• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 15 Julho 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 41° / 24°
Céu limpo
Sex.
 42° / 25°
Céu limpo
Qui.
 41° / 25°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  39° / 19°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Maioria PS decidiu apoiar “O Almonda” e recusou igual tratamento para os outros dois jornais do concelho

Sociedade  »  2020-05-08 

Um dos pontos mais quentes da ordem de trabalhos da reunião do executivo municipal do dia 28 de Abril prendia-se com a intenção do Partido Socialista apoiar ao jornal O Almonda, cedendo instalações municipais no edifício do mercado à associação que, alegadamente, irá explorar aquele semanário.

O vereador João Quaresma, do PSD, manifestou-se contra, alegando que o apoio às associações deve ser decidido no âmbito dos regulamentos e não de forma casuística, ainda para mais, no caso, de uma associação que pretende explorar um jornal (ver peça ao lado com posição do PSD).

Por seu turno, a vereadora do Bloco de Esquerda, Helena Pinto, também manifestou a sua oposição, considerando que qualquer apoio ao jornal O Almonda só poderia existir se a câmara assumisse que o faria depois de estabelecer um quadro de apoios ou incentivos aos jornais do concelho na sua globalidade, O Almonda, O Riachense e Jornal Torrejano (ver peça ao lado com posição do BE).

O PS, sem mais, levava no bolso o apoio ao jornal O Almonda e daí não se moveu. A proposta do Bloco, posta à votação, foi vencida por 3 votos contra do PS (ver abaixo).
Recorde-se que todo este processo tem um histórico que se situa no Outono de 2019, quando o director do jornal O Almonda reuniu com trabalhadores e colaboradores do jornal para informar a decisão da Diocese de Santarém de encerrar o jornal, devido aos elevados prejuízos anuais do semanário. A igreja limitou-se a dizer “se quiseram que o jornal continue, façam por isso”, atirando para a comunidade torrejana o ónus da decisão que a própria igreja tomara.

Muito rapidamente, os jornalistas de O Almonda e outros saíram e os responsáveis da igreja e políticos locais desdobraram-se em contactos na tentativa de alguém manifestar interesse em ficar com o título, nomeadamente alguns órgãos de comunicação da região, mas não conseguiram suscitar qualquer interesse na tutela do jornal.
Toda a situação foi acompanhada de perto e directamente pelo presidente da câmara, e foi desses contactos estreitos que foi tirado o coelho da cartola.

A solução, um tanto inusitada, passou pela constituição de uma associação formada por instituições de acção social do concelho, entre elas a Misericórdia, a Fundação Renato Gameiro, o Centro de Bem Estar da Zona Alta e as Paróquias de Torres Novas. Depois da recusa do CRIT em integrar esta entidade, foi constituída a Associação Jornal O Almonda, a quem alegadamente o jornal será entregue para exploração, uma vez que a ficha técnica ainda o dá como pertencente à Igreja.

A partir daqui pouco mais se sabe, a não ser que as 3 entidades que formam a associação em conjunto com as Paróquias exigiram num primeiro momento que o actual director de O Almonda, padre Ricardo Madeira, continuasse como director.

Na reunião de 38 de Abril, a maioria socialista impôs a sua intenção e proposta de ceder instalações ao jornal O Almonda, no edifício do mercado, pela renda simbólica de algumas dezenas de euros e recusou a proposta posta à votação, do Bloco de Esquerda, que se transcreve:

