• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 15 Abril 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 21° / 8°
Céu nublado
Sáb.
 21° / 10°
Períodos nublados
Sex.
 22° / 11°
Períodos nublados com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  21° / 14°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

SIM! FOI IMPORTANTE FAZER O CONGRESSO

Opinião  »  2020-12-19  »  José Alves Pereira

"Para os comentadores avençados, a questão cingia-se a uma suposta teimosia do PCP"

Este texto aborda a realização do congresso do PCP, ocorrido no final do mês de Novembro. Não me debruçarei no que nele ocorreu, mas sobre o contexto social em que se realizou, pautado pela contestação antidemocrática desenvolvido por sectores da direita política e ideológica.
Durante os meses preparatórios, em dezenas de reuniões e assembleias, nunca o tema mereceu atenção. A partir desses debates foram elaboradas teses para discussão, publicadas como separata no jornal “Avante”, dois meses antes do congresso. Habituada aos dramas dos barões partidários de outras bandas congressistas, cuja estratégia se resume ao modo de chegar ao poder, dessas teses de mais de setenta páginas respigou a comunicação social dominante três ou quatro parágrafos com que cozinhou as habituais intrigas. Fez de seu interesse a questão, nunca colocada, do futuro secretário-geral, dizendo num dia o que desdizia no seguinte, num jogo especulativo destituído de conteúdo.
Com o aproximar da data do congresso, assistiu-se ao que vai sendo habitual. Agora não tanto o covid, que já se viu que daquele lado da organização as regras de protecção são rigorosas, mas relevando um suposto privilégio do PCP. O guião é o tradicional: isolando o alvo, matraqueando diariamente os espectadores com comentários pejados de adjectivação crítica, incendiando as piras da indignação irracional e transformando o assunto em tema nacional dito incontornável.
Uma moderadora, num debate televisiva, ouvi eu referir-se-lhe como “um elefante dentro da sala” sobre o qual não podia deixar de falar. Pouco interessava que uma semana antes, cerca de 1200 agentes culturais se tenham reunido no Campo Pequeno, que houvesse espectáculos programados no Altice Arena, Super Bock Arena, no Coliseu (Porto) e em tantos outros sítios. O problema era o congresso do PCP não responder às bondosas sugestões de adiamento. O mesmo já fora sugerido para a sessão na A.R. no 25 de Abril, no 1.º Maio da CGTP ou na festa do “AVANTE”.
Marcelo Rebelo de Sousa teve a sua habitual cólica de percepcionite aguda, acorrendo em apoio dos seus correlegionários que alimentavam a campanha. Há, todavia, um precedente que importa recordar. Corria o ano de 2008 quando Manuela Ferreira Leite, então presidente do PSD, numa conferência promovida pela Câmara de Comércio Luso-Americana, sugeriu que para resolver a crise talvez fosse bom suspender a democracia por uns tempos. Pensava ela na suspensão dos dividendos dos accionistas das grandes empresas, na limitação dos lucros bancários, no impedir despedimentos, etc.? Nem pensar! O importante era restringir a liberdade dos que resistissem à espoliação dos seus direitos e rendimentos. Claro que, tomando-lhe o gosto, a coisa poderia prolongar-se por mais 48 anos.
O desabafo foi interpretado com um sorriso displicente. Mas ouvir, agora, um constitucionalista, Paulo Mota Pinto, na esteira das declarações de Rui Rio, propor de afogadilho, ao Governo, uma legislação proibicionista com objectivos e destinatário preciso, então deverá ser motivo para levar a sério a sugestão da referida senhora. Perguntar-se-á: porquê tudo isto? Era sabido que a proposta não teria qualquer acolhimento nem viabilidade de aplicação, tal o entorse constitucional que representava. Então por que foi sugerida? Para abrir caminho, fazendo crescer na opinião pública a espuma do preconceito anticomunista, sob o qual se esconde o propósito de criminalização de actividades de resistência às políticas de limitação de direitos políticos e sociais.
Para os comentadores avençados, a questão cingia-se a uma suposta teimosia do PCP, nunca lhes ocorrendo perguntar o porquê de tanto empenho e obstinação da direita em impedir o congresso, ao ponto de proporem ilegalidades e claras inconstitucionalidades. Os grupos económicos e financeiros e a direita política e ideológica, sua porta-voz, precisam de liberdade de movimentos para, explorando a situação que a pandemia lhes abriu, levarem a cabo a sua acção predadora sobre os mais desprotegidos.
Com o país amedrontado e fragilizado nas suas defesas sociais, trata-se de aproveitar para restringir direitos laborais, despedir e impor layoffs, diminuir rendimentos, fazer passar a ideia de que a crise a todos atinge. Tudo isto será mais fácil se não houver denúncia, resistência activa e mobilização social.
Atenção deve merecer o desenvolvimento de teorias que visam inverter a lógica dos argumentos como a de que a acção do Chega sai reforçada com as actividades legais e democráticas dos cidadãos que resistem, como escreve um comentador (1) : “A duplice fúria com o PCP existe, mas que faz tudo para a merecer”. E prossegue, sentenciando, que este não deveria fazer o Congresso “...porque ninguém estava a querer coarctar a sua liberdade como partido político.” Deveria pois limitar-se a umas jeremiadas inconsistentes, talvez nas redes sociais, ou em video conferências. Razão tem uma outra (2) insuspeita colunista quando afirma em título de artigo que “A culpa da extrema-direita não é da esquerda”. Pois não! E continua, “... o espaço político da extrema-direita não engloba só o Chega. Inclui os que a promovem e os que não se lhe opõem.”
Os democratas e organizações de esquerda não podem embarcar nas ladainhas da casta dominante, propagadas pelos meios de comunicação social, refugiando-se do medo das campanhas mediáticas, autolimitando as suas actividades e justificando a sua capitulação através de um argumentário de fuga, oscilando entre o sendeirismo moral e o calculismo eleitoral.
Não basta divagar e jurar grandes profissões de fé na Democracia e na hora da verdade, quando se impõe defendê-la, não contra fantasmas mas contra os que tentam limitar, fecharem-se nos seus redutos. A democracia defende-se combatendo as pulsões autoritárias e antidemocráticas emergentes, não abdicando para isso da participação pública aberta e no quadro estabelecido na Constituição da República, com os cuidados que a situação pandémica actual exige. Este objectivo não pode ser visto como um problema exclusivo do PCP.
(1) Pereira, José Pacheco in “Público” 28.11.2020
(2) Marques, Maria João in “Público” 18.11.2020

