• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 19 Abril 2024    •      Directora: Inês Vidal; Director-adjunto: João Carlos Lopes    •      Estatuto Editorial    •      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 26° / 11°
Céu limpo
Dom.
 26° / 12°
Períodos nublados com chuva fraca
Sáb.
 24° / 13°
Céu nublado com aguaceiros e trovoadas
Torres Novas
Hoje  26° / 13°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Os bombeiros e a cidade - João Carlos Lopes

Opinião  »  2024-02-07 

Declaração de interesses: sou sócio da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Torrejanos há mais de 20 anos, sócio de quotas pagas e dos que não desistem de vez em quando e voltam a entrar, ao sabor das circunstâncias. E isto, sobretudo, por respeito aos pioneiros dos tempos antigos e difíceis e à herança histórica que nos deixaram. Interessa-me, por isso, o presente e o futuro da Associação.

1. O momento actual é complicado e único, na gravidade de que se parece revestir. Recapitulemos o filme dos acontecimentos. Ao fim de um longo reinado de duas décadas à frente da direcção da instituição, Arnaldo Santos achou que era de tempo de dar o lugar a outros e chegou uma nova direcção, com Arnaldo Santos a ficar como presidente da Assembleia Geral. A direcção em funções entendeu que estava no seu direito não reconduzir o comandante José Sénica no cargo, uma vez que este acabava a sua comissão de serviço e se mostrava renitente em acatar as novas orientações que emanavam da direcção eleita. O comandante não gostou, houve bombeiros que não gostaram, Arnaldo Santos aparentemente também não gostou. A nova direcção manteve a decisão e quis conhecer com detalhe alguns aspectos da gestão das direcções anteriores, lideradas por Arnaldo Santos. Alegada má gestão, indícios de alegada fuga ao fisco vão ser esclarecidos pelas instâncias próprias. A pedido de um grupo de sócios, Arnaldo Santos convoca uma assembleia geral para destituir a direcção eleita, depois de recusar o pedido da direcção para convocar uma assembleia para rever aspectos dos estatutos que permitem, no entendimento da direcção, patrocinar “golpes de estado” na instituição forçados por uma dúzia de sócios, dizendo que essas disposições são ilegais. A direcção foi explicar-se às forças políticas locais depois de ter tentado fazê-lo aos sócios. O comandante nega as acusações de que é alvo. O quadro é complicado e grave, bastante grave, e caberá às entidades próprias, em sede própria, esclarecer tudo, ouvidos uns e outros. Nesta edição, os leitores podem conhecer com mais detalhe todos estes episódios.

O que é por demais evidente é que nada voltará a ser como antes, depois de concluído este processo. E também é claro que uma instituição que exerce um serviço público da importância do que está em causa, e é financiada pelo Estado e autarquia à razão de centenas de milhares de euros por ano, não pode estar sujeita à instabilidade gratuita e à imposição de interesses corporativos ou de grupos, nem pode viver sem um escrutínio apertado ao modo como gere fundos e recursos. Finalmente, não pode continuar a viver nesta ambiguidade de gerir um corpo de “bombeiros voluntários” quando essa realidade está ultrapassada, nem vai conseguir fazê-lo nos moldes actuais. Se o corpo de bombeiros é formado por profissionais e se o seu financiamento é público, então o estatuto dos bombeiros torrejanos tem de moldar-se à realidade e talvez tenha chegado ao fim o papel histórico da Associação Humanitária que um dia sonhou formar um corpo de bombeiros.

2. A importância do papel dos bombeiros, por mais evidente que seja, não pode sobrepor-se aos interesses da cidade, para mais quando se revelam inusitados, inexplicáveis e bizarros. No devido tempo e em sede própria, tive oportunidade de defender que o alargamento do actual quartel era um erro grave. Era falta de visão e era pensar pequeno, era prejudicar a cidade e também o futuro do serviço de bombeiros. E que deveria optar-se por avançar para um quartel novo, em zona nova da cidade, com novas funcionalidades e espaço livre para o que o futuro, que não conhecemos, viesse a impor. Esgotados todos os argumentos dos que se opuseram a essa ideia, restaram desculpas patéticos do tipo “os bombeiros não podem sair dali porque gostam de ver quem passa”.

Não foram precisos vinte anos (o argumento final foi este: “ao menos esta opção chega para os próximos vinte anos”) para se provar o erro da decisão então tomada. Os bombeiros querem uma oficina, mas querem-na ao pé da porta. E depois de, sem deliberação oficial da Câmara, se ter começado a arrasar parte do pomar de laranjeiras, zona verde definida para continuidade do jardim municipal e que a autarquia comprou porque era também era esse o motivo, eis que, na sombra, direcção dos bombeiros e presidente da Câmara, conspiram para viabilizar a implantação de uma oficina, pasme-se, uma oficina no centro da cidade, destruindo o pomar de laranjeiras destinado a zona de sombra e passeio público, e assim considerado pela própria Câmara no plano de requalificação daquela zona, já projectado e definido. Sim, é um escândalo, é um atentado contra a cidade, é uma aberração, é um anacronismo. E a direcção eleita dos bombeiros, que tão interessada está no esclarecimento de todas as situações, devia pensar também que os “interesses dos bombeiros” têm limites e não podem sobrepor-se ao interesse público mais geral, ao planeamento da cidade, ao bom senso.

