• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 21 Julho 2024    •      Directora: Inês Vidal; Director-adjunto: João Carlos Lopes    •      Estatuto Editorial    •      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 40° / 21°
Céu limpo
Ter.
 41° / 21°
Céu limpo
Seg.
 40° / 16°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  29° / 17°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Na aldeia de Zibreira passa o rio Almonda - isilda loureiro

Opinião  »  2024-06-23 

"O rio da minha aldeia", fazendo lembrar o poema de Fernando Pessoa...

Houve tempos em que o local conhecido por Azenha, no termo da aldeia de Zibreira, após descermos uma ladeira ladeada de terrenos agrícolas e hortas, teve um moinho com gente e muita vida. No fim da ladeira da aldeia houve vida. Hoje há um vazio assustador.

O rio Almonda foi escondido, não se vê vivalma e todo o espaço é uma ruína perturbadora.
Foi o sítio da Ti Benvinda e do Ti Miguel Lourenço, os meus avós. Aí nasceram os seus nove filhos. Por ali cresceram, aprenderam a nadar, a pescar e a trabalhar no moinho que os alimentava. Subiam ao centro da aldeia para ir à escola, à missa e fazer as compras na loja do Cartuchinho.

Depois veio a industrialização, com que não conseguiram concorrer. Os moinhos haveriam de perecer. Era tempo de progresso e de enormes dificuldades para quem ganhava o pão nos moinhos movidos pelas águas do rio.

Muito cedo chegou a doença que levaria o meu avô aos 65 anos. Foram forçados a vender o sítio de toda a vida, as casas que viram os filhos nascer e crescer. Deixaram o rio à aldeia e as casas aos seus novos proprietários.

Enquanto o moinho da Azenha de Zibreira lhes pertenceu, o rio foi das gentes que aí lavavam a sua roupa, as mantas no Verão… Era o rio dos piqueniques, do namoro, dos convívios, dos passeios no dia da Espiga... era o rio de todos.

Aí se cantavam as alegrias e contavam os lamentos. O som da água misturava-se com o chilrear das aves, com o bater da roupa na pedra, sem abafar os risos e as conversas da gente que fazia do trabalho um momento de confraternização.

Mergulhadas na água, as mulheres lavavam e batiam a roupa na pedra. As burras e as carroças transportariam as roupas lavadas. Outras vezes, a roupa era levada a pé, à cabeça, nos alguidares que balançavam, acompanhando o ritmo dos corpos cansados, a quem esperava o resto da labuta diária.

Quantas vezes não se embalavam e ganhavam força para a subida na conversa com a Ti Benvinda, que oferecia café e pão acabado de cozer no forno. Davam dois dedos de conversa e lá subiam ao povoado. A Azenha de Zibreira trazia gente das terras à volta. Vinha gente de todo o lado.

Hoje, a degradação do lugar parece assombrar o lugar que foi paradisíaco. Tudo caíu. O rio não se vê. Apenas se escuta o marulhar das águas escondidas, que passam em direcção ao caminho das hortas e rumo à cidade. No sítio por onde se chegava ao rio, está agora um portão que roubou o rio à aldeia. Foi arrombado por algum curioso que o escancarou, deixando ver ao fundo um tapume que selou e encerrou o rio que foi de todos.

Aos poucos, mataram a Azenha de Zibreira, encerraram o rio e deixaram um cenário para filme de terror. Fica a esperança de um dia a Azenha poder deixar de ser um monte de ruínas, que as margens do rio se libertem das muralhas de silvas que por ali cresceram e que o rio possa voltar a ser visto por todos.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O Orelhas... »  2024-07-16  »  Hélder Dias

Lady Gago »  2024-07-09  »  Hélder Dias

Cogitações por causa do 25 de Novembro e dos avanços da extrema-direita - antónio mário santos »  2024-06-23  »  António Mário Santos

No momento em que do centro direita à direita radical, aproveitando a viragem das últimas eleições legislativas, se organizou uma associação de interesses para diminuir o 25 de Abril, realçando o golpe militar do 25 de Novembro, num crescendo de recuperação selectiva do revanchismo das elites económicas destronadas pela revolução, ultrapassando a concepção social-democrata do próprio PS (Manuel Alegre distingue-o nas suas Memórias Minhas, criticando a viragem para a 3ª via de Blair, continuando a preferir chamar ao seu partido, por inteiro, Partido Socialista), abriu-se um clamoroso protesto nos órgãos de informação nacionais.
(ler mais...)


O futebol e o radicalismo de direita - jorge carreira maia »  2024-06-23  »  Jorge Carreira Maia

 

Decorre o Europeu de futebol, hora em que o fervor nacionalista se exalta. O futebol, na sua dimensão industrial, foi colonizado por perspectivas ideológicas que fomentam, na consciência dos adeptos, uma visão do mundo muito específica.
(ler mais...)


Toma lá... »  2024-06-19  »  Hélder Dias

Lições da História - acácio gouveia »  2024-06-13  »  Acácio Gouveia

“A História não se repete, mas rima por vezes”, Mark Twain

 Vinte e sete meses após o início da guerra na Ucrânia, temos generais e comentadores nos meios de comunicação social portugueses: (I) a justificar a legitimidade da invasão; (II) a profetizar a total e inelutável vitória de Putin; (III) e tentar convencer-nos que este assunto tem pouco ou nada a ver com Portugal e com os demais países europeus.
(ler mais...)


Do rescaldo da festa à realidade da Europa - antómio mário santos »  2024-06-11  »  António Mário Santos

Vivemos, na Europa, tempos difíceis. As eleições europeias, que se desenrolarão no próximo domingo, podem apontar para o fim da União Europeia como hoje a conhecemos. O avanço da extrema direita, racista e xenófoba, na maioria dos países europeus, veio ressuscitar o velho problema das nacionalidades e das suas fronteiras, dos impérios coloniais arrumados nos armários da história, da milenária contenda entre a ciência e a fé, da economia neoliberal assente no conceito do Estado-Nação e nos direitos fundamentais da cidadania democrática.
(ler mais...)


Nascente do Almonda: há outro caminho - jorge salgado simões »  2024-06-11  »  Jorge Salgado Simões

Tem sido difícil assistir a tudo o que se tem passado em torno da nascente do Almonda nos últimos anos, um conflito exacerbado por dois lados com interesses legítimos, mas incapazes de construir qualquer benefício para um património que todos dizem querer valorizar.
(ler mais...)


Teixeira de Queiroz e o mundo português - jorge carreira maia »  2024-06-11  »  Jorge Carreira Maia

Hoje desconhecido do grande público, Francisco Teixeira de Queiroz foi um dos grandes escritores portugueses dos finais do século XIX e inícios do século XX. A Imprensa Nacional começou, em 2020, a republicar as obras do escritor nascido em Arcos-de-Valdevez, que chegou a ser deputado e Ministro dos Negócios Estrangeiros na Primeira República.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2024-07-09  »  Hélder Dias Lady Gago
»  2024-07-16  »  Hélder Dias O Orelhas...
»  2024-06-23  Na aldeia de Zibreira passa o rio Almonda - isilda loureiro
»  2024-06-23  »  António Mário Santos Cogitações por causa do 25 de Novembro e dos avanços da extrema-direita - antónio mário santos
»  2024-06-23  »  Jorge Carreira Maia O futebol e o radicalismo de direita - jorge carreira maia