• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sábado, 21 Maio 2022    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Ter.
 22° / 13°
Períodos nublados
Seg.
 23° / 14°
Céu nublado
Dom.
 24° / 17°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  34° / 17°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

De sua graça - carlos paiva

Opinião  »  2022-01-13  »  Carlos Paiva

"Tanto na ciência como nas artes, somos fruto de imenso trabalho oriundo de tresloucados e misóginos. Gente esquisita."

Destacado ou disfarçado, por mais de uma vez incluí nestas crónicas a noção de que a medição do sucesso pelo número de aderentes significa zero na balança das boas decisões. O discernimento com maior profundidade raramente acontece dentro das maiorias. Tipicamente, é na franja onde se vê mais longe, onde nascem os saltos evolutivos importantes. Muito se deve ao cientista investigador brilhante porém desastrado, como se deve ao indigente decorador da decadência urbana.

Tanto na ciência como nas artes, somos fruto de imenso trabalho oriundo de tresloucados e misóginos. Gente esquisita. Dada a oportunidade, conta a postura com que se a enfrenta. Atingida a notoriedade, o que fazer com ela, depende da têmpera. Se calhar, é requisito mínimo obrigatório uma pitada de insanidade. A malta que quer ser famosa, no processo cria muros (mais) altos entre si e o seu semelhante. Os que activamente se isolam dos restantes, têm ideias que os tornam famosos. Depois, inventaram um comprimido e ficámos todos iguais.

Ali pelos noventas, a febre de registo de domínios de internet, onde registar “qualquernomeinteressa.com” era tida como a nova mina de ouro no fabuloso novo mundo virtual. Uma mentalidade sequente ao registo de patentes, mas elevada à potência do ridículo. Na tentativa de definir, aqui, uma linha base para este género de insanidade oportunista, houve um caso bastante conhecido nos USA, onde alguém registou o copyright para a abreviatura O. J. (oranje juice, sumo de laranja). Ou seja, a partir de determinado momento, qualquer utilização para fins comerciais e/ou públicos da abreviatura “O. J.”, que todos os americanos desde sempre usaram para dizer “sumo de laranja” sem dizer explicitamente sumo de laranja, paga direitos.

A partir de um determinado ponto no tempo, em todos os media oriundos da américa, desapareceu uma referência cultural tipicamente americana: já ninguém diz O. J. nos filmes, nas séries… Sai mais barato. Imaginem se um dia algum cretino regista a expressão “Oh yeah!”, o que acontecerá a 99% do rock? E se outro, inspirado no primeiro, regista “Oh, baby!”, lá se vai o resto. Percalços capitalistas à parte, a febre do registo de “nomes” nas redes sociais, tal como com os domínios de internet, também aconteceu. Ao longo do tempo e mediante o evoluir (ou não) da popularidade, alguns “nomes” foram capitalizados, mas não foi/é mina nenhuma. Como ilustra a recente mudança Facebook/Meta, com tudo o que isso implica, actualmente tudo se passa de forma pacífica. No limite, não se chegando a acordo, o “nome” é reduzido ao seu tamanho real, ponderado num contexto maior.

Tal como nos exemplos da história, popular não é sinónimo de relevante. Para alguns de nós, desequilibrados mentais, a noção de propriedade e poder de decisão sobre algo que nos transcende, gera uma série de sentimentos conflituosos, é desagradável. Interferir com o nosso mundo estável e seguro sem pedir autorização, chateia. Demora algum tempo a perdoar a afronta do desaparecimento do gelado favorito do cartaz. Que audácia. Não interessa se há igual. Não tem o mesmo nome. Imperdoável. Acresce mais não sei-quantas-horas de terapia. Sacanas.

Num mundo onde é possível, provável até, ler artigos técnicos e discutir física quântica num “nome” tipo “gajasboas.com”, conhecer e ouvir boa música num “nome” tipo “ruidohorripilante.org”, ler bons artigos e descarregar uns livros num “nome” tipo “sacodolixo.com”, é um mundo onde os nomes têm a dimensão que devem ter. Meras etiquetas. Irrelevantes perante a pertinência do conteúdo. Um “nome” cuja maior importância é o seu nome, esgota aí mesmo o interesse. A vida real, temos de a gramar, a virtual, é o que fazemos dela. Basta mudar de nome.

