• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 04 Outubro 2022    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 32° / 19°
Períodos nublados
Qui.
 32° / 15°
Períodos nublados
Qua.
 31° / 17°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  32° / 16°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

CRÓNICA PARA UM TEMPO ESTIVAL - -josé alves pereira

Opinião  »  2022-08-16  »  José Alves Pereira

Neste verão canicular de dias adormentados, cercados pelas chamas televisivas e pela (des)informação da guerra na Ucrânia e outras menos visíveis, que escrever para alguns distraídos momentos de leitura ?  Nesta indecisão, veio-me à memória um episódio insólito presenciado num outro escaldante Agosto, no final dos anos 80, numa praia de Marbelha, ao sul de Espanha. Atravessada a fronteira no Caia e já em terras de nuestros hermanos o Renault 5, que não tinha AC, virou à direita e rumou a sul para a Andaluzia. Abreviando etapas no roteiro: primeiro a mesquita de Córdova depois o Alhambra em Granada e ala para a costa ao sul. Noites com temperaturas sufocantes!                                                                                                  Na moda turística ao tempo viu-se Torremolinos: animação, neons multicores, flamengos salerosos e guitarradas andaluzes pela noite adentro; sangrias, tintos de verano e shots, bocadillos, paellas e gaspachos numa aparência de gente feliz e despreocupada. A Espanha parecia esquecida dos anos de chumbo do franquismo. Voltei anos depois e tudo me pareceu menos entusiasmante.                                                                                                   50 km adiante uma parada mais chique: Marbelha. Praia comprida, repleta de chapéus de colmo e espreguiçadeiras, com areias douradas e finas sobre as quais, num para cá para lá, marulham as ondas docemente. Damas e caballeros, corpos bronzeados, volteiam-se com deliciosa preguiça sob os chapéus de palha que lhe propiciam as sombras. Elas dão-se à leitura das fofoquices da Hola ou mergulham nos best sellers de catarpázio que os hotéis disponibilizam. Para quebrar a monotonia, enfiam os chinelos, que a areia já vai quente, molham os pés na beira-mar, passam as mãos humedecidas pelos ombros e soltam o gritinho que acompanha o arrepio. Os caballeros mais enfronhados nas preocupações do mundo político e quiçá atentos aos negócios oscilam entre o “progressista” El País” e o “conservador” ABC. A quietude matinal de um sol sereno, com uma neblina empurrada por uma suave brisa, apenas rasgada pelo silvo das gaivotas. Para lá do Mediterrâneo, a costa marroquina. Mais abaixo, na ponta de Tarifa ver-se-ia África mais de “perto”. Antes, contornava-se a baía do enclave inglês de Gibraltar a que se acedia transpondo o “portão/fronteira” e atravessando a pista de aviação entrava-se em terras de sua majestade britânica.

Como cantavam Toquinho e Vinicius, “Tudo na mais perfeita ordem / tudo na mais completa paz”. Eis senão quando o inusitado invade o areal, numa cena que Kusturica não desdenharia incluir num dos seus filmes. Um casal, rostos tisnados, duas crianças pequenas e um bebé de colo, e uma señora idosa, atravessam o passadiço carregando tubos metálicos e uns panejamentos com que a escassos metros do mar vão erguer uma tenda idêntica à das feiras. No tapamento do fundo, uma desmesurada bandeira do barça. Uma ida ao transporte e aí está o grelhador. Um cãozito saltita feliz entre as pernas dos donos. A mujer do casal, esquálida, cobre a sua magreza com uma túnica branca em que sobressai uma Madonna estampada. A señora idosa, sentada a uma mesa, começa os preparativos do almuerzo. O pão cortado em fatias aguarda o suco da parrillada que já exala das grelhas. O bebé dormita deitado sobre um resguardo na areia. Os dois irmãos, melhor será dizer irmão e irmã, chapinham na água brincando com um balde que servirá também para lavar as fraldas com a água do mar; o cão brinca abocanhando uma pequena bola atirada às águas, aproveitando para se espanejar. Umas cervezas arrefecem nas ondas, atadas pelos gargalos com um baraço esticado a partir de um espeque cravado na areia. A perfeita harmonia e a felicidade num dia de praia.

