• SOCIEDADE  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 16 de Janeiro de 2017
Pesquisar...
Qui.
 13° / -3°
Claro
Qua.
 11° / -2°
Claro
Ter.
 19° / 2°
Claro
Torres Novas
Hoje  18° / 1°
Claro
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Será que não damos mais que isto?

Opinião  »  2017-01-05  »  João Carlos Lopes

"Não há um plano, um desenho, um esboço, que reconfigure o que foi traçado há 40 ou há 20 anos"

Nos idos da década de oitenta do século passado, muito do que se debateu sobre Torres Novas teve lugar na velha galeria Maria Lamas. Por ali passaram arquitectos, urbanistas e ambientalistas, gente como Gonçalo Ribeiro Teles ou Carlos Pimenta marcaram presença em activas discussões sobre o futuro de Torres Novas. Ontem, como hoje, se falava na necessidade de integrar a memória no que se planeia e na urgência de planear com coerência e abandonar os tempos da navegação à vista e da gestão reactiva do território.

Nessa altura, eram tempos românticos, autarcas como Casimiro Gomes Pereira e depois Arnaldo Santos participavam frequentemente nessas tertúlias da Associação do Património, sem medo de serem contaminados por “esquerdismos” ou outras alergias. Notava-se que gostavam de aprender, de enriquecer as suas perspectivas das coisas, tinham a intuição de que todos ganhamos quando todos sabemos mais e aprendemos uns com os outros, mesmo quando em campos de opinião opostos
Foi um privilégio termos tido agora, nesta acção da ADP,  o "encontro do solstício" do passado mês de  Dezembro, gente como Paulo Durão ou o reconhecido antropólogo da Universidade do Minho Luís Cunha, mas sobretudo Luís Vassalo Rosa, um homem com fortes ligações familiares a Torres Novas e que conhece, como ninguém, a história do planeamento urbanístico de Torres Novas nos últimos 50 anos, até pelo papel interveniente que desempenhou em algumas opções que se foram colocando enquanto, como arquitecto e urbanista, colaborou directamente com o município.
Ainda recentemente, noutras circunstâncias, deu mostras do carinho que continua a devotar esta terra, a respeito da coordenação entre a família e a autarquia, da grande exposição de pintura do seu familiar José Vassalo.
Voltando ao debate da ADP, ele foi fértil como não podia deixar de ser, com Vassalo Rosa a balizar os limites cidade e as suas quatro portas (uma bela metáfora sobre o que queremos fazer desta terra, mais do que tudo) ou Jorge Salgado Simões a desenhar, com o rigor sistemático do geógrafo, as três cidades que cabem num torrão com quase nove séculos: a cidade sem rumo, a cidade dos vazios e a cidade que falta fazer.
Não há um plano, um desenho, um esboço, que reconfigure o que foi traçado há 40 ou há 20 anos: faz-se aleatoriamente a ampliação de uma quartel de bombeiros encafuado entre prédios e um teatro, que já se admite que só dá para 20 anos; fala-se em piscinas e parques urbanos aqui, depois aquaparques ali, como quem fala de instalar quiosques, tudo avulso, por impulso. Há depois o deserto repartido pela cidade, vazios em processos de vegetalização que vão durar décadas: a imensa cratera da fiação de algodão, na Bica, a própria fábrica antiga, espaços como o da antiga Nery ou dos Claras e o próprio “centro histórico”, que não passa de uma construção mental dos torrejanos. Que fazer?
É preciso pensar nisto tudo e ousar admitir a complexidade como abordagem: o espaço, a demografia, o património, o rio, as vivências e as sociabilidades, a economia local, os equipamentos e as estruturas, a real e não a imaginada capacidade e potencial das instituições locais como agentes do “desenvolvimento” e da coesão da cidade, estratégias de requalificação da cidade em construção (Silvã, Chãs, Arrábida) e não apenas da sua zona fóssil, o chamado centro histórico, como lidar com facto de, dentro de 15 ou 20 anos, muitas das nossas aldeias estarem praticamente desabitadas, se temos ou não massa crítica e ainda alguma capacidade de a fixar, enfim: um caminho. Um carreiro que nos conduza os passos.
Entre as exigências da construção de um pensamento para a cidade e o concelho e a governação assente no “selfie” em tudo quanto é festarola e patuscada, ou a mimetização, à escala paroquial, dessa grande feira da ladra tecnológica chamada web summit, tida como salvação da economia e de um futuro concreto para a vida das pessoas e de uma cidade, vai uma grande distância. É um facto. Mas até isso seria bom discutir: será que, assunto arrumado, não damos mais que isto?

