• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 27 Janeiro 2023    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 12° / 1°
Céu limpo
Dom.
 12° / 1°
Céu limpo
Sáb.
 13° / 2°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  14° / 3°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia

Opinião  »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

"Se tudo correr bem com a vacina e com a democracia americana, talvez o ano de 2020 seja um ano não para esquecer, mas para lembrar. "

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas. Deu lugar a que pululassem na esfera pública as mais descabeladas e perigosas ideias sobre teorias conspirativas e promoveu a menorização dos perigos que a pandemia representa, inclusive com o beneplácito e a participação de quem mais se lhe deveria opor. À doença foi-lhe acrescentada uma dose enorme de irracionalidade.

Um segundo acontecimento extraordinário veio dos EUA. Assistiu-se em directo a uma tentativa de subversão da democracia americana. Uma subversão fortemente apoiada pela massa e que tem tentado tudo para evitar que o vencedor das eleições assuma o cargo. Quando isto se passa numa república das bananas, ninguém estranha. Quando os EUA estão à beira de se transformarem, à vista de todos, em república das bananas, alguma coisa perigosa anda no ar. A irracionalidade que se encontra em muita gente relativamente à pandemia é gémea daquela que apoia a tentativa de subversão dos resultados eleitorais nos EUA.

O ano de 2020 foi, deste modo, um ano em que as forças mais obscuras e perigosas que habitam o rebanho humano encontraram campo propício para lançarem o caos e ameaçarem a vida civilizada. São forças terríveis e têm ao seu serviço instrumentos poderosos, entre eles a comunicação instantânea trazida pelas redes sociais. Aos mais distraídos, convém lembrar que essas forças, no século XX, desencadearam duas guerras mundiais. No entanto, talvez devamos dar alguma atenção à palavra de S. Paulo quando diz ‘onde o pecado abundou, superabundou a graça’. Onde a irracionalidade cresceu, também a razão se excedeu.

A resposta da racionalidade científica à pandemia é um acontecimento digno de realce. É notável como em poucos meses se acumulou uma quantidade de conhecimento enorme sobre a doença e como se chegou a um conjunto de vacinas que permitirão lutar com mais esperança contra a ameaça. Também está a ser, até à hora em que escrevo, notável a resposta das instituições democráticas americanas à ameaça que sobre elas impende. Tanto o sistema eleitoral dos estados federados como os tribunais têm conseguido fazer prevalecer a razão democrática sobre a irracionalidade autoritária. Se tudo correr bem com a vacina e com a democracia americana, talvez o ano de 2020 seja um ano não para esquecer, mas para lembrar. O ano em que a razão científica e a razão democrática venceram as forças obscuras da irracionalidade.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O rascunho original »  2023-01-27  »  Hélder Dias

Reciclagem »  2023-01-27  »  Hélder Dias

Sua santidade… »  2023-01-26  »  Hélder Dias

Ser solidário… »  2023-01-24  »  Hélder Dias

Os professores, mais uma vez »  2023-01-20  »  Jorge Carreira Maia

O mal-estar entre os docentes remonta a 2005, ao consulado de Sócrates e Lurdes Rodrigues, onde o governo de então perpetrou um conjunto de ataques à classe e à própria profissão. Vejamos os motivos do descontentamento actual.
(ler mais...)


As árvores. Outra vez. »  2023-01-20  »  Carlos Paiva

A continuidade da aplicação da fórmula idiótica é confirmada por mais um abate de árvores em espaço público. Não existe uma única intervenção da Câmara de Torres Novas, seja para o que for, que não implique o abate de árvores.
(ler mais...)


As chaminés não caíram, as chaminés foram derrubadas »  2023-01-20  »  António Gomes

O empresário dono do Intermarché de Torres Novas foi à Assembleia Municipal tentar justificar a acção de derrube das chaminés, mas não justificou nada, nem se ouviu um pedido de desculpas aos torrejanos, nem o reconhecimento do erro, nem um sinal de arrependimento por ter ignorado a Câmara Municipal quando estava obrigado a isso.
(ler mais...)


Professores »  2023-01-20  »  Margarida Teodora

Uma visão que se calhar é só minha ou umas linhas soltas de pensamento sobre aquilo que gostaria que tudo isto fosse.

Populismo, é justificar a precariedade com mais precariedade. Populismo, é manter salários baixos para justificar a luta permanente, para que os sindicatos continuem a ter argumentos que os alimentem e assim possam continuar a existir na ribalta e a capitalizar negociações sem fim à vista.
(ler mais...)


Parabéns, professores! »  2023-01-20  »  António Mário Santos

Quando, neste último fim de semana, assisti, pelos canais do cabo, à manifestação de professores em Lisboa, levada a efeito por dois sindicatos minoritários, pressenti, pela sua mobilização, como pelas palavras de ordem escritas nos cartazes que empunhavam, que a classe docente atingira o ponto de saturação em relação ao desprestígio a que os diversos governos conduziram a sua vida profissional.
(ler mais...)


O incendiário »  2023-01-16  »  Hélder Dias
 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2022-12-29  »  Hélder Dias Altos voos...
»  2022-12-29  »  Hélder Dias Queda livre...
»  2023-01-07  »  Hélder Dias Procura-se!
»  2023-01-07  »  Hélder Dias Comédia dramática...
»  2023-01-12  »  Hélder Dias Escrutinado...