• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sábado, 19 Outubro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Ter.
 20° / 8°
Períodos nublados
Seg.
 18° / 8°
Períodos nublados com chuva fraca
Dom.
 18° / 10°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  20° / 12°
Períodos nublados com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O PSD e Ourém

Opinião  »  2008-11-20  »  Santana-Maia Leonardo

1. Alguns militantes e presidentes de Câmara do PSD ficaram muito melindrados com a minha intervenção em Ourém na qual considerei inadmissível o silêncio da direcção do partido face à gravidade dos factos ocorridos na Assembleia Regional da Madeira. Infelizmente os partidos políticos enfermam hoje dos mesmos vícios das famílias modernas. Ou seja, quando se trata de criticar os filhos dos outros, ninguém os cala, mas, quando se trata dos seus filhos, ninguém os ouve falar, a não ser para justificar as suas tropelias. Por alguma razão, isto está como está.

Eu não penso assim. Pelo contrário, considero que um partido, para ter credibilidade, não pode exigir aos outros aquilo que ele próprio não é capaz de exigir aos seus e de pôr em prática.

Todos nós sabemos, por experiência própria, que o Partido Socialista é um partido com vocação de poder terceiro-mundista que tem, na democracia de Hugo Chávez, a sua grande referência programática e ideológica. Ora, se o PSD é um partido que defende a democracia liberal e os valores a ela inerentes, não pode aceitar que um seu militante ou que uma sua estrutura desenvolva práticas que não respeitem estes valores ou os ponham em causa. Ou seja, não pode aceitar que um governante ou um presidente da Câmara do PSD se comporte como um verdadeiro socialista (de que José Sócrates é, aliás, o melhor exemplo). E a verdade é que, não só na Madeira mas também nalgumas câmaras do continente, não se consegue distinguir a governação social-democrata, defensora dos valores das democracias liberais, das governações autocráticas socialistas, que espezinham e perseguem todos aqueles que não veneram o seu poder.

Não adianta um partido andar a propor reformas aos portugueses se não tem capacidade sequer para se reformar a si próprio e de pôr em prática os valores que defende. Os valores da democracia liberal (ou seja, a liberdade de expressão e de imprensa, os direitos das minorias e da oposição, etc.) não podem ser usados apenas como arma de arremesso quando o PSD está na oposição. Pelo contrário, devem ser uma bandeira hasteada e empunhada por todos os governantes e autarcas sociais-democratas, no exercício das suas funções. E se o PSD não percebe isso, o melhor será deixar cair o «D».
 

2. O actual modelo de avaliação dos professores tem, pelo menos, a virtude de avaliar o grau de dureza das cabecinhas que nos governam, expondo à saciedade todos os vícios do sistema. Em primeiro lugar, o seu total desconhecimento do que é uma escola, para que serve e como funciona. Em segundo lugar, o seu total desconhecimento do que é uma empresa, como se organiza e quais são os seus objectivos.

Deste duplo desconhecimento, nasceu um projecto de avaliação que, se fosse aplicado numa empresa, levava ao seu encerramento num ápice. Qual era a empresa que aguentaria ter a linha de produção parada vários meses todos os anos para que os trabalhadores, em vez de trabalhar, passassem os dias a inventar e discutir grelhas para se avaliarem uns aos outros? E qual era o trabalhador que aceitaria ser avaliado por um igual (ou pior)?

