privado sobre o ensino público.
(ler mais...)


A NASCENTE QUE NUNCA MORRE - ana domingos »  2022-07-15  »  Ana Domingos

 

No dia em que as fontes secarem, depois no norte e sul se fundirem, já estarei longe deste lugar. Depois, para lá de tudo, do tacto, da cor, um miudinho templo apreciará, insistentemente, a ousadia desafiante de nunca, mas nunca morrer.
(ler mais...)


É tempo de dignificar a Assembleia Municipal de Torres Novas - antónio gomes »  2022-07-05  »  António Gomes

 

A última sessão da Assembleia Municipal (AM) aprovou, por unanimidade, a gratuitidade dos TUT a partir de 2023, por proposta do BE. Logo no início deste século, a Agência Europeia do Ambiente tinha colocado como uma das condições principais em defesa do ambiente que os transportes públicos fossem gratuitos.
(ler mais...)


A ANEMIA - josé mota pereira »  2022-07-05  »  José Mota Pereira

Num canto de página d` O Almonda, na sequência de mais uma reorganização do jornal nestes últimos anos, vem o anúncio: O Almonda deixará de se publicar semanalmente, passando a quinzenário.

 Na sua longa história, esta é uma mudança significativa e que ultrapassa as fronteiras do jornal.
(ler mais...)


Um problema irresolúvel - jorge carreira maia »  2022-07-05  »  Jorge Carreira Maia

 


1. A solidão de Macron. A coligação de apoio a Macron ganhou as eleições legislativas francesas, mas o governo ficou sem maioria no parlamento. O pior é que este reflecte a polarização política existente em França, onde as forças radicais e populistas, à esquerda e à direita, têm uma enorme influência, e o centro-direita não parece inclinado a estender a mão à maioria.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2022-08-16  »  António Gomes Não é coisa pouca! - antónio gomes
»  2022-08-16  »  José Alves Pereira CRÓNICA PARA UM TEMPO ESTIVAL - -josé alves pereira
»  2022-08-16  »  Carlos Paiva Não (h)à crise - carlos paiva
»  2022-08-16  »  José Mota Pereira Três notas sobre o mês de Agosto - josé mota pereira