• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sábado, 21 Maio 2022    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Ter.
 22° / 13°
Períodos nublados
Seg.
 23° / 14°
Céu nublado
Dom.
 24° / 17°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  34° / 17°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

LINDO, LINDO, É IR AO CURRAL DAS FREIRAS - josé alves pereira

Opinião  »  2022-01-13  »  José Alves Pereira

Na segunda metade dos anos 70 do pretérito século, comecei a ir à Madeira com alguma regularidade. Maior rigor será dizer ao Funchal. Estava em construção o conjunto designado por Casino Park Hotel, obra emblemática com os esboços e o traço inicial do arq. brasileiro Óscar Niemeyer. O conjunto integrava o hotel, hoje Pestana Casino Park, um auditório onde veio a realizar-se um Festival RTP da Canção (1987) e uma boîte. Para início de exploração fora construído um Casino provisório que ia funcionando com as tradicionais slotmachines. As relações de trabalho eram ao tempo algo peculiares. Havendo trabalhadores jovens que recebendo o salário, iam perdê-lo nas máquinas, eram os pais que o iam receber. O casino em construção tinha uma estrutura em lâminas verticais dispostas em coroa. Para os alicerces, fora aberta uma vala em círculo que se atravessava numa tábua e que após o almoço servia para fazer o teste de equilíbrio.

Como se depreende, era um empreendimento que requeria muitos projectistas de várias especialidades e constantes reuniões de obra. Integrado na equipa de projecto de design de interiores e equipamentos do atelier Daciano da Costa, lá ia na sexta-feira à tarde para regressar no domingo. As viagens de avião, eram por esses tempos demasiado excitantes. A pista do aeroporto de Santa Catarina, a cerca de 20 quilómetros do Funchal, muito curta empurrava-nos contra as cadeiras de bordo ao levantar ou aterrar. É conhecido o chamado “capacete” da ilha: um tecto de nuvens densas e muito baixas. O avião entra nelas e percorre-as durante longos minutos. As luzes de bordo apagam-se, os cintos apertam-se e os estômagos também; o avião é tomado por um silêncio sepulcral. Se fosse possível ouvir-se o palpitar dos corações … De súbito, descia um tudo nada e estava na pista, sujeita aos ventos cruzados que a tornavam perigosa. O aparelho parava tão no limite que olhando de soslaio via-se o mar. Rebentam as palmas dos passageiros. Nunca as senti tão apropriadas. Em 19 Novembro de 1977, um Boeing da TAP aterrando um pouco mais adiante, não consegue estacar a tempo e cai na ribanceira, partindo-se a meio. Ali deixaram a vida 131 pessoas, entre passageiros e tripulantes. Duas eram familiares de um colega de trabalho. Sobreviveram 33 passageiros.

Numa dessas deslocações juntou-se mais tarde a minha mulher, companheira de vida e de andanças, para uma breve visita. As tradicionais voltas pelo mercado dos Lavradores, Sé Catedral, estrada monumental, e pouco mais, que a estadia era curta. Alguém nos sugeriu “lindo, lindo é ir ao Curral das Freiras “. Diz-se que o nome advém daquele local ser refúgio, em 1566, de freiras do Convento de Santa Clara, fugidas a piratas franceses que assolavam a costa. A povoação, de cerca de 2 mil habitantes, assenta no fundo, abaixo do nível do mar, do que se acredita ser a cratera de um vulcão, logo cercada de altas montanhas que era necessário transpor vindo do Funchal. Como não tinha carta de condução não pude, felizmente, como veremos adiante, aproveitar a disponibilidade de um automóvel. Iria, pois, na camioneta que transportava os trabalhadores de ida e volta na sua labuta na cidade. O veículo era daqueles a que chamávamos de “focinho de raposa”. Primeiro lugar na fila de espera para ocupar os lugares bem à frente. Não fazíamos ideia do percurso nem do tempo, apenas que o Curral das Freiras era o final da viagem. A cada paragem pensávamos “é aqui”; um ou outro passageiro saía, outros entravam, e nós continuávamos. A alegria da partida foi perdendo alento, sobrevindo a expectativa. Uma estrada que sobe, sobe e sobe só com o céu pela frente. Num lado uma imponente escarpa, no outro um penhasco com centenas de metros. A estrada de faixa quase única, com pequenos recessos para eventuais cruzamentos de veículos. Aqui e ali a camioneta tremelicava ao passar por sobre umas gravilhas caídas das arribas. Farrapos de nuvens ali ao lado, bem como de aves com ninhos nas encostas fazem-nos companhia. A flora vai mudando ao ritmo das cotas de subida. Uns cavacos aqui, uns marcos acolá, delimitam a estrada para o precipício. Uma e outra vez, o focinho da camioneta olha lá para baixo, ronceira, mas esforçada, subindo a íngreme encosta num rum rum cada vez mais penoso. Em certos pontos quase parava para se redireccionar. Felizmente, não sofria de vertigens nem o motorista necessitara de atravessar a tábua. Quase no cimo, atravessamos um túnel, a que mais apropriadamente deveríamos chamar buraco, escuro e chovido dos tectos de pedra em bruto, passamos ao interior da cratera e descemos uma sinuosa e íngreme encosta, agora com a chiadeira dos travões e as travagens bruscas, rumo à povoação do Curral das Freiras.