Além disso, basta conhecer o nosso funcionalismo público para saber que qualquer linha que seja deixada nas suas mãos se transforma rapidamente num novelo que ninguém consegue desenlear. E esta cultura de complicar o que é fácil está tão entranhada no nosso funcionalismo público que não se pode deixar ao seu critério a implementação do que quer que seja. Basta, aliás, ler um regulamento interno de uma escola para se ficar logo elucidado. Só gente com um espírito muito tortuoso e complicado é que consegue transformar um regulamento interno que devia caber numa página num autêntico e intragável código civil, com centenas de artigos e de alíneas, que ninguém, no seu perfeito juízo, consegue ler.

http://sol.sapo.pt/blogs/contracorrente

 

 

 Outras notícias - Opinião


Rio petisco »  2019-10-11  »  Hélder Dias

Casal da Treta? »  2019-10-11  »  Hélder Dias

Das eleições, leituras »  2019-10-10  »  Jorge Carreira Maia

1. APESAR DO PRÓPRIO PARTIDO. O PS teve um bom resultado, mas não excelente. Não conseguiu penetrar significativamente na esquerda e alienou, em campanha, uma parte do centro para o PSD.
(ler mais...)


Venham mais vinte cinco, por Inês Vidal »  2019-10-02  »  Inês Vidal

Não deixa de ser curioso o facto de festejarmos 25 anos com a produção de uma revista. Numa altura em que já ninguém lê - muito menos jornais, mesmo os regionais e, dentro destes, menos ainda os que não anunciam nascimentos, casamentos e funerais - produzir ainda mais uma revista tem algo de irónico.
(ler mais...)


Fazer acontecer »  2019-10-02  »  Anabela Santos

A importância de fazer acontecer é, cada vez mais, uma certeza para mim.
Não sei se tem a ver com a idade, a consciência ou a vivência, mas é raro o dia em que não tenha o tal pensamento … “é mesmo importante o que esta gente faz acontecer”

E, como é óbvio, não me refiro aos actos dos nossos governantes.
(ler mais...)


Por este lado é que vamos, por João Carlos Lopes »  2019-10-02  »  João Carlos Lopes

1. Políticas nacionais, aqui e ali mais impostas a nível local por opção dos próprios, devastaram as economias locais das pequenas cidades e vilas do país. O comércio local e grande parte dos serviços foram fustigados e depois engolidos pelos grandes grupos nacionais ou trans-nacionais, remetendo as cidades e vilas portuguesas a pouco mais que cenários onde nada se passa.
(ler mais...)


O prazer de ir a lado nenhum »  2019-09-28  »  Jorge Carreira Maia

O maior prazer daqueles que frequentam a literatura será o da deambulação, visitar lugares desconhecidos e confrontar-se com mundos inesperados, andar por aí sem ir a lado nenhum. Se quisermos uma prova sobre a existência de uma pluralidade de mundos, basta uma palavra: literatura.
(ler mais...)


Descalabros, duelos, metamorfoses e Inferno »  2019-09-07  »  Jorge Carreira Maia

O DESCALABRO DA DIREITA. As sondagens têm vindo a indicar que a direita democrática está à beira de um resultado desastroso, por volta dos 25%, somando velhos e novos partidos.
(ler mais...)


O nome da terra, por João Carlos Lopes »  2019-09-06  »  João Carlos Lopes

É sintomático que, em tempo de eleições, nenhum dos partidos tenha dito uma palavra sobre essa vaca sagrada que é o futebol e sobretudo acerca do estado de guerra em que as claques dos “três grandes” transformam as terras por onde passam.
(ler mais...)


Turismo ou nem por isso »  2019-09-05  »  António Gomes

A época que atravessamos é propicia à reflexão sobre esta actividade económica, o turismo.
O turismo, como toda a gente sabe, atravessa em Portugal um período particularmente estonteante. São as grandes metrópoles as mais beneficiadas com tal actividade, é lá que se encontram as maiores fontes de atracção e é lá que as infraestruturas estão mais adaptadas e melhor respondem às solicitações.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-10-02  »  João Carlos Lopes Por este lado é que vamos, por João Carlos Lopes
»  2019-10-02  »  Inês Vidal Venham mais vinte cinco, por Inês Vidal
»  2019-09-28  »  Jorge Carreira Maia O prazer de ir a lado nenhum
»  2019-10-02  »  Anabela Santos Fazer acontecer
»  2019-10-11  »  Hélder Dias Casal da Treta?