Mas os sussurros indignados das damas e caballeros e os comentários mexeriqueiros galgaram toldos e sombras. Um desaforo nunca visto! “Onde pensa esta gente que está?” Os clamores rápido chegam aos ouvidos das autoridades que em boa hora chamados, e cientes do seu múnus de responsabilidade no cumprimento da lei e dos bons costumes, intervêm pondo termo àquela desarmonia. “A mais perfeita ordem estava de volta …”

 

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Vai e volta... »  2022-09-30  »  Hélder Dias

Referendo aos pinguins?... »  2022-09-29  »  Hélder Dias

Referendo?... »  2022-09-29  »  Hélder Dias

Estou apaixonado pelo meu carro - carlos paiva »  2022-09-23  »  Carlos Paiva

A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, em que Torres Novas participa, assinou dia 8 de Setembro um contrato de concessão com a Rodoviária do Tejo, com a validade de oito anos, para o serviço público de transporte de passageiros.
(ler mais...)


Testemunha dos tempos - maria augusta torcato »  2022-09-23  »  Maria Augusta Torcato

Um jornal testemunha. É um dos seus papéis. E espera-se um papel ativo na observação, na análise e na intervenção do que está à sua volta, próximo e distante.

O JT completa 29 anos com publicações ininterruptas ao longo deste tempo.
(ler mais...)


A aposta de António Costa - jorge carreira maia »  2022-09-23  »  Jorge Carreira Maia

António Costa voltou decididamente ao consenso liberal que gere a União Europeia, do qual em aparência se tinha afastado nos primeiros seis anos de governação. O problema da actualização dos vencimentos da função pública e das reformas e o da recusa de taxar os lucros extraordinários das grandes empresas provam que está completamente comprometido com a visão dominante na União Europeia.
(ler mais...)


A Ilha - josé ricardo costa »  2022-09-23  »  José Ricardo Costa

Não há volta a dar. Todos os anos, o fim das férias faz-nos regressar ao Gólgota depois de alguns dias de prazerosa ressurreição. Sendo o trabalho, como dizia Mark Twain, um mal necessário a ser evitado, as férias são a concretização desse desejo, sentindo o trabalhador o carinho do Tempo a embalá-lo numa sucessão de dias livres.
(ler mais...)


A gente vai continuar - inês vidal »  2022-09-23  »  Inês Vidal

É difícil sentirmo-nos parte de algo. Podemos passar uma vida inteira a passar ao lado de uma vida inteira, sermos sempre supérfluos, o outro, apenas mais um. Viver à superfície, cumprir por cumprir, encarar a coisa como apenas e só mais uma etapa.
(ler mais...)


Não há um adulto na sala? - joão carlos lopes »  2022-09-21  »  João Carlos Lopes

A cena da imagem é uma carrinha de pronto-socorro que queria ir para os lados de São Pedro. Não podendo (teria de voltar em direcção ao largo da Botica, Rotunda, rua do Nogueiral, largo do Caldeirão, fazer toda avenida, isto é, correr a cidade toda) – por isso, tentou pela rua da Trindade, mas teve de voltar para trás.
(ler mais...)


O longo funeral... »  2022-09-20  »  Hélder Dias
 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2022-09-21  »  João Carlos Lopes Não há um adulto na sala? - joão carlos lopes
»  2022-09-06  »  Hélder Dias Tony Costa...
»  2022-09-09  »  Pedro Ferreira O Almonda e o colapso - pedro ferreira
»  2022-09-12  »  Hélder Dias Amigo?...
»  2022-09-20  »  Hélder Dias O longo funeral...