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Empréstimo »  2021-04-13  »  Hélder Dias

Sombra suspeita »  2021-04-13  »  Hélder Dias

Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro »  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro

Num momento em que o sentimento generalizado sobre os chineses é de alguma desconfiança, preparo-me aqui para contrapor e dar uma oportunidade aos tipos. Eu sei que nos foram mandando com a peste bubónica, a gripe asiática, a gripe das aves, o corona vírus.
(ler mais...)


#torresnovas@weshallover.com - josé ricardo costa »  2021-04-10  »  José Ricardo Costa

É muito bom viver em Torres Novas mas também se sente o peso de estar longe do que de verdadeiramente moderno se passa no mundo, enfim, nada de #Me Too, Je suis Charlie Hebdo, vetustas estátuas transformadas em anúncios da Benetton.
(ler mais...)


Rever a revisão, já! - josé mota pereira »  2021-04-10  »  José Mota Pereira

 

 Recuemos no tempo. Entremos numa máquina do tempo e cliquemos no botão que nos leve até ao ano de 2001. Recordemos vagamente que em 2001:

 - Caíram as Torres Gémeas em Nova Yorque em 11 setembro.
(ler mais...)


Na era do ad hominem - jorge carreira maia »  2021-04-10  »  Jorge Carreira Maia

Quando a internet surgiu e, posteriormente, com a emergência dos blogues e redes sociais pensou-se que a esfera pública tinha encontrado uma fonte de renovação. Mais pessoas poderiam trocar opiniões sobre os problemas que afectam a vida comum, sem estarem controladas pelos diversos poderes, contribuindo para uma crescente participação, racionalmente educada, nos assuntos públicos.
(ler mais...)


Equilíbrio - inês vidal »  2021-04-10 

É e sempre foi uma questão de equilíbrio. Tudo. E todos o sabemos. O difícil é chegar lá, encontrá-lo, ter a racionalidade e o bom senso suficientes para o ter e para o ser. E para saber que o equilíbrio de hoje não é obrigatoriamente o de amanhã, muito menos o que era ontem.
(ler mais...)


As árvores morrem de qualquer maneira e feitio - carlos paiva »  2021-04-10  »  Carlos Paiva

Comemorou-se a 21 de Março o dia da floresta. O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) resolveu assinalar a data disponibilizando 50.000 árvores gratuitamente à população. Quem as quisesse plantar, teria de se identificar, inscrever, levantar a árvore (até um máximo de dez árvores por pessoa) e, num prazo de 48 horas, declarar o local onde plantou documentando com fotos.
(ler mais...)


Rejuvenescimento político - anabela santos »  2021-04-10  »  AnabelaSantos

Hoje, como acontece diariamente, no caminho de casa até à escola, lá se deu o habitual encontro matinal entre mim e o Ananias, o meu amigo ardina. Trocámos algumas palavras, comprei o jornal e seguimos por caminhos opostos que nos levam à nossa missão do dia, o trabalho.
(ler mais...)


O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes »  2021-04-08  »  João Carlos Lopes

Durante décadas, todos os torrejanos ajudaram no que puderam o CRIT, uma obra social que granjeou a estima de todos os cidadãos e empresários, e foram muitos, que sempre disseram sim a todas e quaisquer formas de ajuda em prol da aventura iniciada em 1975.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-04-08  »  João Carlos Lopes O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes
»  2021-03-23  »  João Carlos Lopes Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes
»  2021-03-20  »  José Ricardo Costa A Rosa do Nome - josé ricardo costa
»  2021-03-20  »  Jorge Carreira Maia A arte do possível - jorge carreira maia
»  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro