• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sábado, 23 Fevereiro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Ter.
 22° / 6°
Céu limpo
Seg.
 22° / 6°
Céu limpo
Dom.
 22° / 7°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  21° / 7°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Torres Novas: autarquia conta com envolvimento de privados para dar a volta ao centro histórico

Sociedade  »  2015-01-22 

O auditório da biblioteca foi o local escolhido para a apresentação pública do UrbNovas, um projecto de reabilitação de Torres Novas que surge na sequência da delimitação da primeira ARU – Área de Reabilitação Urbana. A autarquia pretende envolver privados, que são donos de 95 por cento do edificado nesse perímetro e, para isso, regulamentou uma série de benefícios fiscais.

Decorreu no sábado, dia 17 de Janeiro, a sessão pública de apresentação do UrbNovas, o nome dado pela autarquia ao projecto de reabilitação do centro histórico da cidade em que o papel do município passa, em certa medida, pela criação de condições de incentivo à reabilitação, revitalização e regeneração daquela área urbana, muito afectada pela degradação do parque habitacional.

Com este programa, a câmara quer evitar ‘pseudo’ reabilitações, ou seja, intervenções que se fiquem apenas pelas fachadas dos imóveis e deseja que as intervenções a fazer não descaracterizem os edifícios.

Com a delimitação da ARU, os particulares e entidades públicas têm acesso a ferramentas e instrumentos no âmbito do Regime Jurídico da Reabilitação Urbana e, é esse o principal trunfo da autarquia na tarefa de mobilizar os proprietários para esta causa.

Os benefícios fiscais surgem à cabeça do conjunto do normativo de incentivos, nomeadamente a isenção de IMI durante cinco anos, redução do IVA de 23 para 6 por cento nas empreitadas, deduções à colecta no IRS, acesso facilitado a programas de financiamento e isenção em todas as taxas previstas no regulamento municipal. Estes são alguns dos incentivos previstos para obras de reabilitação na ARU de Torres Novas, que tem um prazo temporal limitado de 15 anos.

Entretanto, dentro de algumas semanas, a câmara municipal vai instalar no centro das cidade (no edifício do Paço) o GURU - Gabinete Técnico para a Reabilitação Urbana -, um gabinete especializado criado para sensibilizar e esclarecer a população, bem como para apoiar tecnicamente os projectos que venham a ser apresentados.

 

Centro histórico perdeu 127 famílias em 20 anos

Não obstante de se terem realizado importantes e significativas intervenções e melhorias no espaço público do centro histórico de Torres Novas (remodelação da praça 5 de Outubro, intervenção no castelo e na envolvente, nas igrejas da Misericórdia, Santiago e de São Pedro, jardim das rosas, entre outros), o estado de degradação do CH, em geral, piorou. sobretudo o estado de conservação dos prédios particulares que correspondem a 95 por cento do edificado no CH.

”O nosso centro histórico está longe de o considerarmos razoável”, disse mesmo o presidente da câmara municipal de Torres Novas na sessão de apresentação do UrbNovas, afirmando ainda ”a tristeza e preocupação” que sente ao assistir à degradação contínua de inúmeros imóveis, muitos dos quais em estado de ruína. ”Um cenário que desincentiva a procura de habitação no centro da cidade e prejudica inevitavelmente as pequenas ou grandes empresas que continuam felizmente a apostar nesta localização”, asseverou Pedro Ferreira, que disse que 30 por cento dos 760 prédios existentes no CH está em ruínas ou em mau estado de conservação.

”Recuando a 1991, não existiam alojamentos vagos e registavam-se 519 famílias residentes (no CH). Os dados dos censos de 2011 apontam para 302 alojamentos vagos no centro histórico e apenas 391 famílias residentes”, ou seja, existem menos 127 famílias do que há 20 anos.

O autarca torrejano sublinhou que os proprietários dos imóveis em ruínas têm sido alertados pelo município mas, por questões financeiras e de desentendimentos entre herdeiros, que originam em muitos casos processos judiciais, tem obrigado o município a intervir pontualmente ,”mas a execução das obras necessárias é penosa financeiramente para o município e são tantos os casos que seria financeiramente impossível responder atempadamente a todos eles. Estamos assim perante um enorme e complexo desafio, mas que o município está disposto a assumir”, vaticinou. Pedro Ferreira garantiu ainda que para os proprietários que não aderiram a este desafio e que ponham em causa o sucesso deste projecto de grande interesse público, serão utilizadas, ”caso a caso” as medidas coercivas em termos de política urbanística, medidas estas que foram reforçadas com a constituição da ARU.

 

Como se processa?

Os projectos de reabilitação na ARU de Torres Novas começam por um vistoria ao imóvel a intervir, por uma comissão que atribui uma classificação em função do estado de conservação. A classificação de 1 a 5 (péssimo, mau, médio, bom e excelente) é fixada e um dos pressupostos deste programa é que, depois da intervenção, a avaliação do imóvel pela mesma comissão suba pelo menos dois patamares. Por exemplo, para um imóvel com uma avaliação inicial ”mau”, a classificação final (posterior à obra) tem de ser, no mínimo, ”bom”.

 

Materiais

O projecto UrbNovas contempla a criação de um armazém de materiais relevantes que possam ser recuperados antes da obra, conservados, e novamente aplicados no decorrer dos trabalhos, como azulejos, gradeamentos, portas, caixilhos, ou outros.

