• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 26 Junho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 29° / 15°
Períodos nublados
Sex.
 29° / 14°
Céu limpo
Qui.
 27° / 13°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  26° / 15°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Mulher

Opinião  »  2019-02-21  »  Margarida Oliveira

"A mulher cidadã, que vota e é votada, tem pela frente um longo caminho para se impor em todas as dimensões da vida política, cultural e social."

Se é adquirido que com o 25 de Abril de 1974, as mulheres alcançaram o reconhecimento dos seus direitos mais fundamentais, exigindo a igualdade na vida, entre mulheres e homens, certo é, que fora o que seria obrigatório conceder, com o objectivo de serenar os ânimos reivindicativos femininos, praticamente tudo continua por fazer.
A mulher trabalhadora em funções semelhantes, ou de semelhante valor, a um par masculino, continua a ser retribuída em valor inferior, o que a obriga a trabalhar mais dias que um homem, para receber o mesmo.

É duramente pressionada a abdicar dos seus direitos legais de parentalidade, ou condicionada para os limitar ao mínimo possível, sob pena de ver ainda mais cavado o fosso de desigualdades que a persegue, traduzido em vínculos laborais precários, que lhe condicionam a progressão e valorização da carreira.
A mulher mãe é coagida a despir-se da sua condição, quer porque teve, tem ou terá filhos, ou simplesmente porque não os terá de todo.
Solitária força da natureza, cuidadora da família, perdida de si mesma.

Concretiza porque não tem outra saída. E se não, logo a sociedade trata de a colocar no devido lugar e algum rótulo lhe será cravado na pele, como uma letra escarlate.
A mulher sexual, vive ainda escondida, até de si mesma. Correndo grandes riscos, físicos e emocionais, quando se expõe, até perante quem lhe é mais próximo e tem maior responsabilidade em respeitar quem ela é.

Vítima de inomináveis violências, é um dos maiores alvos em tempos de guerra, traduzida em tortura e violação sexual de mulheres e meninas.
Já em tempos de paz, ainda tem que suportar o tráfico como se de gado se tratasse, ou a mutilação genital, como uma forma obscura de por fim à sua sexualidade.
O flagelo da prostituição, punitivo e castrador de liberdades, um perigo para a sua saúde física e mental, enfrenta ainda a complacência da sociedade, que ao invés de lutar para a erradicar, usa subterfúgios para a normalizar e enquadrar, como se trabalho fosse. Como se cada um de nós exibisse com orgulho uma filha prostituta. Como se fosse sequer aceitável exibir uma mulher.

A mulher cidadã, que vota e é votada, tem pela frente um longo caminho para se impor em todas as dimensões da vida política, cultural e social.
Tem que ser mais inteligente, mais imaculada nos valores e comportamentos, mais trabalhadora, moralmente superior e não pode ousar lutar por ser mulher.

Todas as fragilidades da sua condição social, levam a que seja a maior vítima de violência doméstica, com uma morte a cada duas semanas, às mãos de companheiros ou ex-companheiros, sem que daí surja uma inequívoca condenação social do silêncio que envolve esta realidade.
Para todas estas condicionantes não existe uma resposta imediata, o caminho é solitário e íngreme, a mulher tem que lutar mais, tem que trabalhar mais, tem que ser mais, tem que dar mais, para no fim, ser sempre menos.
A não ser que juntas, sejamos mais.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Autarquias, professores, padres casados e futebol »  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia

PODER AUTÁRQUICO. Depois da operação Teia, uma nova operação contra detentores – ou ex-detentores – do poder autárquico. Não faço ideia o que pensam presidentes de câmara e vereadores sobre a reputação das autarquias.
(ler mais...)


Democracia, por Inês Vidal »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)


Parabéns, abstenção! »  2019-06-06  »  Anabela Santos

Muito se tem falado, já tudo foi dito e é do conhecimento de todos que as eleições europeias realizadas no dia vinte e seis de Maio trouxeram uma vitória para a esquerda, excepto para o PCP, e uma acentuada derrota para a direita.
(ler mais...)


Encruzilhada »  2019-06-06  »  António Gomes

Já assim era, mas depois das últimas eleições europeias a interrogação subiu de tom: vai ou não haver geringonça após as próximas eleições legislativas? – as pessoas perguntam.
(ler mais...)


GREVE? »  2019-06-06  »  Denis Hickel

gre·ve
(francês grève)
substantivo feminino
Interrupção temporária, voluntária e colectiva de atividades ou funções, por parte de trabalhadores ou estudantes, como forma de protesto ou de reivindicação (ex.
(ler mais...)


Quando a pedra é o sapato »  2019-06-06  »  Ana Sentieiro

Ontem trajei pela primeira vez. A Noite de Serenatas enlatou a comunidade académica da Universidade do Minho no Largo da Sé. A escuridão dos trajes iluminava os corações dos presentes, aquecia os abraços e motivava as lágrimas ao som da melodia das guitarras portuguesas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia
»  2019-06-19  »  Hélder Dias Glifosato Man
»  2019-06-06  »  Ana Sentieiro Quando a pedra é o sapato
»  2019-06-06  »  António Gomes Encruzilhada
»  2019-06-06  »  Denis Hickel GREVE?