“Torres Novas é o único concelho do distrito de Santarém e um dos raros no país que possui três jornais locais, um registo actual da sua rica herança histórica de jornalismo local, que viu publicar mais de duas dezenas de jornais e em que apenas no período entre os meados do anos 30 do século XX e 1975 existiu somente um jornal, por razões sobejamente conhecidas;
A Câmara Municipal de Torres Novas reconhece, na existência dos três jornais locais (O Almonda, O Riachense, Jornal Torrejano), a pluralidade e diversidade de expressões cívicas, culturais e políticas que eles traduzem, e considera-as uma mais-valia para o concelho.
O apoio agora decidido, de cedência de instalações municipais ao jornal O Almonda (antigo espaço Internet do edifício do mercado municipal) é também extensivo, em natureza e dimensão, às outras entidades similares em presença, sendo eventualmente requeridos, e outras eventuais formas de apoio ou incentivo à imprensa local, se forem possíveis, basear-se-ão nos princípios da equidade e da igualdade de tratamento.
Nesta perspectiva, a Câmara Municipal compromete-se a elaborar, definir e apresentar para deliberação, até final do mês de Junho, um programa de apoio ou de incentivos à comunicação social do concelho, tornando assim clara e transparente a relação do poder autárquico com tão relevante sector da vida da comunidade concelhia”.

Nenhum deste argumentos, a somar aos do vereador do PSD, João Quaresma, foi suficiente para que a maioria socialista repensasse a sua posição e tornasse possível uma solução mais consentânea com a igualdade de tratamento e a equidade face à imprensa local torrejana.

Com a sua decisão, o PS que gere a câmara de Torres Novas declarou-se apoiante de um dos jornais do concelho e recusou, sem papas na língua, qualquer situação que pusesse em igualdade de tratamento todos os jornais do concelho.

[N.R] entretanto, acaba de sair a mais recente edição de “O Almonda”, em cujo editorial se informa da passagem do jornal para a tutela da associação referida no texto.

Posição do PSD, pelo vereador João Quaresma

O jornal O Almonda, não obstante desempenhar um importante papel no sistema mediático concelhio e até mesmo regional, deve sofrer dos problemas relacionados com o escasso investimento publicitário que é sentido em termos globais por todos os meios de comunicação social nacionais. Não colocamos em causa a nobreza das intenções da associação, nem o valor histórico e cultural que o jornal O Almonda tem no panorama do concelho de Torres Novas, é de questionar é o método e a forma como o assunto é e foi tratado. Informação deficitária, opacidade de procedimentos e um apoio que a ser justo, por razões de equidade, teria de ser extensível, no mínimo, aos dois outros jornais do concelho de Torres Novas, o Jornal Torrejano e O Riachense.

Trata-se de um apoio que vai ter um carácter regular a uma associação do concelho de Torres Novas. Ora, existe um regulamento municipal de apoio ao associativismo. Recordemos o que se diz no seu preâmbulo: “A atribuição de apoios municipais às colectividades deve obedecer a critérios claros e rigorosos, de modo a garantir o respeito pelos princípios de igualdade e transparência, num processo à partida complexo, que se quer justo, eliminando, na medida do possível, a subjectividade que lhe é inerente”.

E estes apoios têm regras. No caso concreto, estamos estar a falar de apoio na forma de “perdão” de parte de uma renda mensal pela disponibilização de um espaço do município, onde irá ficar a sede da associação e/ou o local de trabalho do jornal. É pouco, mas é dinheiro público. Outras associações existem no concelho a precisar de apoio e às quais é dito que há regras e procedimentos. A nossa abstenção deve-se ao facto de querermos garantir a nossa imparcialidade, isenção, coerência e objectividade política para o futuro. Se o Jornal Torrejano ou o jornal O Riachense vierem pedir apoio para suportar a renda de espaços, ou até mesmo espaços para laborar, fica a CM com ónus de os ajudar na mesma medida em que vai ajudar o jornal O Almonda. Se associações concelhias houver, que façam pedidos à Câmara, cuja avaliação mereça o reconhecido interesse que este pedido em discussão mereceu, fica a Câmara com ónus de tratar por igual o que é igual.

Posição do Bloco de Esquerda, pela vereadora Helena Pinto

Seria inacreditável, e aliás contra as suas próprias regras, que a câmara viesse a deliberar um apoio desta natureza de forma isolada e casuística, sabendo-se que os apoios às colectividades e associações estão sujeitos ao escrutínio prévio das suas condições de elegibilidade para as candidaturas aos apoios, suportadas por processos documentais e regulamentação específica.
Da Associação Jornal O Almonda – Comunicação e Solidariedade, sabemos que foi constituída com o contributo de algumas instituições de acção social da cidade, com vista a tutelar e publicar o jornal O Almonda. Dela se pode pode nos registos precários dos sites de empresas que se trata de uma entidade com a CAE 58130 - Edição de jornais, dedicada portanto à edição de jornais e criada em 11 de Fevereiro. Partamos do princípio, então, que o objecto da associação é a edição de jornais.

