• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 04 Outubro 2022    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 32° / 19°
Períodos nublados
Qui.
 32° / 15°
Períodos nublados
Qua.
 31° / 17°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  32° / 16°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia

Opinião  »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

"Se tudo correr bem com a vacina e com a democracia americana, talvez o ano de 2020 seja um ano não para esquecer, mas para lembrar. "

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas. Deu lugar a que pululassem na esfera pública as mais descabeladas e perigosas ideias sobre teorias conspirativas e promoveu a menorização dos perigos que a pandemia representa, inclusive com o beneplácito e a participação de quem mais se lhe deveria opor. À doença foi-lhe acrescentada uma dose enorme de irracionalidade.

Um segundo acontecimento extraordinário veio dos EUA. Assistiu-se em directo a uma tentativa de subversão da democracia americana. Uma subversão fortemente apoiada pela massa e que tem tentado tudo para evitar que o vencedor das eleições assuma o cargo. Quando isto se passa numa república das bananas, ninguém estranha. Quando os EUA estão à beira de se transformarem, à vista de todos, em república das bananas, alguma coisa perigosa anda no ar. A irracionalidade que se encontra em muita gente relativamente à pandemia é gémea daquela que apoia a tentativa de subversão dos resultados eleitorais nos EUA.

O ano de 2020 foi, deste modo, um ano em que as forças mais obscuras e perigosas que habitam o rebanho humano encontraram campo propício para lançarem o caos e ameaçarem a vida civilizada. São forças terríveis e têm ao seu serviço instrumentos poderosos, entre eles a comunicação instantânea trazida pelas redes sociais. Aos mais distraídos, convém lembrar que essas forças, no século XX, desencadearam duas guerras mundiais. No entanto, talvez devamos dar alguma atenção à palavra de S. Paulo quando diz ‘onde o pecado abundou, superabundou a graça’. Onde a irracionalidade cresceu, também a razão se excedeu.

A resposta da racionalidade científica à pandemia é um acontecimento digno de realce. É notável como em poucos meses se acumulou uma quantidade de conhecimento enorme sobre a doença e como se chegou a um conjunto de vacinas que permitirão lutar com mais esperança contra a ameaça. Também está a ser, até à hora em que escrevo, notável a resposta das instituições democráticas americanas à ameaça que sobre elas impende. Tanto o sistema eleitoral dos estados federados como os tribunais têm conseguido fazer prevalecer a razão democrática sobre a irracionalidade autoritária. Se tudo correr bem com a vacina e com a democracia americana, talvez o ano de 2020 seja um ano não para esquecer, mas para lembrar. O ano em que a razão científica e a razão democrática venceram as forças obscuras da irracionalidade.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Vai e volta... »  2022-09-30  »  Hélder Dias

Referendo aos pinguins?... »  2022-09-29  »  Hélder Dias

Referendo?... »  2022-09-29  »  Hélder Dias

Estou apaixonado pelo meu carro - carlos paiva »  2022-09-23  »  Carlos Paiva

A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, em que Torres Novas participa, assinou dia 8 de Setembro um contrato de concessão com a Rodoviária do Tejo, com a validade de oito anos, para o serviço público de transporte de passageiros.
(ler mais...)


Testemunha dos tempos - maria augusta torcato »  2022-09-23  »  Maria Augusta Torcato

Um jornal testemunha. É um dos seus papéis. E espera-se um papel ativo na observação, na análise e na intervenção do que está à sua volta, próximo e distante.

O JT completa 29 anos com publicações ininterruptas ao longo deste tempo.
(ler mais...)


A aposta de António Costa - jorge carreira maia »  2022-09-23  »  Jorge Carreira Maia

António Costa voltou decididamente ao consenso liberal que gere a União Europeia, do qual em aparência se tinha afastado nos primeiros seis anos de governação. O problema da actualização dos vencimentos da função pública e das reformas e o da recusa de taxar os lucros extraordinários das grandes empresas provam que está completamente comprometido com a visão dominante na União Europeia.
(ler mais...)


A Ilha - josé ricardo costa »  2022-09-23  »  José Ricardo Costa

Não há volta a dar. Todos os anos, o fim das férias faz-nos regressar ao Gólgota depois de alguns dias de prazerosa ressurreição. Sendo o trabalho, como dizia Mark Twain, um mal necessário a ser evitado, as férias são a concretização desse desejo, sentindo o trabalhador o carinho do Tempo a embalá-lo numa sucessão de dias livres.
(ler mais...)


A gente vai continuar - inês vidal »  2022-09-23  »  Inês Vidal

É difícil sentirmo-nos parte de algo. Podemos passar uma vida inteira a passar ao lado de uma vida inteira, sermos sempre supérfluos, o outro, apenas mais um. Viver à superfície, cumprir por cumprir, encarar a coisa como apenas e só mais uma etapa.
(ler mais...)


Não há um adulto na sala? - joão carlos lopes »  2022-09-21  »  João Carlos Lopes

A cena da imagem é uma carrinha de pronto-socorro que queria ir para os lados de São Pedro. Não podendo (teria de voltar em direcção ao largo da Botica, Rotunda, rua do Nogueiral, largo do Caldeirão, fazer toda avenida, isto é, correr a cidade toda) – por isso, tentou pela rua da Trindade, mas teve de voltar para trás.
(ler mais...)


O longo funeral... »  2022-09-20  »  Hélder Dias
 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2022-09-21  »  João Carlos Lopes Não há um adulto na sala? - joão carlos lopes
»  2022-09-06  »  Hélder Dias Tony Costa...
»  2022-09-09  »  Pedro Ferreira O Almonda e o colapso - pedro ferreira
»  2022-09-12  »  Hélder Dias Amigo?...
»  2022-09-20  »  Hélder Dias O longo funeral...