• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 04 Março 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 19° / 7°
Períodos nublados
Sáb.
 20° / 7°
Céu limpo
Sex.
 17° / 10°
Céu muito nublado com chuva moderada
Torres Novas
Hoje  17° / 9°
Céu nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Torres Novas e concelhos vizinhos em indicadores PORDATA: menos gente, mais velhos, menos empregos, menos estudantes

Sociedade  »  2020-04-20 

É um cenário pouco animador: Torres Novas e os concelhos vizinhos de Abrantes, Tomar, Alcanena, Golegã, Barquinha e Entroncamento, em indicadores comparados de 2010 e 2018, têm menos população, cada vez menos nascimentos e mais idosos, o número de empregos diminuiu em quase todos
os municípios, tal como o número de estudantes. O “interior” é já aqui e as políticas nacionais e autárquicas falham em toda a linha no planeamento e na coesão territorial. Também porque os jovens, os mais habilitados e instruídos, não querem ficar mesmo nas suas terras. Em definitivo.

Com base em indicadores oficiais, a PORDATA está a oferecer retratos dos municípios portugueses em 2018, com dados comparados aos de 2010, num vasto conjunto de indicadores demográficos (evolução da população, nascimentos e óbitos, saldos), sociais (casamentos, divórcios, etc), sócio-económicos (alojamentos, educação, escolas, hospitais, farmácias), do emprego e do apoio social, das receitas e despesas municipais, entre outros.

Numa abordagem dos dados estruturantes e que são indicadores de tempo longo, constata-se de imediato que Torres Novas e os concelhos vizinhos estão em acentuada sangria demográfica, com perdas assustadoras nos casos de Abrantes, Tomar ou mesmo Alcanena (quadro 1). Mesmo o Entroncamento, que teve crescimento entre 2018 e 2020, está em queda a curto prazo, se atendermos aos dados cruzados do saldo fisiológico negativo e do grande decréscimo de população escolar. Torres Novas tem uma queda de 4,7% da sua população, mas Tomar perde o dobro e Abrantes ainda mais, com a Barquinha a manter, mas por pouco tempo, já que tem um alto índice de envelhecimento.

E é aqui, no índice de envelhecimento, que se verifica claramente a nossa posição relativa: para uma média nacional de 157, só o Entroncamento se situa abaixo dessa média (quadro 2), com Tomar e Abrantes no topo das populações mais envelhecidas, Golegã e Barquinha com valores elevados. Torres Novas tem a segunda população menos envelhecida, atrás do Entroncamento, mas muito acima da média nacional, como todos os os outros concelhos à excepção deste.

Torres Novas tem também a segunda melhor taxa de natalidade, idêntica à do Entroncamento e tem o maior número bruto de nascimentos em 2018 (quadro 3). Estas tendências já eram sobejamente conhecidas há cerca de 20 anos, quando a maternidade do CHMT foi levada para Abrantes. Como se prova, o eixo Torres Novas/Entroncamento e concelhos vizinhos era o que apresentava maior dinâmica na já de si fraca natalidade. A maternidade está instalada no eixo mais deprimido quer na demografia em geral, quer na natalidade, com Abrantes a apresentar a natalidade mais baixa de todos os concelhos compreendidos nesta análise (6,3 nascimentos por mil habitantes).

A mortalidade apresenta dados curiosos, com a Golegã a liderar este indicador (quadro 4), seguida naturalmente por Tomar e Abrantes, com índices que traduzem as altas taxas de envelhecimento. Curiosamente, Alcanena apresenta a segunda mortalidade mais baixa, a seguir ao Entroncamento, e à frente de territórios aparentemente menos poluídos, como é o caso da airosa Barquinha, outrora procurada em tempo de epidemias por causa dos seus bons ares.

O saldo fisiológico (diferença entre nascimentos e óbitos) é revelador: todos os concelhos têm valores negativos, isto é, em todos morre mais gente do que a que nasce. Mas, passando dos indicadores brutos da primeira coluna (quadro 5) para índices relativos, vê-se as disparidades entre o Entroncamento, em que os que nascem ainda são cerca de 88 em 100 dos que morrem, e Abrantes, mais uma vez na cauda, com apenas 38 nascimentos por cada 100 pessoas que morrem. Com mais este indicador a somar aos outros, verifica-se que o concelho de Abrantes está numa situação verdadeiramente dramática a médio prazo e isso acentua-se no quadro seguinte.

