• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 19 Abril 2024    •      Directora: Inês Vidal; Director-adjunto: João Carlos Lopes    •      Estatuto Editorial    •      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 26° / 11°
Céu limpo
Dom.
 26° / 12°
Períodos nublados com chuva fraca
Sáb.
 24° / 13°
Céu nublado com aguaceiros e trovoadas
Torres Novas
Hoje  26° / 13°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Ladrões de bicicletas e outras fitas em cartaz - joão carlos lopes

Opinião  »  2024-01-11  »  João Carlos Lopes

1. No Entroncamento, uma terra que noutras gerações teve grande tradição no uso da bicicleta – já não há centenas de operários a pedalar para as oficinas - passou-se o mesmo que cá na terrinha: o projecto das bicicletas eléctricas foi suspenso ao fim de 15 dias, fustigado por mau uso do material, avarias persistentes e sobretudo actos de vandalismo. Não há volta a dar: quer Torres Novas quer o Entroncamento, são duas vilórias sem escala demográfica para que exista um número considerável de pessoas com atitude, comportamento e consciência cívica e sobretudo, note-se, com necessidade de usar a bicicleta para uma função efectiva do seu quotidiano. Não, não existe, tenham paciência. O uso das bicicletas reduz-se a um conjunto de curiosos para quem tudo não passa de mais uma cena de recreio. É o que faz, aqui e além, uma acção autárquica sempre a cavalgar coisas novas, a despropósito, numa alucinação sem parança, a torrar milhões em vertigem desalmada. Melhor fosse que se dirigisse o foco da gestão autárquica àquilo que as pessoas esperam, a conservação e manutenção do que é essencial e que faz os moradores de uma terra gostarem de nela viver: ter passeios, parques e praças conservados, limpos e arrumados, calçadas reparadas, tratamento permanentemente de árvores, zonas verdes e jardins, ruas limpas e lavadas como antigamente, sem meios, se fazia, um rio de leito limpo e não uma imagem cosmética para enganar os incautos, funcionamento e conservação dos equipamentos colectivos existentes e não o seu abandono após o foguetório da inauguração, obrigar, pela lei, à limpeza e pintura de fachadas e muros, realizar obras de qualificação urbana que demoram décadas após as promessas (exemplos? Os moradores da praceta Entre-Águas compraram os andares com a promessa de terem em frente um pequeno parque e passadas décadas têm montes de lixo e entulho de obras; os “canteiros” fronteiros dos edifícios da avenida dos Negréus, os mais chiques da cidade actual, continuam em mato e ervas, dando uma imagem desgraçada a uma das entradas da cidade). E é tudo assim, por todo o lado. Voltando às bicicletas, projecto sem qualquer carácter prioritário, é um recreio caro. Centenas de milhares de euros atirados ao vento sem dó nem piedade.

2. Privados, empresas, organizações empresariais e afins, são piores que Maomé a dizer mal do toucinho quando se põem a despejar ódio no “Estado”, o diabo em pessoa. Colectiva, no caso. O “Estado” rouba tudo, chupa tudo. Até paga rendimentos mínimos para os lordes irem à pastelaria do bairro refastelar-se com um galão e uma torrada, olha o descaramento. Quando a coisa dá para o torto, são os primeiros a saber como se pratica, legal e politicamente, a extorsão de dinheiro ao “Estado”. Na verdade, o “Estado” é bom para reparar roubos de bancos e de banqueiros, é bom quando são eles a chupar a teta dos milhões, mas já é mau para dar “subsídios”, como eles dizem, aos pobres, aos ciganos e às vítimas em geral desta economia que mata, como disse o Papa Francisco. É passar mais um tempo até se esgotar o banquete da gestão e distribuição de fundos europeus e vamos ver as “associações empresariais” do país, na sua generalidade, na situação em que se encontra a Nersant. Associações empresariais, note-se, que não conseguem prover a sua subsistência, o que é bizarro e difícil de entender. Conta-se aqui, hoje, como a Nersant, a braços com a sua sobrevivência, quer impingir um pavilhão como forma de encaixar uns milhões na sua tesouraria. Estende a mão a quem? Ao “Estado”, por interposta Câmara local, que se prepara para fazer ela própria um empréstimo para comprar o pavilhão, que por sua vez poderá ser dado em penhora pela Nersant para fazer também um empréstimo para ela própria, até à venda do dito. O poder local, este, embarca nestas novelas de péssima qualidade, endivida-se. E como se não bastasse este triste episódio, a autarquia pretende, diz-se pelos corredores do antigo hospital, fazer um outro empréstimo de milhão para comprar um terreno que outros empresários lhe querem impingir. A coisa promete.