Somos meia dúzia os passageiros à chegada. A nesga de sol já deixara de brilhar lá no fundo. Há muito tínhamos deixado de nos extasiar com a paisagem, optando pelo silêncio. “Ainda temos de regressar”, foi apenas o que ouvi, como se fosse o eco do meu pensamento. O regresso seria pelo cair da tarde, que para nós era mais o início da noite. Perguntando por um táxi, apontaram-nos um homem guiando um animal, lá longe, na faina da lavoura; duas palavras, mudar de roupa informar a “patroa” e ala para o Funchal, com a tarifa mais que ajustada. Hoje a estrada é bem outra e mais segura, foi aberto um túnel e a distância encurtou-se.

 


 

 

 Outras notícias - Opinião


Matrioska... »  2022-05-19  »  Hélder Dias

Tamanho - inês vidal »  2022-05-09  »  Inês Vidal

Fez na segunda-feira, dia 2 de Maio, 19 anos que comecei a trabalhar no Jornal Torrejano. Lembro-me desse dia como se fosse hoje, embora os tempos estejam bem diferentes. Pelo caminho, desde então, fomos mudando de caras, de timings, de cor e de formato, mas nunca, em momento algum, mudámos a nossa essência.
(ler mais...)


Viagens pelo centro político - jorge carreira maia »  2022-05-09  »  Jorge Carreira Maia

França: a perda do centro. As eleições presidenciais deram a vitória a Emmanuel Macron, um político centrista. Quando as democracias liberais funcionam razoavelmente, existem dois centros. Um inclinado à esquerda e outro à direita.
(ler mais...)


DOIS LIVROS, MUITOS MOMENTOS - josé alves pereira »  2022-05-09  »  José Alves Pereira

Abordo, de forma breve, dois livros que já este ano foram apresentados em Torres Novas, assinalando trabalhos que penso indesculpável deixar sem uma referência pública.

1. Começo pelo “COMUNISTAS, uma história do PCP em Torres Novas“, da autoria de João Carlos Lopes.
(ler mais...)


Dannazione! - josé ricardo costa »  2022-05-09  »  José Ricardo Costa

Rigoletto é bobo no palácio do duque de Mântua, ou seja, existe para fazer rir. Mas apagam-se as luzes da ribalta e eis que surge um outro homem: sensível, pai extremoso, chorando ainda a morte da única mulher que o amou.
(ler mais...)


Que dia é hoje? - carlos paiva »  2022-05-09  »  Carlos Paiva

Uma das novidades que a vida virtual trouxe à minha pobre existência foi o facto de existirem dias comemorativos de tudo e mais alguma coisa. Todos os dias é dia de algo. Desde o dia do abraço, do amigo, da música, do cão, do gato, até aos mais tradicionais digamos, dia da mãe, da criança, da liberdade, do trabalhador.
(ler mais...)


A parada... »  2022-05-06  »  Hélder Dias

Certamente estou errado- antónio gomes »  2022-04-29  »  António Gomes

Recentemente, assistimos à colocação da 1.ª pedra daquilo que virá a ser um novo restaurante de comida ao “pacote” numa zona da cidade onde já se encontram outros dois do mesmo género. Quero aqui declarar que a comida ali servida não faz o meu estilo, mas também declaro que não tenho nada com isso, cada um é como cada qual, os gostos não se discutem e pelos vistos clientes não faltam.
(ler mais...)


Guerra na Ucrânia, Le Pen e nacionalismo - jorge carreira maia »  2022-04-29  »  Jorge Carreira Maia

1. O primeiro derrotado da guerra na Ucrânia. Um dos postulados centrais do pensamento liberal é a crença de que a conexão comercial entre as nações as torna menos propensas à guerra. Foi por isso que parte substancial da União Europeia, com a Alemanha à cabeça, se tornou dependente da energia russa.
(ler mais...)


Bem-vindo à equipe. Está contratado! - carlos paiva »  2022-04-29  »  Carlos Paiva

Acompanho várias publicações relativas a várias temáticas e âmbitos, sendo a maior longevidade desta convivência nas relacionadas com a música. Ciente da importância dos anunciantes para a sobrevivência destas publicações, tolero que algum viés transpareça nos artigos, favorecendo patrocinadores.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2022-04-23  »  Hélder Dias Retrato de família...
»  2022-04-24  »  Hélder Dias Avante... russo?
»  2022-04-27  »  Hélder Dias Toma!...
»  2022-04-29  »  Carlos Paiva Bem-vindo à equipe. Está contratado! - carlos paiva
»  2022-04-29  »  Hélder Dias Foguetório...