• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 12 Abril 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 22° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 24° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 23° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  23° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Como serás tu, 2021? - anabela santos

Opinião  »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

"Mesmo com todos os receios e incertezas, a verdade é que o Ano Novo chegou e o que queremos é que seja um ano de mudança"

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir. Acreditamos que nos livrámos do peso colossal que nos abateu durante vários meses. O malvado ano de 2020 ficou para trás e recebemos, de braços abertos, 2021.

Mas a nossa consciência diz-nos que não será assim. Não vamos conseguir transportar, naturalmente, as coisas positivas do ano que acabou para o ano que está a começar e deixar o “horror” para trás. Não estou a ser pessimista, simplesmente sou realista e reconheço que no momento em que desejámos um bom ano aos nossos amigos e familiares, o nosso coração sentiu, mas a razão não concordou.

A preocupação continua. A pandemia acompanha-nos, as medidas de segurança continuam, o espírito continua atormentado pelo medo e a falta de esperança, a crise agrava-se e o mundo continua estranho e triste.

E esta preocupação, sem fim, alastra-se a todo o mundo. Na questão da pandemia, não sendo este o único ou mais grave problema do momento, tanto são preocupantes os milhares de casos que surgem diariamente na Europa, como os treze casos de que temos conhecimento em Timor, pois com a falta de condições na a “Ilha Encantada”, o medo é redobrado. Não existem hospitais, ventiladores ou condições para assegurar o bem estar e a salvação das pessoas. No entanto, mesmo tendo consciência de que tudo pode acontecer, continuamos a acreditar que, por aqui, o sol irá continuar a brilhar.

Mesmo com todos os receios e incertezas, a verdade é que o Ano Novo chegou e o que queremos é que seja um ano de mudança, que tudo volte à normalidade. Não precisa de ser o melhor ano das nossas vidas, só precisamos que seja normal, que retome o equilíbrio natural, mesmo com todos os problemas inerentes a esse equilíbrio.

Infelizmente, ao escrever este texto, só me vem à mente a imagem da capa da “Paródia“, criada em 1901, há cento e vinte anos, por Manuel Gustavo Bordalo Pinheiro, e na qual podemos ler o diálogo entre o astrólogo e o Zé Povinho:

“Astrólogo – Que te parece o século XX, hein?

Zé – Ora, que me há de parecer. Mais outro século sem vintém. “

Ou seja, desgraçadamente, tendo em conta as palavras do Zé Povinho, e dando uma conotação mais alargada à palavra vintém, concluo que tudo não passa de uma continua e sucessiva sucessão de “paródias“ acometidas pelos variados parodiantes, sendo estes todos e quaisquer acontecimentos que influenciam e comandam a nossa vida, que, sucessivamente, nos chocalham a cada instante e a cada acto. Mas nós, seres resilientes, persistentes e teimosos, vamos confiar, mesmo que à partida já estejamos a desconfiar.

Eu, para florear o meu pensamento, começo já por acreditar neste início de ano, e neste mês de Janeiro, que os resultados da vacina começam a ter efeitos positivos, que não temos de voltar ao ensino à distância, que, no dia da eleição para o Presidente da República, o número da abstenção vai ser mínimo, que o meu Sporting irá manter a liderança no campeonato e, por fim, que haja uma luz de esperança para a solução da crise que atinge toda a população.

Vamos confiar. Um bom ano para todos nós! O coração sente, mesmo que a razão não concorde.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro »  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro

Num momento em que o sentimento generalizado sobre os chineses é de alguma desconfiança, preparo-me aqui para contrapor e dar uma oportunidade aos tipos. Eu sei que nos foram mandando com a peste bubónica, a gripe asiática, a gripe das aves, o corona vírus.
(ler mais...)


