• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 17 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 15° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 14° / 2°
Céu muito nublado com chuva fraca
Seg.
 14° / 1°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  15° / 1°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Como serás tu, 2021? - anabela santos

Opinião  »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

"Mesmo com todos os receios e incertezas, a verdade é que o Ano Novo chegou e o que queremos é que seja um ano de mudança"

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir. Acreditamos que nos livrámos do peso colossal que nos abateu durante vários meses. O malvado ano de 2020 ficou para trás e recebemos, de braços abertos, 2021.

Mas a nossa consciência diz-nos que não será assim. Não vamos conseguir transportar, naturalmente, as coisas positivas do ano que acabou para o ano que está a começar e deixar o “horror” para trás. Não estou a ser pessimista, simplesmente sou realista e reconheço que no momento em que desejámos um bom ano aos nossos amigos e familiares, o nosso coração sentiu, mas a razão não concordou.

A preocupação continua. A pandemia acompanha-nos, as medidas de segurança continuam, o espírito continua atormentado pelo medo e a falta de esperança, a crise agrava-se e o mundo continua estranho e triste.

E esta preocupação, sem fim, alastra-se a todo o mundo. Na questão da pandemia, não sendo este o único ou mais grave problema do momento, tanto são preocupantes os milhares de casos que surgem diariamente na Europa, como os treze casos de que temos conhecimento em Timor, pois com a falta de condições na a “Ilha Encantada”, o medo é redobrado. Não existem hospitais, ventiladores ou condições para assegurar o bem estar e a salvação das pessoas. No entanto, mesmo tendo consciência de que tudo pode acontecer, continuamos a acreditar que, por aqui, o sol irá continuar a brilhar.

Mesmo com todos os receios e incertezas, a verdade é que o Ano Novo chegou e o que queremos é que seja um ano de mudança, que tudo volte à normalidade. Não precisa de ser o melhor ano das nossas vidas, só precisamos que seja normal, que retome o equilíbrio natural, mesmo com todos os problemas inerentes a esse equilíbrio.

Infelizmente, ao escrever este texto, só me vem à mente a imagem da capa da “Paródia“, criada em 1901, há cento e vinte anos, por Manuel Gustavo Bordalo Pinheiro, e na qual podemos ler o diálogo entre o astrólogo e o Zé Povinho:

“Astrólogo – Que te parece o século XX, hein?

Zé – Ora, que me há de parecer. Mais outro século sem vintém. “

Ou seja, desgraçadamente, tendo em conta as palavras do Zé Povinho, e dando uma conotação mais alargada à palavra vintém, concluo que tudo não passa de uma continua e sucessiva sucessão de “paródias“ acometidas pelos variados parodiantes, sendo estes todos e quaisquer acontecimentos que influenciam e comandam a nossa vida, que, sucessivamente, nos chocalham a cada instante e a cada acto. Mas nós, seres resilientes, persistentes e teimosos, vamos confiar, mesmo que à partida já estejamos a desconfiar.

Eu, para florear o meu pensamento, começo já por acreditar neste início de ano, e neste mês de Janeiro, que os resultados da vacina começam a ter efeitos positivos, que não temos de voltar ao ensino à distância, que, no dia da eleição para o Presidente da República, o número da abstenção vai ser mínimo, que o meu Sporting irá manter a liderança no campeonato e, por fim, que haja uma luz de esperança para a solução da crise que atinge toda a população.

Vamos confiar. Um bom ano para todos nós! O coração sente, mesmo que a razão não concorde.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)


Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia »  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia

A sondagem da Aximage, para o DN/JN/TSF, referente ao mês de Dezembro, dá ao CDS uns miseráveis 0,3%. Os partidos também morrem e o CDS está moribundo. Teve um importante papel na transição à democracia e, também, na vida democrática institucionalizada.
(ler mais...)


Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado.
(ler mais...)


Resíduos urbanos - antónio gomes »  2021-01-10  »  António Gomes

O sector dos resíduos sólidos urbanos esteve recentemente na agenda mediática devido à revolta das populações que vivem perto dos aterros onde são depositados, pois assistem à constante degradação da sua qualidade de vida.
(ler mais...)


2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal »  2021-01-10  »  Inês Vidal

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval.
(ler mais...)


2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-12-19  »  Inês Vidal Paul do Boquilobo - Inês Vidal
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia 2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia