• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sábado, 02 Julho 2022    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Ter.
 34° / 16°
Céu limpo
Seg.
 33° / 15°
Períodos nublados
Dom.
 32° / 16°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
Torres Novas
Hoje  34° / 15°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Certamente estou errado- antónio gomes

Opinião  »  2022-04-29  »  António Gomes

"“Às vezes o centro ainda serve para alguma coisa, outros interesses que não os das pessoas que teimam em não o abandonar, como o caso do encerramento do parque de estacionamento por 15 dias."

Recentemente, assistimos à colocação da 1.ª pedra daquilo que virá a ser um novo restaurante de comida ao “pacote” numa zona da cidade onde já se encontram outros dois do mesmo género. Quero aqui declarar que a comida ali servida não faz o meu estilo, mas também declaro que não tenho nada com isso, cada um é como cada qual, os gostos não se discutem e pelos vistos clientes não faltam. Por mais campanhas sobre alimentação e saúde que se façam, a coisa não muda. Não é por acaso que estes estabelecimentos estão situados junto a uma escola. Fica mesmo a calhar.

Sabemos que o lançamento da 1.ª pedra teve honras de primeira figura do burgo e o apadrinhamento da festa teve também o acompanhamento de outras figuras da edilidade torrejana, não sei se ficaram logo convidados para a inauguração do dito para provar as “asinhas de frango”. Até aqui tudo bem, tudo de acordo com a normalidade a que já nos habituámos.

Mas dou comigo a pensar no centro histórico da cidade, aquele pedaço de território outrora centro da actividade e da vida torrejana e que há várias décadas está abandonado e ostracizado pelo poder político local, em ruínas, sem gente e sem alma.

A pergunta já é velha, mas a resposta nunca a obtivemos: porque é que as apostas do poder político de há décadas para cá foram todas sendo feitas na periferia da cidade, agora na zona da av. Andrade Corvo, antes tinha sido junto ao Bairro do Nicho s e também na zona das Ferrarias, ou em sítios mais ou menos dispersos, conforme o interesse das várias cadeias de hipermercados.

O tal centro viu-se assim despejado e maltratado de qualquer investimento público que ajudasse as pessoas, a actividade comercial, a resistir e a ganhar novos alentos.

Mas, ironia das ironias, às vezes o centro ainda serve para alguma coisa, outros interesses que não os das pessoas que teimam em não o abandonar, como o caso do encerramento do parque de estacionamento por 15 dias. É paradigmático! Encontrar lugar para estacionar é uma necessidade para quem trabalha e frequenta o centro histórico da cidade.

Isto sou eu a dizer mal, certamente estou errado, a julgar pelos resultados eleitorais conhecidos.

 



 

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Tomatina - carlos paiva »  2022-06-18  »  Carlos Paiva

Até os mais distraídos na escola, fui um deles, se devem lembrar do princípio mais básico da física. Para qualquer acção, há uma reacção. Por incrível que pareça, por muito tosco que seja, é o princípio base que orienta e rege todo o método científico, até o de ponta.
(ler mais...)


A GRANDE PORTA DE KIEV - josé alves pererira »  2022-06-18  »  José Alves Pereira

O conflito em curso na Ucrânia veio dar maior visibilidade à sua capital e sede de governo, Kiev. Como todos os cidadãos, vejo com uma sensação de perda a destruição das estruturas materiais e das vidas, mas igualmente das irreparáveis, no curto prazo, fracturas nas relações humanas.
(ler mais...)


Escavar no romance português - jorge carreira maia »  2022-06-18  »  Jorge Carreira Maia

Está calor. Em vez de falar de política, como habitualmente, o melhor é derivar e falar de literatura. Não é que o assunto interesse mais aos portugueses do que a política. Não interessa, mas ajuda a suportar o calor e a inflação.
(ler mais...)


Fantoche... »  2022-06-17  »  Hélder Dias

Sim, dou licença - inês vidal »  2022-06-04 

Sempre quis ser espanhola. Gosto e invejo o ritual das cañas e pinchos, ao mesmo tempo que me questiono, intrigada, sobre onde enfiam as crianças para poderem passar os fins de tarde na esplanada. Adoro o conceito. Sempre quis ser espanhola.
(ler mais...)


Aquela máquina - carlos paiva »  2022-06-04 

Somos conhecidos no mundo inteiro como o povo do desenrasca. Não é pelo vinho do Porto, não é pelo CR7, não é pelos descobrimentos, não é pelo clima e pelas praias. É pelo desenrasca. Como testemunham os hábitos de leitura nacionais, temos uma facilidade nata em absorver conhecimento pela prática.
(ler mais...)


A fraternidade - jorge carreira maia »  2022-06-04  »  Jorge Carreira Maia

Dos três princípios da Revolução Francesa – Liberdade, Igualdade e Fraternidade – este último permaneceu sempre numa espécie de limbo. Os grandes debates e os grandes conflitos ideológicos estruturaram-se em torno dos outros dois.
(ler mais...)


Desafiamos a sorte e a tragédia - antónio gomes »  2022-06-04  »  António Gomes

Há longos anos que desafiamos a sorte com a tragédia logo ali à espreita no centro histórico de Torres Novas. As derrocadas das casas abandonadas sucedem-se, felizmente ainda ninguém foi apanhado. A última, na rua da Corrente, veio apenas confirmar a sorte que temos tido e a tragédia que está por perto.
(ler mais...)


Rei Carlos? »  2022-06-02  »  Hélder Dias

Zé Lensky... »  2022-06-01  »  Hélder Dias
 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2022-06-02  »  Hélder Dias Rei Carlos?
»  2022-06-17  »  Hélder Dias Fantoche...
»  2022-06-04  Sim, dou licença - inês vidal
»  2022-06-18  »  Jorge Carreira Maia Escavar no romance português - jorge carreira maia
»  2022-06-18  »  Carlos Paiva Tomatina - carlos paiva