Ora, neste momento, o jornal O Almonda é propriedade da empresa Progresso e Vida, e tem como director o padre Ricardo Madeira, que também é presidente da direcção da nova associação. Donde, a associação que solicita instalações camarárias, não possui nenhum jornal, nomeadamente O Almonda, para editar e administrar.

Mas, partindo do princípio que, de futuro, a Associação terá em sua posse jurídica o jornal O Almonda, e que o seu objecto é, como se diz (embora por outras palavras), a produção e exploração comercial de um jornal, importa verificar se, à face da lei, o apoio da autarquia é possível, nomeadamente ao abrigo da legislação e do articulado, em concreto, que suporta o parece da directora do DAS.

Ora, uma associação constituída com o objectivo de produzir e explorar comercialmente um jornal, não é uma entidade de natureza cultural, nem social, nem educativa, nem recreativa, que são aquelas previstas na alínea u), do nº 1, do Artigo 33º, da Lei nº 75/2013, de 12 de Setembro (apoiar actividades de natureza social, cultural, educativa, desportiva, recreativa ou outra de interesse para o município). Não se enquadra, por conseguinte. A natureza outra, “outra de interesse para o município”, refere-se obviamente a entidades similares às citadas e não diversas na sua natureza ou objecto social.

Mas, admitindo, em tese, que o município consideraria de interesse público a existência de jornais locais, e que, de alguma forma, admitiria tomar decisões com vista ao apoio de jornais locais, seria preciso, à face do bom senso, da transparência e já agora, da legalidade, definir um quadro geral que definisse esses apoios, como aliás acontece com todos os outros apoios da autarquia, sujeitos a regulamentação própria.

Para mais, a deliberação que se propõe, de em termos muito práticos, apoiar uma associação criada há pouco mais de 2 meses, que pretende vir a explorar um jornal local, mas sem disso ter demonstrado qualquer experiência ainda, enquadra-se num cenário onde temos uma cooperativa de natureza cultural que há 40 anos produz e edita ininterruptamente um jornal local (O Riachense) e outra cooperativa, também do ramo cultural, que há 26 anos produz e edita ininterruptamente um jornal local (Jornal Torrejano), ambas, portanto, com provas dadas de experiência e capacidade.

Ora, perante isto, é óbvio e claro que qualquer apoio como o que se pretendia deliberar tem de ser enquadrado num normativo de critérios que garanta a transparência e a igualdade dos poderes públicos face às instituições em presença.

Não acompanhamos a deliberação em proposta se não ficar explícito, e concretamente explícito, que o apoio a conceder à nova associação “é também extensivo, em natureza e dimensão, às outras entidades similares em presença, e que outras eventuais formas de apoio ou incentivo à imprensa local, se forem possíveis, se basearão nos princípios da equidade e da igualdade de tratamento”.

A nossa posição, o nosso voto favorável, fica dependente da aceitação, por parte da Câmara Municipal, da seguinte proposta de deliberação (ver peça principal).

 

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Morreu António Freire, antigo autarca do PSD »  2020-07-15 

Morreu ontem, dia 14, em Torres Novas, António Freire, antigo autarca do PSD, que contava 84 anos de idade. Chegou a Torres Novas ainda jovem e começou a dedicar-se ao negócio da construção civil, que o ocupou durante algumas décadas.
(ler mais...)


Renova: aparelhos de Raio-X para o CHMT »  2020-07-14 

“Sempre soubemos que não podíamos vencer esta guerra dura de forma isolada. Por isso temos de contar com todos, autarquias, IPSS’s, sociedade civil e empresarial e percebemos que só em rede e com este trabalho de multidisciplinaridade podemos ir ultrapassando estes obstáculos.
(ler mais...)


