• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 28 Maio 2024    •      Directora: Inês Vidal; Director-adjunto: João Carlos Lopes    •      Estatuto Editorial    •      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 37° / 18°
Céu limpo
Qui.
 34° / 15°
Céu limpo
Qua.
 31° / 14°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  31° / 13°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Jogada de mestre - antónio mário santos

Opinião  »  2023-11-21  »  António Mário Santos

Deixem-me ser claro. A crise em que Portugal se encontra não me apanhou de surpresa. A maioria absoluta do Partido Socialista submeteu-se, desde as eleições legislativas, a quem lhe dera origem: António Costa. Por sua vez, a sua maioria na Assembleia retirara-lhe capacidade de intervenção partidária, submetida aos interesses do vencedor eleitoral, cuja palavra se tornou magister dixit. Quem se lhe opusesse, só tinha que se marginalizar antes que fosse empurrado para um exílio forçado e sem limite assegurado. O governo, escolhido a dedo, não passou duma corte doméstica do imperador, onde foram incluídos os mais badalados (pelos meios informativos) seus sucessores, de forma a concretizar um velho provérbio «mais vale um pássaro na mão que dois a voar». Nenhuma palavra, nenhuma atitude ministerial, valeu sem o seu consenso. As poucas excepções que surgiram deram com os burrinhos na água e a expulsão do rebanho obediente à vara e à flauta do pastor.

O país socialista, na política, na banca, nas finanças, na função pública, no sindicalismo, descerebrou-se. António Costa dixit, Portugal fecit. A Europa, por sua vez, escutava-o. Pressentia-se que o seu futuro seria a cabeça do império, a presidência do secretariado da União Europeia.

Na pátria não havia partidos opositores, nem à esquerda, nem à direita, que conseguissem macular ou alterar a seu pensamento majestático.

Havia, desde início da sua vitória, um opositor distinto, que lhe marcou a trajectória e definiu timings de pedras no caminho, como um anjo da guarda duma democracia muito sui generis: liberal, conservadora, cheia de tiques misericordiosos, muito adepta dum catolicismo renovado, mas prudente na manutenção dos seus privilégios - o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Lateral, na corda bamba, um terceiro poder, o judicial, que, na prática, ao longo destes quase cinquenta anos, criou mais anticorpos populacionais que soluções de justiça. A sua isenção, na balança da equidade, raro se equilibrou, entre a politização da justiça ou a judicialização da política.

Basta seguir a opinião dos comentadores encartados da imprensa e televisões nacionais, para se duvidar, nesta farsa mal enjorcada, se foi o rato que imaginativamente roubou o queijo da ratoeira, se foi esta que, mal ajustada (de propósito? Por incompetência?) deixou o rato abocanhar impunemente o queijo da sua detenção.

À Justiça o que é da Justiça, à Política o que é da Política. Só que à direita e à esquerda, os grandes processos políticos nacionais nunca foram resolvidos, e com isso ganharam os meios de comunicação social, que venderam, como oiro sob azul, as estórias duma História bem escondida.

Neste entretém, a realidade social do povo português cada vez mais se distanciou da dos países da União Europeia. Em quase todas os grupos sociais trabalhadores, a imagem do Zé Povinho do Bordalo Pinheiro, de bolsos vazios, ganhava força. Enquanto a economia melhorava, o povo empobrecia. A instabilidade, a inflacção, o desemprego, a marginalização social crescente, as guerras, a colonização da Europa por uma América em estado de depressão suicida, empurraram os diversos grupos sociais, do proletariado à classe média, para uma desespero de sobrevivência, que cada vez mais conflituava com o poder político socialista, sobranceiro, incapaz de se libertar de compromissos nunca clarificados, em que as leis eram torcidas e retorcidas, conforme a solicitações às sociedades de advogados ao seu serviço.

A justiça, uma vez mais, agiu com fanfarra e espectáculo. E os órgãos informativos actuaram, utilizados para a divulgação do que deveria ser ou estar em segredo de justiça, colocando no palco da peça estreada, os cenários que o ponto lhes foi segredando como necessários.

Confesso que optei por duvidar da série telenovelística que, desde o interrogativo pedido de demissão de António Costa, aprovação aos bochechos com resultados só a posteriori de Marcelo Rebelo de Sousa, ao empate no Conselho de Estado, aos enganos da justiça, à defesa/acusação de Costa num salve-se quem puder, com tiroteio para todos os lados, presidência, justiça, amigos, que deixa mais dúvidas do que certezas do que realmente originou o seu pedido de demissão.

Pessoalmente, creio que António Costa compreendera que o seu reinado absoluto já não tinha pés para andar. As crises socioprofissionais tendiam a agravar-se, e os seus compromissos, a nível europeu, conflituavam com as medidas que era necessário tomar, mas que as amarras da sua aventura totalitária proibiam. Colocou o país, com a leveza saltitante do Presidente da República, numa situação de imaginativa legalidade não constitucional, com um governo demitido só depois de, um primeiro-ministro idem, um orçamento a aprovar dum governo a demitir só depois de aprovar, mas com todos já com ordem de saída e eleições marcadas para novos governos, nunca mais de maioria absoluta, e que irão alterar e desmontar quanto possível este orçamento a aprovar nos dias próximos.