#torresnovas@weshallover.com - josé ricardo costa »  2021-04-10  »  José Ricardo Costa

É muito bom viver em Torres Novas mas também se sente o peso de estar longe do que de verdadeiramente moderno se passa no mundo, enfim, nada de #Me Too, Je suis Charlie Hebdo, vetustas estátuas transformadas em anúncios da Benetton.
(ler mais...)


Rever a revisão, já! - josé mota pereira »  2021-04-10  »  José Mota Pereira

 

 Recuemos no tempo. Entremos numa máquina do tempo e cliquemos no botão que nos leve até ao ano de 2001. Recordemos vagamente que em 2001:

 - Caíram as Torres Gémeas em Nova Yorque em 11 setembro.
(ler mais...)


Na era do ad hominem - jorge carreira maia »  2021-04-10  »  Jorge Carreira Maia

Quando a internet surgiu e, posteriormente, com a emergência dos blogues e redes sociais pensou-se que a esfera pública tinha encontrado uma fonte de renovação. Mais pessoas poderiam trocar opiniões sobre os problemas que afectam a vida comum, sem estarem controladas pelos diversos poderes, contribuindo para uma crescente participação, racionalmente educada, nos assuntos públicos.
(ler mais...)


Equilíbrio - inês vidal »  2021-04-10 

É e sempre foi uma questão de equilíbrio. Tudo. E todos o sabemos. O difícil é chegar lá, encontrá-lo, ter a racionalidade e o bom senso suficientes para o ter e para o ser. E para saber que o equilíbrio de hoje não é obrigatoriamente o de amanhã, muito menos o que era ontem.
(ler mais...)


As árvores morrem de qualquer maneira e feitio - carlos paiva »  2021-04-10  »  Carlos Paiva

Comemorou-se a 21 de Março o dia da floresta. O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) resolveu assinalar a data disponibilizando 50.000 árvores gratuitamente à população. Quem as quisesse plantar, teria de se identificar, inscrever, levantar a árvore (até um máximo de dez árvores por pessoa) e, num prazo de 48 horas, declarar o local onde plantou documentando com fotos.
(ler mais...)


Rejuvenescimento político - anabela santos »  2021-04-10  »  AnabelaSantos

Hoje, como acontece diariamente, no caminho de casa até à escola, lá se deu o habitual encontro matinal entre mim e o Ananias, o meu amigo ardina. Trocámos algumas palavras, comprei o jornal e seguimos por caminhos opostos que nos levam à nossa missão do dia, o trabalho.
(ler mais...)


O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes »  2021-04-08  »  João Carlos Lopes

Durante décadas, todos os torrejanos ajudaram no que puderam o CRIT, uma obra social que granjeou a estima de todos os cidadãos e empresários, e foram muitos, que sempre disseram sim a todas e quaisquer formas de ajuda em prol da aventura iniciada em 1975.
(ler mais...)


Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes »  2021-03-23  »  João Carlos Lopes

Dir-se-ia, de uma câmara socialista, esperar que se perseguissem os valores e ideais que aqui e ali, somados, vão concorrendo para um mundo melhor e para uma relação mais harmoniosa e avançada entre todos e tudo o que habita uma casa comum que é o território natural de um pequeno concelho.
(ler mais...)


Depois de casa roubada, trancas à porta - antónio gomes »  2021-03-20  »  António Gomes

Na política, ou se tem ideias, rasgo e capacidade de antecipação para marcar a diferença, ou andamos sempre no rengo-rengo.

As vítimas da pandemia estão aí, agora com maior visibilidade, mais desemprego, mais encerramentos de pequenas empresas, comércio, restauração, serviços, trabalhadores independentes sem rendimentos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-04-08  »  João Carlos Lopes O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes
»  2021-03-23  »  João Carlos Lopes Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes
»  2021-03-20  »  José Ricardo Costa A Rosa do Nome - josé ricardo costa
»  2021-03-20  »  Jorge Carreira Maia A arte do possível - jorge carreira maia
»  2021-03-20  »  Carlos Paiva São rosas, senhor - carlos paiva