 

 

 Outras notícias - Opinião


KIM BOOOMM IL »  2017-01-09  »  Hélder Dias

Mário Soares »  2017-01-08  »  Jorge Carreira Maia

Em 1974 e 1975, eu não era propriamente um admirador do dr. Mário Soares. Com a idiotice inerente à minha idade, com as ilusões sobre a humanidade e o devir do mundo, com a profunda ignorância da política e da vida, eu militava pela revolução socialista, arvorava a bandeira do esquerdismo radical.
(ler mais...)


Arthur Conan Doyle »  2017-01-05  »  Jorge Carreira Maia

Será um mistério aquilo que faz com que uns sejam indiferentes à leitura e outros tenham nela uma fonte inesgotável de prazer. Talvez o prazer de ler tenha uma componente genética. Não faço ideia, mas é possível.
(ler mais...)


Folclore »  2017-01-04  »  João Carlos Lopes

Todos os anos, ano após ano e sempre nesta data, aqui se noticiam ou se abordam, de algum modo, as festas de aniversário dos ranchos folclóricos de Torres Novas e de Riachos, fundados exactamente no mesmo ano e que, daqui a nada, celebrarão a data redonda das seis décadas.
(ler mais...)


As estradas para 2017 »  2017-01-04  »  António Gomes

Os orçamentos municipais são documentos determinantes para a gestão da coisa pública, indicam as escolhas e as opções de quem as faz.
O que nos diz o orçamento municipal de Torres Novas para 2017? É claro, é transparente, responde às preocupações das pessoas, ao desenvolvimento do concelho?
É o último orçamento do mandato, é por isso propício ao aparecimento de algumas obras, que saltem à vista, alcatrão de preferência, que façam esquecer os anos anteriores.
(ler mais...)


Carta para a pequenina e doce Alice »  2017-01-04  »  Maria Augusta Torcato

Natal, 2016
Minha pequenina e doce Alice, este foi o teu primeiro Natal. O teu primeiro Natal connosco. A verdade é que foi no Natal do ano passado que te anunciaste, mas não sabíamos que eras tu. Agora já sabemos. E estamos todos, todinhos, muito felizes contigo.
(ler mais...)


Doenças do sistema circulatório »  2017-01-04  »  Juvenal Silva

Em todos os países da esfera cultural do Ocidente tornam-se cada vez mais ameaçadoras as doenças do coração e da circulação. Não é para nós uma experiência estranha que um homem, que se julga na posse de todas as suas forças, de repente interrompe o seu trabalho e em poucos segundos seja arrebatado pelas garras da morte.
(ler mais...)


2016-2017 »  2016-12-28  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2016, do ponto de vista da política interna, foi marcado pela descoberta, por muita gente, da inexistência em Portugal de organizações políticas radicais e extremistas. Aquilo que para alguns, muito poucos, já era claro – o facto de tanto o BE como o PCP perseguirem na prática, para além da retórica discursiva para consumo interno dos respectivos partidos, objectivos políticos moderados e de pendor social-democrata – tornou-se agora patente.
(ler mais...)


Franz Kafka »  2016-12-16  »  Jorge Carreira Maia

Quando li pela primeira vez O Processo, estava longe de ser capaz de perceber a íntima conexão entre a estranha narrativa do escritor checo e a natureza do mundo moderno, natureza essa configurada na empresa e no estado burocráticos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2017-01-09  »  Hélder Dias KIM BOOOMM IL
»  2017-01-08  »  Jorge Carreira Maia Mário Soares