• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 19 Setembro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 28° / 15°
Céu limpo
Ter.
 27° / 15°
Céu limpo
Seg.
 28° / 15°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  26° / 14°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O PSD e Ourém

Opinião  »  2008-11-20  »  Santana-Maia Leonardo

1. Alguns militantes e presidentes de Câmara do PSD ficaram muito melindrados com a minha intervenção em Ourém na qual considerei inadmissível o silêncio da direcção do partido face à gravidade dos factos ocorridos na Assembleia Regional da Madeira. Infelizmente os partidos políticos enfermam hoje dos mesmos vícios das famílias modernas. Ou seja, quando se trata de criticar os filhos dos outros, ninguém os cala, mas, quando se trata dos seus filhos, ninguém os ouve falar, a não ser para justificar as suas tropelias. Por alguma razão, isto está como está.

Eu não penso assim. Pelo contrário, considero que um partido, para ter credibilidade, não pode exigir aos outros aquilo que ele próprio não é capaz de exigir aos seus e de pôr em prática.

Todos nós sabemos, por experiência própria, que o Partido Socialista é um partido com vocação de poder terceiro-mundista que tem, na democracia de Hugo Chávez, a sua grande referência programática e ideológica. Ora, se o PSD é um partido que defende a democracia liberal e os valores a ela inerentes, não pode aceitar que um seu militante ou que uma sua estrutura desenvolva práticas que não respeitem estes valores ou os ponham em causa. Ou seja, não pode aceitar que um governante ou um presidente da Câmara do PSD se comporte como um verdadeiro socialista (de que José Sócrates é, aliás, o melhor exemplo). E a verdade é que, não só na Madeira mas também nalgumas câmaras do continente, não se consegue distinguir a governação social-democrata, defensora dos valores das democracias liberais, das governações autocráticas socialistas, que espezinham e perseguem todos aqueles que não veneram o seu poder.

Não adianta um partido andar a propor reformas aos portugueses se não tem capacidade sequer para se reformar a si próprio e de pôr em prática os valores que defende. Os valores da democracia liberal (ou seja, a liberdade de expressão e de imprensa, os direitos das minorias e da oposição, etc.) não podem ser usados apenas como arma de arremesso quando o PSD está na oposição. Pelo contrário, devem ser uma bandeira hasteada e empunhada por todos os governantes e autarcas sociais-democratas, no exercício das suas funções. E se o PSD não percebe isso, o melhor será deixar cair o «D».
 

2. O actual modelo de avaliação dos professores tem, pelo menos, a virtude de avaliar o grau de dureza das cabecinhas que nos governam, expondo à saciedade todos os vícios do sistema. Em primeiro lugar, o seu total desconhecimento do que é uma escola, para que serve e como funciona. Em segundo lugar, o seu total desconhecimento do que é uma empresa, como se organiza e quais são os seus objectivos.

Deste duplo desconhecimento, nasceu um projecto de avaliação que, se fosse aplicado numa empresa, levava ao seu encerramento num ápice. Qual era a empresa que aguentaria ter a linha de produção parada vários meses todos os anos para que os trabalhadores, em vez de trabalhar, passassem os dias a inventar e discutir grelhas para se avaliarem uns aos outros? E qual era o trabalhador que aceitaria ser avaliado por um igual (ou pior)?

Além disso, basta conhecer o nosso funcionalismo público para saber que qualquer linha que seja deixada nas suas mãos se transforma rapidamente num novelo que ninguém consegue desenlear. E esta cultura de complicar o que é fácil está tão entranhada no nosso funcionalismo público que não se pode deixar ao seu critério a implementação do que quer que seja. Basta, aliás, ler um regulamento interno de uma escola para se ficar logo elucidado. Só gente com um espírito muito tortuoso e complicado é que consegue transformar um regulamento interno que devia caber numa página num autêntico e intragável código civil, com centenas de artigos e de alíneas, que ninguém, no seu perfeito juízo, consegue ler.

http://sol.sapo.pt/blogs/contracorrente

 

 

 Outras notícias - Opinião


Apedeuta, insipiente, mentecapto, néscio - carlos paiva »  2021-09-16  »  Carlos Paiva

Por altura do lançamento do programa “Novas Oportunidades” (em 2007), recordo-me de ver uma entrevista na televisão em que a jornalista na rua perguntava a um cidadão jovem se ele achava importante estudar. Respondeu qualquer coisa como: “Sim, é bastante importante.
(ler mais...)


O fundamentalismo eleitoral (II) - pedro ferreira »  2021-09-16  »  Pedro Ferreira

 

Na primeira parte desta crónica, tentei criar no leitor uma postura crítica sobre aquele que acho ser o maior dogma da nossa sociedade, de forma a ficar mais receptivo a alternativas. Se no fim de a leres não ganhaste uma aversão ao uso de eleições para atribuir cargos públicos e nem te questionaste sobre alternativas a este método, ficaste pelo menos a saber qual era a minha intenção.
(ler mais...)