Na verdade, abordando a população escolar do ensino não superior (quadro 6) e a sua evolução entre 2010 e 2018, constata-se que Abrantes perdeu mais de 30% da sua população escolar, uma cifra impressionante, com Alcanena e Tomar com valores igualmente altos. Mas todos os concelhos perderam população escolar e os dados do Entroncamento (idênticos aos de Torres Novas), marcam a evolução negativa da cidade ferroviária a curto ou médio prazo. Aqui ressalta o caso da Barquinha, com uma perda relativa pequena, mas trata-se de um universo muito pequeno face aos de outros concelhos. Importa dizer que, nestas perdas de alunos do ensino não superior, no caso de Tomar há a juntar a perda de 1000 estudantes do Politécnico no intervalo em causa, questionando a viabilidade daquela escola a médio prazo.

Passando para o emprego, e não incluindo os trabalhadores das autarquias, mais ou menos proporcionais de câmara para câmara, foquemo-nos nos no pessoal ao serviço das empresas para verificarmos que, à excepção da Golegã (em todo o caso um universo pequeno), em todos os concelhos diminuiu a população empregada neste intervalo 2010/2018. E o que é curioso é que o número de empregos diminuiu mais, genericamente, nos concelhos onde houve uma maior e mais precoce abertura à implantação das grandes superfícies de comércio a retalho, o que quer dizer que a criação de novos empregos foi claramente insuficiente para compensar aqueles que essas políticas destruíram, claramente num efeito de eucalipto. Tomar, Torres Novas, Abrantes e o Entroncamento têm os piores resultados (quadro 7), com o da cidade ferroviária a poder ser explicado através de uma análise mais fina que estes dados não permitem. Menos 20% de empregos em 8 anos, no Entroncamento, terão que ver com um fenómeno localizado, que parece transparecer depois no rendimento social de inserção.

Podemos ver, nesse quadro (quadro 8), que Abrantes lidera destacada, com 3% da população a receber em 2018 rendimento social de inserção, logo seguida pelo Entroncamento e Barquinha. Alcanena e Torres Novas são os dois concelhos com menos gente a receber o referido subsídio (0,7% e 1,2% da população, respectivamente).
Em resumo, pode dizer-se que os pequenos concelhos, apesar de um indicador ou outro resultado da sensibilidade estatística de universos pequenos, estão na rota dos maiores municípios em termos de regressão demográfica, de envelhecimento da população, de saldos fisiológicos negativos e da diminuição da população escolar. E, nestes, verifica-se que Torres Novas parece estar a resistir mais à queda (tem áreas “rurais” mais pequenas que Tomar e Abrantes), que será dramática exactamente nos casos de Abrantes e Tomar, a continuarem a verificar-se estas tendências.

Outra conclusão retira-se do caso do Entroncamento: não podendo comparar-se com os outros concelhos por ser uma unidade sociológica mais homogénia (só uma cidade, sem área “rural” e centenas de aldeias como Tomar ou Abrantes e mais de 100, caso de Torres Novas), está a caminho de enfileirar pelas mesmas tendências a curto e médio prazo, atendendo ao saldo fisiológico negativo e ao envelhecimento gradual da sua população.

As fontes oficiais utilizadas pela PORDATA, todas oficiais, foram: INE, ANSR, APA, BP, CGA, DGAL, DGEEC, DGEG, DGO, DGPJ, DGS, ERSAR, GEE, GEP, ICA, IGP, IISS, ISS, SEF, SGMAI e SIBS.  João Carlos Lopes

COMENTÁRIO/OPINIÃO logo abaixo neste site

 

 

 Outras notícias - Sociedade


Boletim diário covid-19, quarta-feira, 3 de Março: contágios voltam a subir (18), sem casos em Torres Novas »  2021-03-03 

 Os concelhos que integram o Agrupamento de Centros de Saúde Médio Tejo (ACES) totalizaram hoje, quarta-feira,  18  casos de contágio pela covid-19,  com o concelho de Torres Novas de novo sem registo de novos doentes nas últimas 24 horas .
(ler mais...)


