• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 25 Outubro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 19° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 19° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
Seg.
 17° / 9°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  19° / 12°
Céu nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O rio do fururo - josé mota pereira

Opinião  »  2020-09-01  »  José Mota Pereira

"Felizmente há outras forças alternativas com outro olhar sobre o futuro"

Nos diferentes modelos de desenvolvimento para o concelho, há que reconhecê-lo, os poderes municipais estão muitas vezes limitados nos seus poderes de decisão. Mas, as suas decisões – ou não decisões – e aquilo que consideram estratégico, tem reflexos e consequências para o futuro dos concelhos.

Em Torres Novas, é assumido pelo poder autárquico que o filão do desenvolvimento local passa pela aposta no emprego nas grandes superfícies comerciais. Ainda muito recentemente, já em tempos de pandemia, em entrevista a um jornal local, tal foi declarado ao mais alto nível. Mas também de alguma oposição (?), nomeadamente no seu espectro direito, lemos artigos na imprensa que defendem para o futuro de Torres Novas a continuação na aposta no “cluster” (um grande palavrão do “economês”) das bases logísticas. Uns e outros defendem mais do mesmo: precariedade laboral, baixos salários e incapacidade de atracção no regresso dos jovens que todos os anos saem de Torres Novas para estudar.

Felizmente há outras forças alternativas com outro olhar sobre o futuro. Sabe-se que está previsto para a zona da Várzea dos Mesiões, nos antigos terrenos do “Alves das Lãs”, a implementação de mais um hipermercado, e tal empreendimento tem tido o aplauso e o apoio legal e legítimo da maioria que governa o executivo municipal.

O Município parece querer, por este e outros sinais, abandonar e deixar cair o seu próprio projecto da mata municipal na Várzea. Confesso que daquilo que conheci desse projecto, algumas particularidades levantavam-me alguns sobressaltos. Como também sempre pensei que outras particularidades poderiam ser objecto de melhor análise. Mas sobretudo, sempre pensei, e continuo a pensar, que um projecto como o que foi aprovado, merecia e deveria ter tido uma discussão pública que nunca foi feita. Pelos vistos, nos tempos mais próximos nem discussão nem execução do projecto da mata. Assunto arrumado e arquivado?

Se assim é, uma extensa área natural de elevado potencial (onde persistem, ainda que abandonadas, muitas das antigas hortas da vila) fica vergada ao filão do desenvolvimento preconizado pelo executivo municipal. Venha de lá então mais um hipermercado onde se venderão provavelmente maçãs do Chile, uvas da África do Sul, peixes da aquacultutura da Grécia e borregos da Austrália. Talvez com sorte, até se vendam figos secos da Turquia.

É tempo de encontrar alternativas de desenvolvimento. Sendo certo, não podemos ser ingénuos, que continuaremos muito tempo dependentes da produção em massa, sobrexploração e distribuição global dos recursos que nos vão garantindo a satisfação das imensas quantidades que vamos necessitando para a nossa subsistência.





Mas, se podemos e devemos ir avançando num outro caminho, porque esperamos? Em Torres Novas também é possível fazê-lo.

Na várzea dos Mesiões, junto ao Almonda, pode correr o rio do futuro numa economia mais sustentável, mais ecológica e com aproveitamento dos recursos pelas próprias famílias torrejanas. Implementar numa das portas da cidade hortas urbanas de cariz comunitário em Torres Novas, poderia ser o início desse caminho. Tais espaços, a ser constituídos, seriam regulamentados e enquadrados pelo Município e trariam vantagens económicas para a auto subsistência das famílias envolvidas; valorização dos produtos locais e vantagens ecológicas decorrentes da produção de proximidade com eventual estímulo para o cultivo biológico. Acresceriam ainda vantagens pedagógicas com possível implementação de actividades escolares, de aprendizagem e outras actividades recreativas alargadas a toda a comunidade.

As hortas comunitárias na cidade, na várzea mas não só na várzea, permitiriam ainda o esbatimento do domínio progressivo (quase esmagamento!) da cidade sobre as aldeias, do urbano sobre o campo, criando uma continuidade territorial que poderia ajudar com outros projectos no repovoamento das nossas aldeias – repovoamento que se torna cada vez mais urgente e a que dedicaremos algumas linhas proximamente.

Não é utopia devolver terras às famílias. Não é utopia o Município projectar hortas urbanas de cariz comunitário, implementando na nossa terra uma perspectiva agro-ecológica de desenvolvimento. Ao fazê-lo, estará a investir na biodiversidade local (os tais “produtos da terra” de que até já existe feira) e a ajudar a superar o paradigma da agricultura industrializada, de que apesar tudo e realisticamente, teremos de continuar dependentes.

Em pleno século XXI, à entrada da sua terceira década, está na hora de começar a pensar mudar no rumo do nosso desenvolvimento. Nisso, o município não se pode eximir das suas responsabilidades. Seja pela sua acção ou pela sua inacção.