 

 

 Outras notícias - Opinião


As eleições e o triunfo do pensamento mágico - jorge carreira maia »  2024-04-10  »  Jorge Carreira Maia

Existe, em Portugal, uma franja pequena do eleitorado que quer, deliberadamente, destruir a democracia, não suporta os regimes liberais, sonha com o retorno ao autoritarismo. Ao votar Chega, fá-lo racionalmente. Contudo, a explosão do eleitorado do partido de André Ventura não se explica por esse tipo de eleitores.
(ler mais...)


Eleições "livres"... »  2024-03-18  »  Hélder Dias

Este é o meu único mundo! - antónio mário santos »  2024-03-08  »  António Mário Santos

Comentava João Carlos Lopes , no último Jornal Torrejano, de 16 de Fevereiro, sob o título Este Mundo e o Outro, partindo, quer do pessimismo nostálgico do Jorge Carreira Maia (Este não é o meu mundo), quer da importância da memória, em Maria Augusta Torcato, para resistir «à névoa que provoca o esquecimento e cegueira», quer «na militância política e cívica sempre empenhada», da minha autoria, num país do salve-se quem puder e do deixa andar, sempre à espera dum messias que resolva, por qualquer gesto milagreiro, a sua raiva abafada de nunca ser outra coisa que a imagem crónica de pobreza.
(ler mais...)


Plantação intensiva: do corte à escovinha e tudo em fila aos horizontes metalificados - maria augusta torcato »  2024-03-08  »  Maria Augusta Torcato

Não sei se por causa das minhas origens ou simplesmente da minha natureza, há em mim algo, muito forte, que me liga a árvores, a plantas, a flores, a animais, a espaços verdes ou amarelos e amplos ou exíguos, a serras mais ou menos elevadas, de onde as neblinas se descolam e evolam pelos céus, a pedras, pequenas ou pedregulhos, espalhadas ou juntinhas e a regatos e fontes que jorram espontaneamente.
(ler mais...)


A crise das democracias liberais - jorge carreira maia »  2024-03-08  »  Jorge Carreira Maia

A crise das democracias liberais, que tanto e a tantos atormenta, pode residir num conflito entre a natureza humana e o regime democrático-liberal. Num livro de 2008, Democratic Authority – a philosophical framework, o filósofo David.
(ler mais...)


A carne e os ossos - pedro borges ferreira »  2024-03-08  »  Pedro Ferreira

Existe um paternalismo naqueles que desenvolvem uma compreensão do mundo extensiva que muitas vezes não lhes permite ver os outros, quiçá a si próprios, como realmente são. A opinião pública tem sido marcada por reflexões sobre a falta de memória histórica como justificação do novo mundo intolerante que está para vir, adivinho eu, devido à intenção de voto que se espera no CHEGA.
(ler mais...)


O Flautista de Hamelin... »  2024-02-28  »  Hélder Dias

Este mundo e o outro - joão carlos lopes »  2024-02-22 

Escreve Jorge Carreira Maia, nesta edição, ter a certeza de que este mundo já não é o seu e que o mundo a que chamou seu acabou. “Não sei bem qual foi a hora em que as coisas mudaram, em que a megera da História me deixou para trás”, vai ele dizendo na suas palavras sempre lúcidas e brilhantes, concluindo que “vivemos já num mundo tenebroso, onde os clowns ainda não estão no poder, mas este já espera por eles, para que a História satisfaça a sua insaciável sede de sangue e miséria”.
(ler mais...)


2032: a redenção do Planeta - jorge cordeiro simões »  2024-02-22  »  Jorge Cordeiro Simões

 

 


O dia 5 de Fevereiro de 2032, em que o Francisco Falcão fez 82 anos - aos quais nunca julgara ir chegar -, nasceu ainda mais frio do que os anteriores e este Inverno parecia ser nisso ainda pior que os que o antecederam, o que contribuiu para que cada vez com mais frequência ele se fosse deixando ficar na cama até mais tarde e neste dia festivo só de lá iria sair depois do meio-dia.
(ler mais...)


Avivar a memória - antónio gomes »  2024-02-22  »  António Gomes

Há dias atrás, no âmbito da pré-campanha eleitoral, visitei o lugar onde passei a maior parte da minha vida (47 anos), as oficinas da CP no Entroncamento.

Não que tivesse saudades, mas o espaço, o cheiro e acima de tudo a oportunidade de rever alguns companheiros que ainda por lá se encontram, que ainda lá continuam a vender a sua força de trabalho, foi uma boa recompensa.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2024-04-10  »  Jorge Carreira Maia As eleições e o triunfo do pensamento mágico - jorge carreira maia