• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 21 Julho 2024    •      Directora: Inês Vidal; Director-adjunto: João Carlos Lopes    •      Estatuto Editorial    •      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 40° / 21°
Céu limpo
Ter.
 41° / 21°
Céu limpo
Seg.
 40° / 16°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  29° / 17°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Do rescaldo da festa à realidade da Europa - antómio mário santos

Opinião  »  2024-06-11  »  António Mário Santos

Vivemos, na Europa, tempos difíceis. As eleições europeias, que se desenrolarão no próximo domingo, podem apontar para o fim da União Europeia como hoje a conhecemos. O avanço da extrema direita, racista e xenófoba, na maioria dos países europeus, veio ressuscitar o velho problema das nacionalidades e das suas fronteiras, dos impérios coloniais arrumados nos armários da história, da milenária contenda entre a ciência e a fé, da economia neoliberal assente no conceito do Estado-Nação e nos direitos fundamentais da cidadania democrática.

Tempos que, assentes no individualismo egoísta do cada um que se amanhe, eu tenho direito a uma vida boa, os meus estudos dão-me direito à exigência, as desigualdades sociais e económicas são uma realidade indesmentível, a Europa para os Europeus, um Estado Mínimo numa economia liberal ao serviço dum sociedade cada vez mais estratificada, entre minorias privilegiadas e maiorias cada vez mais exploradas, se agrava com a violência e o ódio gerado por duas guerras, a invasão da Ucrânia pela Rússia a sonhar o refazer do antigo império russo, e no Médio Oriente, o genocídio palestiniano em Gaza e na ocupação por colonatos da Cisjordânia perpetrado pelo fundamentalismo sionista,

As forças políticas tradicionais que, do Mercado Comum, à actual União Europeia, foram perdendo terreno e , ainda que separadas por grupos políticos, na prática foram abandonando a escala dos direitos democráticos, como a saúde, habitação, educação, segurança social, direitos das mulheres, políticas do ambiente e das alterações climáticas, rendidas ao domínio do mercado, do predomínio privilegiado da banca s dos grupos económicos multinacionais. Reformadores, liberais, socialistas, democratas- cristãos, nos respectivos partidos, viram as novas gerações perderem a confiança nas suas promessas e nas suas concretizações, virarem-se para as forças populistas de protesto, cujo programa é ser contra qualquer forma de democracia, para um regresso ao autoritarismo totalitário, apoiado pelo russo Purin e pela americano Trump, e que constitui o real programa das extremas-direitas dos países europeus, cavalgando o protesto e a crise que a guerra da Ucrânia e as desigualdades sociais tem conduzido as jovens gerações licenciadas e os abandonados pelo sistema a uma rutura brutal com a partidocracia tradicional reinante, que substituiu na realidade a política dos direitos pela prática dos interesses. As ideologias foram abandonadas, o poder acumulado, a partilha entre eles ultrapassa as linhas vermelhas que distanciam as suas ideologias.

Há muito que as esquerdas alertam para as causas que originaram o avanço da extrema-direita e a indiferença das populações em relação aos partidos constituintes das democracias liberais. Dentro dos próprios , Manuel Alegre, um socialista histórico, em Memórias Minhas, em Março publicado, escreve. «Em França. Itália e noutros países os velhos bastiões da esquerda esvaziaram-se e, em breve, votariam na extrema-direita. Os partidos socialistas e sociais-democratas deixaram.se colonizar pelo neoliberalismo, aderiam a «terceira via» e, como várias vezes disse, há já muitos anos, corriam o risco de se tornarem historicamente desnecessários» (pg-300). E em 1996, no 23º aniversário do 25 de Abril, em discurso proferido na Assembleia da República, disse: «Passados 22 anos, é tempo de o 25 de Abril deixar de ser uma revolução envergonhada da sua própria vitória., Caiu o muro, ruíram os modelos, anunciou-se o fim da História, substituiu-se a teologia da revolução pela teologia do mercado.» … «aqui e na Europa, os socialistas têm pesada responsabilidade de dar uma nova resposta, à escala do continente, aos gravíssimos problemas sociais que são fruto da descolonização da Europa pelo ultraliberalismo. Aqui na Europa, é pela esquerda que tem de se dar corpo à esperança e de voltar a fazer da política, não apenas a gestão do que está, mas um instrumento de mudança da sociedade e da vida» (pg-305)