Qual o perigo da direita populista? - jorge carreira maia »  2021-09-16  »  Jorge Carreira Maia

Quando se fala do perigo da direita populista ou radical, já com representação nacional, estamos a falar de quê? Que perigo para a democracia essas forças representam? Uma tentação, em certos sectores da esquerda, é de falar em retorno ao fascismo.
(ler mais...)


Transtorno Ciclotímico - josé ricardo costa »  2021-09-16 

Quando era novo, havia uma coleção de livros de capa preta dedicada à explicação de grandes enigmas, os quais, décadas antes do Ecstasy, já fritavam os cérebros de muitos jovens, dando aos respectivos córtex o poder intelectual de um ovo estrelado.
(ler mais...)


EDITORIAL - O muro da vergonha da gestão socialista - editorial »  2021-09-01 

1. Uma das histórias que trazemos hoje em da edição destaque é paradigmática do que tem sido esta gestão socialista, afogada ano após ano, mês após mês, numa sequência imparável de casos que põe a nu a sua desorientação e laxismo, a falta de transparência, a política do esconde-esconde até serem apanhados, o governo para o facebook e para selfie (põem-se fotografias ao pé de três ou quatro carros que foram adquiridos, não estamos a gozar, afixa-se uma placa numa rua que se requalificou, valha-nos o santíssimo, outra placa porque um ministro visitou umas obras numas escola - a sério!-, vai-se a correr tirar fotos junto aos velhinhos que estão a ser vacinados, numa sucessão vertiginosa de imbecilidades infantis em que se alinham, pior que isso tudo, questões graves da governação como o caso da queixa-crime da nova farmácia, as visitas da Judiciária, as contratações de serviços de centenas de milhares de euros num carrossel de empresas, uma sempre a mesma com novo NIF, em associação com mais uma ou duas que rodam nas candidaturas em convites limitados, as obras ilegais à beira da estrada que só se conhecem quando já estão quase prontas, o assalto informático partidário a outra candidatura que deixou tudo na mesma, a vacina das sobras que tudo na mesma deixou, sem consequências, os contratos ruinosos que os torrejanos vão pagar por anos e anos, porque a dívida de muitos milhões continua a crescer e porque não há nada que se faça que não tenha de se recorrer a empréstimo, como o caso desta obra do muro no rio.
(ler mais...)


Frenesim - antónio gomes »  2021-08-30 

É assim neste Agosto, véspera de eleições. O presidente depois de ter sido envergonhado por Fernando Tordo no dia 25 de Abril, lá foi pintar a fachada do Virgínia. Os projectos de obras são aprovados à mão cheia pelo mesmo presidente, o que conta é que na propaganda do PS apareçam os projectos como obras aprovadas, ou com concurso lançado, e ainda outras com início para breve e outras quase, quase prontas…

A penúltima reunião de Câmara deste mandato, a realizar-se em 31 de Agosto, vai pronunciar-se sobre a reabilitação do largo da rua dos Ferreiros abandonado há vários anos e também sobre a reabilitação do terreiro de Santa Maria, junto ao castelo e largo do Salvador, igualmente esquecidos há largos anos.
(ler mais...)


Basta de eleger o fundamentalismo eleitoral - pedro ferreira »  2021-08-30  »  Pedro Ferreira

Há cartazes nas ruas, há obras inauguradas, há opiniões dadas de bandeja: há autárquicas em Torres Novas. Antes melhores amigos e dupla famosa, os velhos de bigode comportam-se como cachopos que querem ser eleitos delegados de turma.
(ler mais...)


O cronista divaga numa tarde de verão - josé mota pereira »  2021-08-30  »  José Mota Pereira

A mãe da ML trabalha por turnos. Muitos dias da semana o horário de saída do trabalho vai para além do horário do infantário onde a ML passa os dias. Tal como acontece com muitos meninos e meninas deste país, tem calhado à avó (que ainda trabalha) a tarefa de ir buscar a menina ao infantário ao fim da tarde e com ela passar o tempo até a entregar à companhia materna.
(ler mais...)


Afeganistão e Thánatos - jorge carreira maia »  2021-08-30  »  Jorge Carreira Maia

Afeganistão (1). Nas imagens chegam do Afeganistão, desde as que mostram a facilidade com que os talibans se apoderaram do país até às do desespero de quem procura sair, há qualquer coisa que deveria fazer corar de vergonha aos ocidentais.
(ler mais...)


Os 3 reis magos. Sem estrela, mas com GPS - carlos paiva »  2021-08-30  »  Carlos Paiva

Pela primeira vez na história torrejana, três anteriores presidentes de câmara estão na corrida eleitoral. Em projectos governativos distintos. Embora um deles não tenha o papel de líder desta vez, são três presidentes de câmara presentes.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-09-16  Transtorno Ciclotímico - josé ricardo costa
»  2021-09-01  EDITORIAL - O muro da vergonha da gestão socialista - editorial
»  2021-08-30  »  Pedro Ferreira Basta de eleger o fundamentalismo eleitoral - pedro ferreira
»  2021-08-22  »  Hélder Dias Afghan Western…
»  2021-09-16  »  Pedro Ferreira O fundamentalismo eleitoral (II) - pedro ferreira