Nada do que aqui se propõe é grandioso, nem sequer muito inovador e tem sido implementado em muitas cidades do país. A Câmara Municipal tem seguramente quadros técnicos competentes para implementar um projecto desta dimensão. O que importa é que se ouse pensar para lá da velha lógica do betão, das rotundas e do tal filão do emprego dos hipermercados...e além de pensar, agir.

Já é tempo de assim ser.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Tudo pequenas coisas - antónio gomes »  2020-10-23  »  António Gomes

Em cima da antiga lixeira foram plantadas, em Dezembro passado, uma quantidade de árvores a que deram o nome de “Mata Municipal Cardillium. Esta iniciativa parecia ter futuro: uma boa ideia plantar árvores até porque meteu a participação de crianças de uma escola e boas fotos.
(ler mais...)


Sem política, armas e religião… - maria augusta torcato »  2020-10-23  »  Maria Augusta Torcato

“Eu só quero ir para um lugar sem política, armas e religião…”, dizia uma mãe ainda jovem, em lágrimas, quando um jornalista a interpelava nos momentos que se seguiram à tragédia no porto de Beirute, que é do conhecimento de todos nós, mas, quicá, por estar distante dos olhos talvez passe a estar igualmente distante do coração.
(ler mais...)


É um pássaro!? É um avião!? Não! É o supermercado! - carlos paiva »  2020-10-23  »  Carlos Paiva

Corria o distante ano de 1987 quando foi inaugurado o segundo hipermercado em território nacional, na Amadora. O primeiro foi em Matosinhos, em 1985, mas por causa da pronúncia do norte, foi mal interpretado e a malta não ligou.
(ler mais...)


Contentes e resilientes - jorge salgado simões »  2020-10-23  »  Jorge Salgado Simões

O Governo apresentou na semana passada, em Bruxelas, os planos de Portugal para os fundos da União Europeia no combate à crise provocada pela pandemia, a famosa bazuca de 13 mil milhões de euros a fundo perdido, transformada em Plano de Recuperação e Resiliência.
(ler mais...)


A decapitação - jorge carreira maia »  2020-10-23  »  Jorge Carreira Maia

O ataque terrorista perpetrado há dias em França por radicais islâmicos está sobrecarregado de simbolismo. Não se trata de um mero homicídio, como aqueles que resultam da deflagração de bombas, ataques com armas de fogo ou atropelamentos com viaturas.
(ler mais...)


Nos ecos da festa do Avante! - josé alves pereira »  2020-10-09  »  José Alves Pereira

Falemos da festa do Avante!, agora que a poeira assentou e o aranzel antidemocrático cessou, transferindo-se para outros acontecimentos. Não é tanto do evento em si mesmo, mas do contexto em que ele este ano se construiu e realizou.
(ler mais...)


O pau da República - josé mota pereira »  2020-10-09  »  José Mota Pereira

Na manhã outonal do 5 de Outubro de 2020, erguia-se majestoso no topo da praça o vigoroso mastro aguardando a bandeira republicana que deveria ter vindo. Vão longe os tempos da praça, que ainda antes ser deste dia de Outubro tinha o nome do último Bragança e recebia a visita do jovem rei dom Manuel, entre os aplausos da multidão que acenando ao ilustre lhe atirava "viva o rei dom manelinho que é tão bom e bonitinho" – pelo menos assim contou aos seus descendentes, mais palavra, menos palavra, uma antepassada minha que não conheci.
(ler mais...)


A bicicleta - rui anastácio »  2020-10-09  »  Rui Anastácio

No meu concelho há uma terra onde tenho alguns bons amigos. Essa terra chama-se Vila Moreira. Foi lá que encontrei o meu primeiro trabalho. Tinha então 15 anos e uma bicicleta amarela que me levava a quase todos os sítios onde queria ir.
(ler mais...)


Ler os nossos escritores - jorge carreira maia »  2020-10-09  »  Jorge Carreira Maia

É possível que a maioria esmagadora dos portugueses tenha ouvido o nome de Almeida Garrett, Alexandre Herculano, Camilo Castelo Branco, Júlio Dinis e Eça de Queiroz. São eles o fundamento a partir do qual se foi construindo a literatura de ficção nacional e que teve o seu grande momento de reconhecimento com a atribuição do Nobel a José Saramago.
(ler mais...)


Está tudo mal. Tudo. - carlos paiva »  2020-10-09  »  Carlos Paiva

Em amena cavaqueira entre amigos, a discutir o desempenho autárquico, ou a falta dele, surgiu a frase: “…criticar a Câmara Municipal é fácil…”. Concordei de imediato. Aliás, reforcei que é O MAIS fácil.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-09-28  »  Maria Augusta Torcato Ironia do destino ou lei do retorno? - maria augusta torcato
»  2020-10-09  »  Carlos Paiva Está tudo mal. Tudo. - carlos paiva
»  2020-10-09  »  António Gomes IMI 2021: pensam que enganam quem? - antónio gomes
»  2020-10-09  »  Jorge Carreira Maia Ler os nossos escritores - jorge carreira maia
»  2020-10-09  »  Rui Anastácio A bicicleta - rui anastácio