3. As grandes superfícies comerciais por aqui gozaram de largas benesses, facilidades, até isenções de dezenas de milhares de euros. Se houvesse um módico de vergonha, o mínimo que se podia fazer era isentar, já, os vendedores do mercado municipal das taxas que autarquia miseravelmente persiste em querer cobrar-lhes. Não se equilibravam as coisas, mas ao menos era um sinal. Não. Ao contrário de outros burgos, onde ao menos se compreende a importância económica, histórica, afectiva e funcional dos mercados municipais (onde aliás se compra com mais qualidade que nas grandes superfícies), aqui grita-se para que acudam ao mercado municipal e façam alguma coisa por dar um ar lavado, moderno e decente ao equipamento e, já agora, atribuam aos vendedores benefícios e isenções compatíveis com o que foi feito para as grandes cadeias de distribuição, sugadoras dos milhões aqui gerados. Quem de direito, faz orelhas moucas. Deixar cair o mercado é matar o que resta da cidade.

4. A Renova construiu um caminho interior, privado (obviamente), com passadiço final a romper do velho edifício fabril junto à nascente do rio Almonda, para que se possa, entrando na fábrica, espreitar a represa e a nascente. Ao mesmo tempo que mantém, alegando razões de segurança, uma rede a tapar as vistas da represa e da nascente (ridículo, como se agora rios, barragens, passeios marítimos e margens de rios fossem vedados a redes por motivos de segurança). Num local, registe-se, de acesso público não há dezenas de anos, mas há séculos. A CDU diz que é arrogância e prepotência, mas na verdade é preciso uma lata descomunal para a empresa vir convidar os eleitos da assembleia municipal a visitarem a nova maravilha, depois das pressões, por carta, sobre os mesmos, nas vésperas de estes virem a aprovar, em Julho de 2022, uma recomendação para que a rede que tapa a represa fosse retirada. Ao invés, a empresa apresentou já em 2023 queixa-crime por “invasão de propriedade” contra algumas das pessoas que passaram o último dia da espiga junto à nascente. A Câmara limitou-se, até agora, a cumprir duas medidas da recomendação de 2022: o arranjo da estrada pública do Moinho da Fonte, via principal da povoação antiga e que se dirige à nascente, e a colocação de sinalética a indicar a nascente do Rio Almonda, que escandalosamente não existia nas imediações do local. Falta o resto. Até repor a placa da “Rota do Almonda” que esteve implantada junto à nascente, onde nasce o rio efectivamente, e que milagrosamente desapareceu. Mas como a Renova é amiga da sétima arte, a julgar pela quantidade de câmaras instaladas em redor, talvez consiga ajudar a descobrir quem retirou aquela placa do sítio onde estava.

5. Houve quem se tivesse rido alarvemente quando há uns anitos alguém por aqui disse que o futuro dos transportes públicos era a gratuitidade. Depois do “transporte a pedido” e outros jogos florais aqui e ali, decidiu-se pela gratuitidade dos TUT, transportes urbanos torrejanos. Há cinco anos, o poder instalado tinha recusado aprovar sequer uma recomendação no sentido de se estudar a gratuitidade dos TUT. Como a recomendação era de outro partido, adeus ó vindima. Afinal, e como diria o conhecido filósofo Pimenta Machado, o que hoje é verdade amanhã é mentira. E vice-versa, obviamente.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


As eleições e o triunfo do pensamento mágico - jorge carreira maia »  2024-04-10  »  Jorge Carreira Maia

Existe, em Portugal, uma franja pequena do eleitorado que quer, deliberadamente, destruir a democracia, não suporta os regimes liberais, sonha com o retorno ao autoritarismo. Ao votar Chega, fá-lo racionalmente. Contudo, a explosão do eleitorado do partido de André Ventura não se explica por esse tipo de eleitores.
(ler mais...)