 


Tanto na ciência como nas artes, somos fruto de imenso trabalho oriundo de tresloucados e misóginos. Gente esquisita.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Matrioska... »  2022-05-19  »  Hélder Dias

Tamanho - inês vidal »  2022-05-09  »  Inês Vidal

Fez na segunda-feira, dia 2 de Maio, 19 anos que comecei a trabalhar no Jornal Torrejano. Lembro-me desse dia como se fosse hoje, embora os tempos estejam bem diferentes. Pelo caminho, desde então, fomos mudando de caras, de timings, de cor e de formato, mas nunca, em momento algum, mudámos a nossa essência.
(ler mais...)


Viagens pelo centro político - jorge carreira maia »  2022-05-09  »  Jorge Carreira Maia

França: a perda do centro. As eleições presidenciais deram a vitória a Emmanuel Macron, um político centrista. Quando as democracias liberais funcionam razoavelmente, existem dois centros. Um inclinado à esquerda e outro à direita.
(ler mais...)


DOIS LIVROS, MUITOS MOMENTOS - josé alves pereira »  2022-05-09  »  José Alves Pereira

Abordo, de forma breve, dois livros que já este ano foram apresentados em Torres Novas, assinalando trabalhos que penso indesculpável deixar sem uma referência pública.

1. Começo pelo “COMUNISTAS, uma história do PCP em Torres Novas“, da autoria de João Carlos Lopes.
(ler mais...)


Dannazione! - josé ricardo costa »  2022-05-09  »  José Ricardo Costa

Rigoletto é bobo no palácio do duque de Mântua, ou seja, existe para fazer rir. Mas apagam-se as luzes da ribalta e eis que surge um outro homem: sensível, pai extremoso, chorando ainda a morte da única mulher que o amou.
(ler mais...)


Que dia é hoje? - carlos paiva »  2022-05-09  »  Carlos Paiva

Uma das novidades que a vida virtual trouxe à minha pobre existência foi o facto de existirem dias comemorativos de tudo e mais alguma coisa. Todos os dias é dia de algo. Desde o dia do abraço, do amigo, da música, do cão, do gato, até aos mais tradicionais digamos, dia da mãe, da criança, da liberdade, do trabalhador.
(ler mais...)


A parada... »  2022-05-06  »  Hélder Dias

Certamente estou errado- antónio gomes »  2022-04-29  »  António Gomes

Recentemente, assistimos à colocação da 1.ª pedra daquilo que virá a ser um novo restaurante de comida ao “pacote” numa zona da cidade onde já se encontram outros dois do mesmo género. Quero aqui declarar que a comida ali servida não faz o meu estilo, mas também declaro que não tenho nada com isso, cada um é como cada qual, os gostos não se discutem e pelos vistos clientes não faltam.
(ler mais...)


Guerra na Ucrânia, Le Pen e nacionalismo - jorge carreira maia »  2022-04-29  »  Jorge Carreira Maia

1. O primeiro derrotado da guerra na Ucrânia. Um dos postulados centrais do pensamento liberal é a crença de que a conexão comercial entre as nações as torna menos propensas à guerra. Foi por isso que parte substancial da União Europeia, com a Alemanha à cabeça, se tornou dependente da energia russa.
(ler mais...)


Bem-vindo à equipe. Está contratado! - carlos paiva »  2022-04-29  »  Carlos Paiva

Acompanho várias publicações relativas a várias temáticas e âmbitos, sendo a maior longevidade desta convivência nas relacionadas com a música. Ciente da importância dos anunciantes para a sobrevivência destas publicações, tolero que algum viés transpareça nos artigos, favorecendo patrocinadores.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2022-04-23  »  Hélder Dias Retrato de família...
»  2022-04-24  »  Hélder Dias Avante... russo?
»  2022-04-27  »  Hélder Dias Toma!...
»  2022-04-29  »  Carlos Paiva Bem-vindo à equipe. Está contratado! - carlos paiva
»  2022-04-29  »  Hélder Dias Foguetório...