E passa da gestão maioritária, para a gestão corrente, a cumprir o que a crise aconselhava dever ser posto de lado e ter outro responsável. Ainda por cima, com o ar de ofendido por o Presidente da República ter aceite o seu pedido de demissão e optar por eleições gerais, quando a sua maioria absoluta surgiu dum processo idêntico, por ele exigido.

Acredite-se no que se quiser. A minha opinião é que António Costa é uma raposa velha em política e, percebendo que se encontrava cada vez mais encostado à parede e o seu trono em riscos de desabar, jogou a cartada de passar para outros a sua saída pela porta da frente da residência do primeiro-ministro, mas com tempo certo e a casa arrumada a seu modo.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Gerações de traidores - acácio gouveia »  2024-05-25  »  Acácio Gouveia

“Antigamente, quando o vale do Kusun estava coberto de floresta, havia ali muitas martas-zibelinas. Agora é desértico.”

Vladimir Arseniev in ´Dersu Uzala

 As acções dos jovens activistas que protestam contra as alterações climatéricas estão na ordem do dia.
(ler mais...)


Renova, que queres tu? - antónio gomes »  2024-05-25  »  António Gomes

Mais um ‘Dia da Espiga’, mais um dia de convívio na nascente do rio Almonda, mais um dia de intimidação e prepotência perpetrados pela empresa Renova.

O Ministério Público acabou de arquivar os processos movidos contra 12 cidadãos que o ano passado tiveram a “desfaçatez” de ir assinalar o Dia da Espiga, exactamente no mesmo local onde gerações anteriores sempre o fizeram.
(ler mais...)


Reflexões sobre a posse da água - antónio mário santos »  2024-05-25  »  António Mário Santos

 

Passadas as comemorações do 50.º Aniversário do 25 de Abril, sobreveio a festa pagã da enunciação da Primavera, que a religião cristã transformou na 5ª feira da Ascensão de Cristo ao céu que é, nas cidades e vilas urbanas de significativo peso rural, feriado municipal.
(ler mais...)


O desafio à ordem liberal - jorge carreira maia »  2024-05-25  »  Jorge Carreira Maia

Assistimos, nos dias de hoje, ao maior desafio que, desde o fim da Segunda Guerra Mundial, foi colocado à cosmovisão liberal. Esta visão do mundo não diz respeito apenas à economia. Ela é, fundamentalmente, uma perspectiva assente nos direitos individuais e em regimes pluralistas.
(ler mais...)


Todos os Nomes - josé ricardo costa »  2024-05-25  »  José Ricardo Costa

O tamanho importa? Bom, se nalguns campos as opiniões se dividem, outros há que são consensuais, como o tamanho dos nomes de pessoas. Importa, sim, desde logo na Roma Antiga: enquanto um homem podia ter três nomes, a mulher só tinha direito a um, ainda por cima variante do nome do pai (Hortênsia seria filha de Hortensius).
(ler mais...)


Insana Casa… »  2024-05-06  »  Hélder Dias

25 de Abril e 25 de Novembro - jorge carreira maia »  2024-05-05  »  Jorge Carreira Maia

Por que razão a França só comemora o 14 de Julho, o início da Revolução Francesa, e não o 27 ou 28 de Julho? O que aconteceu a 27 ou 28 de Julho de tão importante? A 27 de Julho de 1794, Maximilien Robespierre foi preso e a 28, sem julgamento, foi executado.
(ler mais...)


O miúdo vai à frente »  2024-04-25  »  Hélder Dias

Família tradicional e luta do bem contra o mal - jorge carreira maia »  2024-04-24  »  Jorge Carreira Maia

A publicação do livro Identidade e Família – Entre a Consistência da Tradição e os Desafios da Modernidade, apresentado por Passos Coelho, gerou uma inusitada efervescência, o que foi uma vitória para os organizadores desta obra colectiva.
(ler mais...)


Caminho de Abril - maria augusta torcato »  2024-04-22  »  Maria Augusta Torcato

Olho para o meu caminho e fico contente. Acho mesmo que fiz o caminho de Abril. O caminho que Abril representa. No entanto, a realidade atual e os desafios diários levam-me a desejar muito que este caminho não seja esquecido, não por querer que ele se repita, mas para não nos darmos conta, quase sem tempo de manteiga nos dentes, que estamos, outra vez, lá muito atrás e há que fazer de novo o caminho com tudo o que isso implica e que hoje seria incompreensível e inaceitável.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2024-05-06  »  Hélder Dias Insana Casa…
»  2024-05-05  »  Jorge Carreira Maia 25 de Abril e 25 de Novembro - jorge carreira maia
»  2024-05-25  »  José Ricardo Costa Todos os Nomes - josé ricardo costa
»  2024-05-25  »  Acácio Gouveia Gerações de traidores - acácio gouveia
»  2024-05-25  »  Jorge Carreira Maia O desafio à ordem liberal - jorge carreira maia