• SOCIEDADE  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sexta, 24 de Fevereiro de 2017
Pesquisar...
Seg.
 19° / 7°
Céu nublado
Dom.
 19° / 4°
Períodos nublados
Sáb.
 22° / 5°
Claro
Torres Novas
Hoje  22° / 8°
Claro
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Joseph de Maistre

Opinião  »  2017-02-03  »  Jorge Carreira Maia

"A obra de Maistre encontra-se em fase de reavaliação crítica, pois algumas das suas posições são hoje partilhadas por um espectro político que não se concentra apenas na direita."

Agora que uma certa direita política está a chegar ao poder é altura de olhar para o seu longínquo fundamento. Joseph de Maistre (1753-1821) – juntamente com Louis de Bonnald, Edmund Burke e Giambattista Vico – está na sua origem. É o mais brilhante inimigo da Revolução Francesa, à qual dedica uma parte considerável da sua reflexão política e filosófica. Súbdito do rei da Sardenha, de Maistre, um saboiano, declarou-se, desde o início, um irredutível adversário tanto das práticas revolucionárias como da ideologia iluminista que lhes dava forma. Via na Revolução Francesa um grande acontecimento de ordem metafísica, uma espécie de punição divina à elite aristocrática francesa por ter alimentado ela própria aquilo – o Iluminismo – que a haveria de liquidar.

Entre as suas posições mais marcantes está a supremacia do corpo político – a sociedade e a autoridade – relativamente ao indivíduo. Politicamente, é antiliberal. A autoridade do Estado, fundada na violência, de que o carrasco é o símbolo e o executor, é central no seu pensamento. Defende o Antigo Regime, a monarquia absoluta, a Igreja Católica e o papado. Argumenta a favor da não separação entre a Igreja e o Estado e da teocracia. É um adversário do contratualismo – a ideia de que a comunidade política é o resultado de um contrato social – e elabora uma crítica feroz às constituições escritas provenientes da Revolução Francesa. A ordem política e as leis constitucionais não são o resultado da vontade dos homens, mas o fruto da acção da Providência na História.

O curioso é que este reaccionário empedernido, este defensor da Inquisição espanhola, era um homem pacífico, afável, cordato, com grande poder de sedução, tendo feito, enquanto embaixador do Rei da Sardenha na corte do Czar, uma série de conversões ao catolicismo, entre as damas da aristocracia russa. Escreve um francês de grande elaboração estética. É famosa, pela qualidade literária, a sua descrição da figura do carrasco em Les Soirées de Saint-Pétersbourg. Embora não tenha sido romancista nem poeta, Joseph de Maistre é um dos pais do romantismo francês. Isaiah Berlin viu-o como o predecessor do fascismo. Baudelaire considerava-o um mestre e Cioran é um seu leitor atento. A obra de Maistre encontra-se em fase de reavaliação crítica, pois algumas das suas posições são hoje partilhadas por um espectro político que não se concentra apenas na direita. Uma leitura indispensável, por muito que se discorde com o que é dito, tanto pelo prazer estético que proporciona como para compreender a origem e o fundamento do pensamento político da direita, dessa que está a chegar.

 

http://kyrieeleison-jcm.blogspot.pt/

 

 

 Outras notícias - Opinião


BENDITOS OS PEIXES DO AZUL ( há 30 anos o Zeca emalou a trouxa e zarpou) »  2017-02-23  »  João Carlos Lopes

Pelos 14 anos, quando me meti nas militâncias revolucionárias logo a seguir ao dia inicial, mais que as ideologias e as cartilhas, vejo eu agora, havia uma espécie de programa poético que em fundo embalava gestos e ousadias, esperanças e coragens: pelas praias do mar nos vamos à procura da manhã clara.
(ler mais...)


O PEDU segundo Mateus, o augusto »  2017-02-16  »  João Carlos Lopes

“Torres Novas.pt- ponte para todos” será, muito provavelmente, o último trabalho deste cariz, feito nesta autarquia, com vista à definição de uma estratégia global para o concelho na perspectiva de candidaturas comunitárias”: eram estas as palavras de António Rodrigues a abrir o prefácio do plano estratégico 2007/2015, elaborado pela empresa do ex-ministro socialista e consultor-mor Mateus, o augusto dos planos e eixos estratégicos (os mais grisalhos ainda se lembram do célebre “eixo estratégico Torres Novas/Entroncamento” sobre o qual o antigo vereador Carlos Tomé, o maior poeta que alguma vez passou por esta pobre autarquia, lavrou, lapidar: “No eixo é um descanso”.
(ler mais...)


Os benefícios terapêuticos da sauna »  2017-02-16  »  Juvenal Silva

A sauna é um benefício por muitos desconhecido e por outros negligenciado, sendo contudo, um dos melhores métodos para o aperfeiçoamento da forma física e da beleza, constituindo um tratamento de excelência na depuração orgânica e de extraordinária eficácia para o fortalecimento dos músculos, das articulações e,no aumento do rendimento da atividade, tanto física como intelectual.
(ler mais...)


Assim não! – caderno primeiro »  2017-02-16  »  Gabriel Feitor

Poderia abordar na crónica desta semana a questão dos refugiados acolhidos em Alcanena – assunto que, curiosamente, preencheu o espaço político da semana que passou – e a sua a sensacional recepção que envergonhou todos quantos primam pelo bom senso.
(ler mais...)


Pós-verdade e obras públicas »  2017-02-16  »  Jorge Salgado Simões

Para quem não deu por isso, António Costa veio cá no passado dia sete apresentar um programa nacional de valorização das áreas empresariais. São 180 milhões de euros para todo o país, dos quais cerca de 100 para acessibilidades a áreas empresariais já existentes, incluindo-se, neste caso, a ligação das zonas industriais do Entroncamento e Riachos à A23.
(ler mais...)


O castelo, o jardim e os outros »  2017-02-16  »  António Gomes

O bom senso aconselha a que se alargue o tempo de debate público e que se promova o mesmo, projeto a projeto.
Só assim podemos garantir as melhores soluções, as mais equilibradas e as mais consensuais. A aplicação dos dinheiros públicos em torno do PEDU vai muito para além dos mandatos autárquicos, é a cidade para as próximas gerações.
(ler mais...)


Autárquicas »  2017-02-16  »  Inês Vidal

Está dado o pontapé de saída para as eleições autárquicas, em Torres Novas. João Quaresma, líder da concelhia social-democrata, assume-se como candidato à Câmara Municipal, na frente de uma coligação com o CDS-PP, naquela que é uma tentativa de unir o eleitorado de direita.
(ler mais...)


Graças à geringonça »  2017-02-16  »  Jorge Carreira Maia

Os recentes elogios da Comissão Europeia ao desempenho de Portugal representam, por pouco que parte da esquerda goste ou não, uma vitória dessa mesma esquerda. De toda a esquerda portuguesa. Quando António Costa, perante os resultados eleitorais, decidiu formar governo com apoio parlamentar do BE, do PCP e do PEV toda a gente ainda está lembrada da tentativa de fronda lançada pela direita, fronda essa que estaria legitimada num conjunto de profecias que anunciavam que o novo governo não duraria seis meses, que o défice iria disparar e que o país estaria à beira do apocalipse.
(ler mais...)


Rei Trump I »  2017-02-02  »  Hélder Dias
 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2017-02-16  »  Inês Vidal Autárquicas
»  2017-02-16  »  João Carlos Lopes O PEDU segundo Mateus, o augusto
»  2017-02-16  »  Jorge Salgado Simões Pós-verdade e obras públicas