• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 25 Outubro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 19° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 19° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
Seg.
 17° / 9°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  19° / 12°
Céu nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Capitalismo e saúde mental - mariana varela

Opinião  »  2020-07-03  »  Mariana Varela

"O impacto que o capitalismo tem no mundo, como sistema económico com expressão a nível social, cultural, ambiental, individual e ético, é imensurável, assustador e desumano"

Num mundo onde os problemas mentais se alastram, em que domina a ansiedade diária, o stress, a depressão, em que a prescrição de medicação como os ansiolíticos e antidepressivos tem vindo a aumentar, urge detetar as raízes desta verdadeira crise de saúde mental, ao invés de nos restringirmos ao tratamento de sintomas. Enquanto seres humanos, naturalmente sensíveis e condicionados pelo que nos rodeia, não é de estranhar que o sistema em que nos inserimos nos influencie profundamente. E que sistema é este? De que forma pode estar interligado com a saúde mental de cada um de nós?

Importa referir que a ansiedade, de um modo geral, é um sentimento de medo, apreensão, inquietação, desconforto e perigo iminente, tendo grandes consequências a nível físico: tensão muscular, cansaço e problemas de concentração, entre outros. Ora, abstraindo-nos daquele que é o pequeno mundo de cada um e das suas preocupações individuais, é evidente que muito temos em comum. Partilhamos e movemo-nos dentro desta realidade dominada pelo sistema capitalista, pela propriedade privada, pela maximização do lucro e acumulação do mesmo, pela economia de mercado (em que os agentes económicos privados usufruem de liberdade para controlar a produção económica) e arcamos todos, ainda que de forma diferente, com as consequências deste: a extensão absurda do horário laboral, o bombardeamento de marketing emanado das grandes corporações, a privatização de cada vez mais espaços públicos, o desemprego e a consequente miséria financeira (que, contraposta com o luxo de vida de outros, despoleta sentimentos de tristeza e ansiedade naqueles que por ela passam).

O impacto que o capitalismo tem no mundo, como sistema económico com expressão a nível social, cultural, ambiental, individual e ético, é imensurável, assustador e desumano, condicionando negativamente a consciência que o ser humano tem da sua própria existência, levando-o a acreditar que, para sua própria defesa, as suas ações se devem pautar pelo seu interesse próprio, pela competição e jamais pela cooperação e compartilha. Lutamos por ter recursos que nos permitam sobreviver ou atingir um determinado estatuto e a competição, a manipulação, a hipocrisia e o egocentrismo dominam. O valor de cada um mede-se pela sua capacidade produtiva: rapidamente chegam as críticas destrutivas dos nossos semelhantes e, acima de tudo, o sentimento de culpa, a sensação de que somos inúteis e incapazes. O cidadão do séc. XXI atua à imagem do mercado e traz a dinâmica capitalista para as mais pequenas coisas do seu dia-a-dia, para as suas interações sociais, para as suas redes sociais (vendendo uma imagem que, ainda que falsa, corresponde exatamente àquilo que se espera de um indivíduo absorvido pelo sistema capitalista: produtivo e perfeito, merecedor de ser incluído no ciclo económico). Não podemos negar que as tendências suicidas, os sintomas depressivos, o isolamento e a sensação de vazio, embora sentidos de forma diferente, por força das especificidades da vida e psique de cada um, estão diretamente ligados com as características da economia capitalista.

O seu trabalho, ao qual o cidadão comum dedica maior parte dos seus dias, não lhe pertence, não pode ver nele uma parte da sua essência, não se vê refletido nele. Trabalha-se para se obter um salário e nunca para atingir satisfação pessoal. Não é de estranhar que, perante este contexto, cada vez se fale mais em ansiedade, insatisfação, irritação e alienação. E que compaixão se pode esperar de uma sociedade absorvida pelos ideais capitalistas? Como nos podemos espantar com o aumento progressivo das perturbações mentais? O capitalismo, enquanto sistema que rege as nossas vidas a todos os níveis, constrói uma sociedade à sua imagem, ignora as capacidades únicas de cada ser humano, a essência de cada ser, o bem-estar psicológico e físico dos cidadãos, perpetua a miséria humana e o individualismo, deixando para trás a tão importante união, coesão social e solidariedade. Enfim, a humanidade.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Tudo pequenas coisas - antónio gomes »  2020-10-23  »  António Gomes

Em cima da antiga lixeira foram plantadas, em Dezembro passado, uma quantidade de árvores a que deram o nome de “Mata Municipal Cardillium. Esta iniciativa parecia ter futuro: uma boa ideia plantar árvores até porque meteu a participação de crianças de uma escola e boas fotos.
(ler mais...)