“Mosteiro do Leitão” abre na Zibreira junto ao nó da A1 »  2020-07-11 

Um ano volvido desde a inauguração do novo edifício do “Mosteiro do Leitão” na Batalha, Zita Freire e Bruno Figueiredo “trazem o melhor leitão de Portugal agora a Torres Novas, cidade que até então não tinha essa tradição gastronómica”, anuncia a nota de imprensa.
(ler mais...)


Escola de Santa Maria: 122 mil de trabalhos a mais »  2020-07-10 

É um karma, uma tradição, uma fatalidade, um uso e costume, o que se quiser: não há obra desta câmara socialista que seja realizada pelo preço a que foi contratada nos respectivos concursos e adjudicada nos correspondentes montantes: agora, é a obra da escola primária de Santa Maria, em construção nas Chãs, junto ao Centro de Bem Estar Social da Zona Alta que, para já, vai ter 122 mil euros de trabalhos a mais, mais IVA.
(ler mais...)


Morreu João Roque Freire, antigo atleta do CDTN e autarca do PS »  2020-07-08 

Morreu hoje, quarta-feira, dia 8 de Julho, aos 88 anos, João Roque Freire, figura muito popular em Torres Novas e um homem que integrou uma geração de torrejanos que foi marcante na vida da comunidade entre os anos 50 e o final do século XX.
(ler mais...)


Obras põem a descoberto um rio Almonda cheio de lixo »  2020-07-05 

Sempre que se falava da falta de limpeza do rio Almonda, do leito e das margens, apontava-se para o chamado troço urbano para se dizer, em jeito de compensação, “ah, mas na cidade temos um rio limpo que até dá para tomar banho”.
(ler mais...)


António Rodrigues: “A gestão do município não é má, é péssima!” »  2020-07-03 

A pergunta que todos fazem ainda não tem resposta: António Rodrigues, ex-presidente da câmara de Torres Novas durante 20 anos (1993-2013), não confirmou que será candidato às próximas autárquicas, mas essa hipótese não fica excluída.
(ler mais...)


Riachos: obra sem licença avança a todo o vapor »  2020-07-02 

“Chegou ao conhecimento do BE que, na rua de São José, em Riachos, está a decorrer uma obra que aparentemente não tem licença de construção. Desloquei-me ao local e verifiquei que, por um lado, a obra está em adiantado estado de execução e por outro, que o aviso camarário está em estado avançado de degradação, impossibilitando o acesso às informações nele constantes, como se pode comprovar pelas fotografias.
(ler mais...)


Morreu Manuel Piranga Faria, um homem grande »  2020-06-28 

Morreu na madrugada de hoje, domingo, na sua casa de Lapas, Manuel Piranga Faria, uma das personalidades marcantes da comunidade torrejana das últimas décadas.

Nascido em Lapas em 29 de Julho de 1932, desde muito jovem enveredou pela participação cívica, integrando a acção social e cultural católica junto da juventude trabalhadora por via da militância na JOC e na LOC (Liga Operária Católica).
(ler mais...)


Fabrióleo: Tribunal Central Administrativo abre portas ao encerramento da empresa »  2020-06-25 

O Tribunal Central Administrativo do Sul, sediado em Évora, deu provimento, por sentença de 18 de Junho, ao recurso do IAPMEI sobre a providência cautelar apresentada pela Fabrióleo no Tribunal Administrativo de Leiria, o que, na prática, mantém a ordem de encerramento da empresa.
(ler mais...)

 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2020-07-02  Riachos: obra sem licença avança a todo o vapor
»  2020-06-23  Assembleia Municipal: Manuel Carvalho "passa-se" com Luís Silva
»  2020-06-28  Morreu Manuel Piranga Faria, um homem grande
»  2020-07-03  António Rodrigues: “A gestão do município não é má, é péssima!”
»  2020-06-25  Fabrióleo: Tribunal Central Administrativo abre portas ao encerramento da empresa