Palavras sábias, que as direcções do Partido Socialista varreram para debaixo do tapete dos salões do poder. Deixo-lhes a lembrança da leitura do livro dum grande poeta e socialista histórico para uma melhor compreensão do que quiseram ser e no que se transformaram.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O Orelhas... »  2024-07-16  »  Hélder Dias

Lady Gago »  2024-07-09  »  Hélder Dias

Na aldeia de Zibreira passa o rio Almonda - isilda loureiro »  2024-06-23 

"O rio da minha aldeia", fazendo lembrar o poema de Fernando Pessoa...

Houve tempos em que o local conhecido por Azenha, no termo da aldeia de Zibreira, após descermos uma ladeira ladeada de terrenos agrícolas e hortas, teve um moinho com gente e muita vida.
(ler mais...)


Cogitações por causa do 25 de Novembro e dos avanços da extrema-direita - antónio mário santos »  2024-06-23  »  António Mário Santos

No momento em que do centro direita à direita radical, aproveitando a viragem das últimas eleições legislativas, se organizou uma associação de interesses para diminuir o 25 de Abril, realçando o golpe militar do 25 de Novembro, num crescendo de recuperação selectiva do revanchismo das elites económicas destronadas pela revolução, ultrapassando a concepção social-democrata do próprio PS (Manuel Alegre distingue-o nas suas Memórias Minhas, criticando a viragem para a 3ª via de Blair, continuando a preferir chamar ao seu partido, por inteiro, Partido Socialista), abriu-se um clamoroso protesto nos órgãos de informação nacionais.
(ler mais...)


O futebol e o radicalismo de direita - jorge carreira maia »  2024-06-23  »  Jorge Carreira Maia

 

Decorre o Europeu de futebol, hora em que o fervor nacionalista se exalta. O futebol, na sua dimensão industrial, foi colonizado por perspectivas ideológicas que fomentam, na consciência dos adeptos, uma visão do mundo muito específica.
(ler mais...)


Toma lá... »  2024-06-19  »  Hélder Dias

Lições da História - acácio gouveia »  2024-06-13  »  Acácio Gouveia

“A História não se repete, mas rima por vezes”, Mark Twain

 Vinte e sete meses após o início da guerra na Ucrânia, temos generais e comentadores nos meios de comunicação social portugueses: (I) a justificar a legitimidade da invasão; (II) a profetizar a total e inelutável vitória de Putin; (III) e tentar convencer-nos que este assunto tem pouco ou nada a ver com Portugal e com os demais países europeus.
(ler mais...)


Nascente do Almonda: há outro caminho - jorge salgado simões »  2024-06-11  »  Jorge Salgado Simões

Tem sido difícil assistir a tudo o que se tem passado em torno da nascente do Almonda nos últimos anos, um conflito exacerbado por dois lados com interesses legítimos, mas incapazes de construir qualquer benefício para um património que todos dizem querer valorizar.
(ler mais...)


Teixeira de Queiroz e o mundo português - jorge carreira maia »  2024-06-11  »  Jorge Carreira Maia

Hoje desconhecido do grande público, Francisco Teixeira de Queiroz foi um dos grandes escritores portugueses dos finais do século XIX e inícios do século XX. A Imprensa Nacional começou, em 2020, a republicar as obras do escritor nascido em Arcos-de-Valdevez, que chegou a ser deputado e Ministro dos Negócios Estrangeiros na Primeira República.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2024-07-09  »  Hélder Dias Lady Gago
»  2024-07-16  »  Hélder Dias O Orelhas...
»  2024-06-23  Na aldeia de Zibreira passa o rio Almonda - isilda loureiro
»  2024-06-23  »  António Mário Santos Cogitações por causa do 25 de Novembro e dos avanços da extrema-direita - antónio mário santos
»  2024-06-23  »  Jorge Carreira Maia O futebol e o radicalismo de direita - jorge carreira maia