Sem política, armas e religião… - maria augusta torcato »  2020-10-23  »  Maria Augusta Torcato

“Eu só quero ir para um lugar sem política, armas e religião…”, dizia uma mãe ainda jovem, em lágrimas, quando um jornalista a interpelava nos momentos que se seguiram à tragédia no porto de Beirute, que é do conhecimento de todos nós, mas, quicá, por estar distante dos olhos talvez passe a estar igualmente distante do coração.
(ler mais...)


É um pássaro!? É um avião!? Não! É o supermercado! - carlos paiva »  2020-10-23  »  Carlos Paiva

Corria o distante ano de 1987 quando foi inaugurado o segundo hipermercado em território nacional, na Amadora. O primeiro foi em Matosinhos, em 1985, mas por causa da pronúncia do norte, foi mal interpretado e a malta não ligou.
(ler mais...)


Contentes e resilientes - jorge salgado simões »  2020-10-23  »  Jorge Salgado Simões

O Governo apresentou na semana passada, em Bruxelas, os planos de Portugal para os fundos da União Europeia no combate à crise provocada pela pandemia, a famosa bazuca de 13 mil milhões de euros a fundo perdido, transformada em Plano de Recuperação e Resiliência.
(ler mais...)


A decapitação - jorge carreira maia »  2020-10-23  »  Jorge Carreira Maia

O ataque terrorista perpetrado há dias em França por radicais islâmicos está sobrecarregado de simbolismo. Não se trata de um mero homicídio, como aqueles que resultam da deflagração de bombas, ataques com armas de fogo ou atropelamentos com viaturas.
(ler mais...)


Nos ecos da festa do Avante! - josé alves pereira »  2020-10-09  »  José Alves Pereira

Falemos da festa do Avante!, agora que a poeira assentou e o aranzel antidemocrático cessou, transferindo-se para outros acontecimentos. Não é tanto do evento em si mesmo, mas do contexto em que ele este ano se construiu e realizou.
(ler mais...)


O pau da República - josé mota pereira »  2020-10-09  »  José Mota Pereira

Na manhã outonal do 5 de Outubro de 2020, erguia-se majestoso no topo da praça o vigoroso mastro aguardando a bandeira republicana que deveria ter vindo. Vão longe os tempos da praça, que ainda antes ser deste dia de Outubro tinha o nome do último Bragança e recebia a visita do jovem rei dom Manuel, entre os aplausos da multidão que acenando ao ilustre lhe atirava "viva o rei dom manelinho que é tão bom e bonitinho" – pelo menos assim contou aos seus descendentes, mais palavra, menos palavra, uma antepassada minha que não conheci.
(ler mais...)


A bicicleta - rui anastácio »  2020-10-09  »  Rui Anastácio

No meu concelho há uma terra onde tenho alguns bons amigos. Essa terra chama-se Vila Moreira. Foi lá que encontrei o meu primeiro trabalho. Tinha então 15 anos e uma bicicleta amarela que me levava a quase todos os sítios onde queria ir.
(ler mais...)


Ler os nossos escritores - jorge carreira maia »  2020-10-09  »  Jorge Carreira Maia

É possível que a maioria esmagadora dos portugueses tenha ouvido o nome de Almeida Garrett, Alexandre Herculano, Camilo Castelo Branco, Júlio Dinis e Eça de Queiroz. São eles o fundamento a partir do qual se foi construindo a literatura de ficção nacional e que teve o seu grande momento de reconhecimento com a atribuição do Nobel a José Saramago.
(ler mais...)


Está tudo mal. Tudo. - carlos paiva »  2020-10-09  »  Carlos Paiva

Em amena cavaqueira entre amigos, a discutir o desempenho autárquico, ou a falta dele, surgiu a frase: “…criticar a Câmara Municipal é fácil…”. Concordei de imediato. Aliás, reforcei que é O MAIS fácil.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-09-28  »  Maria Augusta Torcato Ironia do destino ou lei do retorno? - maria augusta torcato
»  2020-10-09  »  Carlos Paiva Está tudo mal. Tudo. - carlos paiva
»  2020-10-09  »  António Gomes IMI 2021: pensam que enganam quem? - antónio gomes
»  2020-10-09  »  Jorge Carreira Maia Ler os nossos escritores - jorge carreira maia
»  2020-10-09  »  Rui Anastácio A bicicleta - rui anastácio