Autárquicas: Tiago Ferreira é o primeiro candidato oficial à Câmara de Torres Novas »  2021-03-03 

O líder do PSD, Rui Rio, cumpriu o que tinha dito e apresentou, a seis meses das eleições autárquicas, quase oito dezenas de candidatos do PSD a outros tantos municípios, e entre eles está Tiago Ferreira, que vai ser cabeça de lista social-democrata em Torres Novas.
(ler mais...)


Boletim diário covid-19, terça-feira, 2 de Março: 4 novos contágios na sub-região, Torres Novas sem registos »  2021-03-02 

Os concelhos que integram o Agrupamento de Centros de Saúde Médio Tejo (ACES) totalizaram hoje, terça-feira,  apenas 4  casos de contágio pela covid-19,  com o concelho de Torres Novas sem registo de novos doentes nas últimas 24 horas .
(ler mais...)


Boletim diário covid-19, segunda-feira, 1 de Março: 1 caso em Torres Novas, seis na sub-região »  2021-03-01 

Os dados da situação pandémica na região continuam a acompanhar a grande descida que se faz sentir no país, mas num caso e noutro não se conhecem os números relacionados com testes, pelo que os novos contágios que vão surgindo são de doentes declarados e não reflectem totalmente a realidade.
(ler mais...)


Morreu Joaquim Santana, a alma dos “Camponeses de Riachos” »  2021-03-01 

Joaquim Santana nasceu em Riachos, em 1934, e dedicou quase toda a sua vida ao rancho folclórico “Os Camponeses”. Foi trabalhador do campo, depois funcionário autárquico na câmara de Torres Novas, onde chegou a responsável da área das águas e saneamento, mas toda a sua vida foi vivida em prol de uma paixão: “Os Camponeses”, que fundou de quem foi dirigente máximo durante décadas.
(ler mais...)


Cascatas da Beselga vedadas com cerca metálica »  2021-02-28 

Foi com um misto de estupefacção e alguma revolta que moradores de Beselga e Assentis se confrontaram, nos últimos dias, com trabalhos de vedação da propriedade perto das pitorescas cascatas da ribeira da Beselga, na estrada entre esta povoação e Fungalvaz.
(ler mais...)


Boletim diário covid-19, sábado, 27 de Fevereiro: 15 casos, Torres Novas sem registos »  2021-02-27 

Os concelhos que integram o Agrupamento de Centros de Saúde Médio Tejo (ACES) totalizaram hoje, sábado,  15  casos de contágio pela covid-19, com o concelho de Torres Novas sem registo de novos doentes nas últimas 24 horas.
(ler mais...)


Boletim diário covid-19, sexta, 26 de Fevereiro: 2 casos em Torres Novas »  2021-02-26 

Os concelhos que integram o Agrupamento de Centros de Saúde Médio Tejo (ACES) totalizaram hoje, sexta-feira,  10  casos de contágio pela covid-19 (ontem tinham sido 7), com o concelho de Torres Novas a registar mais 2 novos casos nas últimas 24 horas.
(ler mais...)


Boletim diário covid-19, quinta, 25 de Fevereiro: 7 novos doentes, Torres Novas sem casos »  2021-02-25 

Os concelhos que integram o Agrupamento de Centros de Saúde Médio Tejo (ACES) totalizaram hoje, quinta-feira,  apenas 7  casos de contágio pela covid-19 (ontem tinham sido 9), com o concelho de Torres Novas sem registo de novos casos nas últimas 24 horas.
(ler mais...)


Boletim diário covid-19, quarta, 24 de Fevereiro: apenas 9 casos, 4 deles em Torres Novas »  2021-02-24 

 Os concelhos que integram o Agrupamento de Centros de Saúde Médio Tejo (ACES) totalizaram hoje, quarta-feira,  9  casos de contágio pela covid-19, com o concelho de Torres Novas novamente em destaque com 4 desses 9 casos.
(ler mais...)


 Mais lidas - Sociedade (últimos 30 dias)
»  2021-02-10  COVID-19: Bloco diz que vereador Carlos Ramos não tem condições para continuar no cargo
»  2021-02-28  Cascatas da Beselga vedadas com cerca metálica
»  2021-02-18  João Farinha Cordeiro morreu ontem aos 73 anos
»  2021-02-16  Caso Carlos Ramos: socialistas dizem que “foram violados princípios”
»  2021-02-12  PSD pergunta porque razão Carlos Ramos escondeu assunto na reunião de câmara