 

Automóveis no centro histórico

O estacionamento automóvel é também um dos aspectos considerados centrais e ao qual a equipa UrbNovas, coordenada pela arquitecta Leonor Calisto, dedicará especial atenção. A autarquia tem um estudo na sua posse, mas que está a ser actualizado tendo em conta algumas mudanças que entretanto surgiram. A actualização do referido estudo vai custar aos cofres da autarquia 4 mil euros, disse o presidente da câmara municipal, que considerou um investimento necessário.

 

 

 Outras notícias - Sociedade


A Tasca: nova vida com Paulo Emílio »  2019-02-21 

Durante uns anos restaurante de referência de Torres Novas em tempo do consulado do fundador, Vítor Alves, A Tasca passou depois por algumas experiências, umas melhores outras nem por isso, pois na realidade nenhuma delas teve a duração que permitisse consolidar uma proposta ou uma ideia para a casa situada na velha Rua da Corrente, bem pertinho da Ponte do Raro.
(ler mais...)


Aeródromo de Pias Longas: aterros invadiram reserva ecológica do concelho »  2019-02-21 

Poderá estar em marcha um enorme atentado ecológico contra o território do concelho e uma acção que põe em causa o Estado de direito. O avanço dos aterros, segundo os limites administrativos entre Torres Novas e Ourém (a autarquia ouriense serve-se, ao que parece, de outra linha divisória) entrou cerca de 200m no concelho de Torres Novas, perfazendo uma área de implantação de cerca de 20 000 metros quadrados.
(ler mais...)


Festival do Cogumelo da Parreira: Chakall, Marco Costa e Rouxinol Faduncho »  2019-02-12 

De 1 a 3 de março, o cogumelo é de novo a estrela à mesa da III edição do Festival do Cogumelo que junta gastronomia, animação musical, bares, artesanato, cozinha ao vivo e, claro, exposição de produtores e agentes económicos do setor,  um evento de dinamização e promoção territorial, organizado em parceria pelo Município da Chamusca e pela União de Freguesias de Parreira e Chouto.
(ler mais...)


João Espanhol: morreu um homem grande, Torres Novas fica mais pobre »  2019-02-09 

Hoje, dia 9 de Fevereiro, sábado, durante a tarde, calou-se a voz de João José Lopes (“João Espanhol”), um torrejano de vulto, cidadão excepcional, militante apaixonado, artista reconhecido no seu tempo, a voz que na década de 50 encantou públicos exigentes e que, por mais quase 50 anos, animou milhares de bailes e festas.
(ler mais...)


Carreiro da Areia: começou o abandono da aldeia, poluição continua como sempre »  2019-02-07 

Um grupo de moradores do Carreiro da Areia esteve presente na reunião camarária de terça-feira, em protesto contra a poluição e os efeitos que se fazem sentir na aldeia. Já há quem tenha abandonado a povoação, mas nem as casas se conseguem vender.
(ler mais...)


Rodoviária em greve »  2019-02-04 

Decorre hoje, dia 4 de Fevereiro, e amanhã, dia 5 de Fevereiro, as greves convocadas pelo STRUP para as Rodoviárias do Tejo, do Lis e Oeste.
“Apesar das mentiras e manobras dissuasoras que as administrações foram divulgando na semana que antecedeu à greve, mais uma vez o balanço da greve é bastante positivo neste primeiro dia de luta, tendo a adesão sido  esmagadora entre os motoristas com vínculos de trabalho não precários, aos quais se juntaram alguns trabalhadores com vínculos precários tradicionalmente usados pelas administrações das empresas para justificar falsos números de adesão à greve”, diz comunicado da estrutura sindical chegado às redacções.
(ler mais...)


Ribatejo foi outra vez fintado »  2019-01-30 

A auto-estrada A13, que visa ligar a Marateca a Coimbra e também unir o Ribatejo pelo seu interior, está há anos parada às portas de Almeirim enquanto não há a nova ponte junto à Chamusca para ligar a via ao nó da Atalaia.
(ler mais...)


Liliana Domingos, presidente do Teatro Meia Via: “Ninguém é feliz se deixar de lado uma coisa de que gosta muito” »  2019-01-28 

 

 Liliana Domingos tem 39 anos, é natural da Meia Via e trabalha há 19 anos como operadora especializada, no “Recheio”. Aos 14, deu os primeiros passos numa das suas muitas paixões, a rádio, e três anos depois pisou um palco pela primeira vez, integrando o elenco de “O Despertar da Primavera”, uma peça de Frank Wedekind levada a cena pelo Teatro Meia Via.
(ler mais...)


Joana Pintassilgo, técnica de informática: “Já não se nota tanto o desconforto dos homens na relação profissional” »  2019-01-21 

 

Joana da Silva Pintassilgo tem 41 anos e é natural de Torres Novas. Formou-se como técnica profissional especializada em tecnologias de informação e comunicação. Isto, há vinte anos, numa altura em que não era usual encontrar muitas mulheres na informática.
(ler mais...)


Torres Novas: regressão demográfica ameaça coesão do concelho como a conhecemos »  2019-01-17 

Até aqui pensava-se que Torres Novas iria resistir à regressão demográfica, já clara há uns anos, de concelhos como Tomar e Abrantes, com grandes zonas “rurais”, para não falar de outros cujo cenário é catastrófico.
(ler mais...)


 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2019-02-09  João Espanhol: morreu um homem grande, Torres Novas fica mais pobre
»  2019-02-21  A Tasca: nova vida com Paulo Emílio
»  2019-01-28  Liliana Domingos, presidente do Teatro Meia Via: “Ninguém é feliz se deixar de lado uma coisa de que gosta muito”
»  2019-01-30  Ribatejo foi outra vez fintado
»  2019-02-07  Carreiro da Areia: começou o abandono da aldeia, poluição continua como sempre