• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 04 Outubro 2022    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 32° / 19°
Períodos nublados
Qui.
 32° / 15°
Períodos nublados
Qua.
 31° / 17°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  32° / 16°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A NASCENTE QUE NUNCA MORRE - ana domingos

Opinião  »  2022-07-15  »  Ana Domingos

" “Um dia, as fontes secarão. Os lugares nem memórias serão, quando até os corpos serão apenas uma lenda desacreditada. Um dia, tudo será apenas nada."

 

No dia em que as fontes secarem, depois no norte e sul se fundirem, já estarei longe deste lugar. Depois, para lá de tudo, do tacto, da cor, um miudinho templo apreciará, insistentemente, a ousadia desafiante de nunca, mas nunca morrer.

Acredito que haverá sítios tão perenes quanto os amores, daqueles secretos, que não se discutem e só se acometem à rendição de existirem. Há lugares assim. Este lugar é assim.

Entre mundos paralelos, tão improváveis quanto distantes, tão desiguais quanto inseparáveis. Verde soberbo no austero desfiladeiro em calcário entre o céu e a queda branca em asas de anjo, numa mera cascata. Sem adornos, contemplativa em si mesma. Ora serena, ora severa. Ora límpida, ora irada.

Livre, cobiçada fonte das entranhas de uma terra, com nome mas de ninguém, como dono um gigante enfadonho, sem pé de feijão mágico, mas tão arquitectada quanto uma inalcançável catedral aquática, também ela, em tons de verde agreste ao nível dos mundos médios, fantásticos, de Mordor e Shire.

Um dia, as fontes secarão. Os lugares nem memórias serão, quando até os corpos serão apenas uma lenda desacreditada. Um dia, tudo será apenas nada. Nesse dia, mais adiante, só silêncio. Mais silêncio que o decrépito silêncio que nos aperta a garganta nas aflições que nos passam na vida. Aceitem que chegará esse silêncio doentio, acolham-no, acarinhem-no e sintam o sabor das memórias de um tempo verde. Só depois perceberão que haverá um ou outro lugar que nunca morre, nunca morreu, porque não foi feito para padecer. Só depois, respirem com as sensações que o amor entrega aos corpos, às almas.

Nesse dia, depois das fontes secarem, serei parte de um norte fundido, em hipnótica dança sobre as águas de um sítio que nunca morrerá, onde os meus braços serão apenas o ar e as emoções um dia em corpos esculpidas.

Serei eu, um Almonda com dono e tão livre em si, perante a sua ilusão humana de domínio de uma nascente.

As asas de anjo correrão além do tempo, longe de intentos. Quando a sagrada catedral cristalina se tornar acessível. Esse lugar tornado meu, das minhas orações e dos amores de mim.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Vai e volta... »  2022-09-30  »  Hélder Dias

Referendo aos pinguins?... »  2022-09-29  »  Hélder Dias

Referendo?... »  2022-09-29  »  Hélder Dias

Estou apaixonado pelo meu carro - carlos paiva »  2022-09-23  »  Carlos Paiva

A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, em que Torres Novas participa, assinou dia 8 de Setembro um contrato de concessão com a Rodoviária do Tejo, com a validade de oito anos, para o serviço público de transporte de passageiros.
(ler mais...)


Testemunha dos tempos - maria augusta torcato »  2022-09-23  »  Maria Augusta Torcato

Um jornal testemunha. É um dos seus papéis. E espera-se um papel ativo na observação, na análise e na intervenção do que está à sua volta, próximo e distante.

O JT completa 29 anos com publicações ininterruptas ao longo deste tempo.
(ler mais...)


A aposta de António Costa - jorge carreira maia »  2022-09-23  »  Jorge Carreira Maia

António Costa voltou decididamente ao consenso liberal que gere a União Europeia, do qual em aparência se tinha afastado nos primeiros seis anos de governação. O problema da actualização dos vencimentos da função pública e das reformas e o da recusa de taxar os lucros extraordinários das grandes empresas provam que está completamente comprometido com a visão dominante na União Europeia.
(ler mais...)


A Ilha - josé ricardo costa »  2022-09-23  »  José Ricardo Costa

Não há volta a dar. Todos os anos, o fim das férias faz-nos regressar ao Gólgota depois de alguns dias de prazerosa ressurreição. Sendo o trabalho, como dizia Mark Twain, um mal necessário a ser evitado, as férias são a concretização desse desejo, sentindo o trabalhador o carinho do Tempo a embalá-lo numa sucessão de dias livres.
(ler mais...)


A gente vai continuar - inês vidal »  2022-09-23  »  Inês Vidal

É difícil sentirmo-nos parte de algo. Podemos passar uma vida inteira a passar ao lado de uma vida inteira, sermos sempre supérfluos, o outro, apenas mais um. Viver à superfície, cumprir por cumprir, encarar a coisa como apenas e só mais uma etapa.
(ler mais...)


Não há um adulto na sala? - joão carlos lopes »  2022-09-21  »  João Carlos Lopes

A cena da imagem é uma carrinha de pronto-socorro que queria ir para os lados de São Pedro. Não podendo (teria de voltar em direcção ao largo da Botica, Rotunda, rua do Nogueiral, largo do Caldeirão, fazer toda avenida, isto é, correr a cidade toda) – por isso, tentou pela rua da Trindade, mas teve de voltar para trás.
(ler mais...)


O longo funeral... »  2022-09-20  »  Hélder Dias
 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2022-09-21  »  João Carlos Lopes Não há um adulto na sala? - joão carlos lopes
»  2022-09-06  »  Hélder Dias Tony Costa...
»  2022-09-09  »  Pedro Ferreira O Almonda e o colapso - pedro ferreira
»  2022-09-12  »  Hélder Dias Amigo?...
»  2022-09-20  »  Hélder Dias O longo funeral...