Eleições "livres"... »  2024-03-18  »  Hélder Dias

Este é o meu único mundo! - antónio mário santos »  2024-03-08  »  António Mário Santos

Comentava João Carlos Lopes , no último Jornal Torrejano, de 16 de Fevereiro, sob o título Este Mundo e o Outro, partindo, quer do pessimismo nostálgico do Jorge Carreira Maia (Este não é o meu mundo), quer da importância da memória, em Maria Augusta Torcato, para resistir «à névoa que provoca o esquecimento e cegueira», quer «na militância política e cívica sempre empenhada», da minha autoria, num país do salve-se quem puder e do deixa andar, sempre à espera dum messias que resolva, por qualquer gesto milagreiro, a sua raiva abafada de nunca ser outra coisa que a imagem crónica de pobreza.
(ler mais...)


Plantação intensiva: do corte à escovinha e tudo em fila aos horizontes metalificados - maria augusta torcato »  2024-03-08  »  Maria Augusta Torcato

Não sei se por causa das minhas origens ou simplesmente da minha natureza, há em mim algo, muito forte, que me liga a árvores, a plantas, a flores, a animais, a espaços verdes ou amarelos e amplos ou exíguos, a serras mais ou menos elevadas, de onde as neblinas se descolam e evolam pelos céus, a pedras, pequenas ou pedregulhos, espalhadas ou juntinhas e a regatos e fontes que jorram espontaneamente.
(ler mais...)


A crise das democracias liberais - jorge carreira maia »  2024-03-08  »  Jorge Carreira Maia

A crise das democracias liberais, que tanto e a tantos atormenta, pode residir num conflito entre a natureza humana e o regime democrático-liberal. Num livro de 2008, Democratic Authority – a philosophical framework, o filósofo David.
(ler mais...)


A carne e os ossos - pedro borges ferreira »  2024-03-08  »  Pedro Ferreira

Existe um paternalismo naqueles que desenvolvem uma compreensão do mundo extensiva que muitas vezes não lhes permite ver os outros, quiçá a si próprios, como realmente são. A opinião pública tem sido marcada por reflexões sobre a falta de memória histórica como justificação do novo mundo intolerante que está para vir, adivinho eu, devido à intenção de voto que se espera no CHEGA.
(ler mais...)


O Flautista de Hamelin... »  2024-02-28  »  Hélder Dias

Este mundo e o outro - joão carlos lopes »  2024-02-22 

Escreve Jorge Carreira Maia, nesta edição, ter a certeza de que este mundo já não é o seu e que o mundo a que chamou seu acabou. “Não sei bem qual foi a hora em que as coisas mudaram, em que a megera da História me deixou para trás”, vai ele dizendo na suas palavras sempre lúcidas e brilhantes, concluindo que “vivemos já num mundo tenebroso, onde os clowns ainda não estão no poder, mas este já espera por eles, para que a História satisfaça a sua insaciável sede de sangue e miséria”.
(ler mais...)


2032: a redenção do Planeta - jorge cordeiro simões »  2024-02-22  »  Jorge Cordeiro Simões

 

 


O dia 5 de Fevereiro de 2032, em que o Francisco Falcão fez 82 anos - aos quais nunca julgara ir chegar -, nasceu ainda mais frio do que os anteriores e este Inverno parecia ser nisso ainda pior que os que o antecederam, o que contribuiu para que cada vez com mais frequência ele se fosse deixando ficar na cama até mais tarde e neste dia festivo só de lá iria sair depois do meio-dia.
(ler mais...)


Avivar a memória - antónio gomes »  2024-02-22  »  António Gomes

Há dias atrás, no âmbito da pré-campanha eleitoral, visitei o lugar onde passei a maior parte da minha vida (47 anos), as oficinas da CP no Entroncamento.

Não que tivesse saudades, mas o espaço, o cheiro e acima de tudo a oportunidade de rever alguns companheiros que ainda por lá se encontram, que ainda lá continuam a vender a sua força de trabalho, foi uma boa recompensa.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2024-04-10  »  Jorge Carreira Maia As eleições e o triunfo do pensamento mágico - jorge carreira maia