• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sábado, 18 de Novembro de 2017
Pesquisar...
Ter.
 21° / 7°
Claro
Seg.
 22° / 8°
Claro
Dom.
 21° / 8°
Claro
Torres Novas
Hoje  21° / 7°
Claro
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Multas

Opinião  »  2016-12-14  »  Inês Vidal

"Todos sentem a forte presença e concorrência das grandes superfícies"

O mês de Dezembro tem qualquer magia que torna as pessoas ainda mais consumistas que durante o resto do ano. Não há um dia, especialmente aos fins-de-semana, que não se sinta o reboliço de gente e mais gente em todos os mais que muitos hipermercados de Torres Novas. O mesmo não podem dizer os comerciantes do comércio local. (Sim, este assunto de novo  já velho e cada vez mais actual). Seja na zona alta ou baixa da cidade, todos sentem a forte presença e concorrência das grandes superfícies.

Aos cartões, descontões, parvalhões e outras coisas acabadas em "ões", rebatem com aquilo que de melhor têm e sabem: a proximidade e a individualização de cada cliente. Porque o Manuel não pode nunca ser igual ao João e a mãe de um nunca a mãe do outro. Porque um "m" nunca é só um "m" e um cheiro não assenta ou faz os gostos de todos. Porque nem todos os óculos assentam bem em todas as caras e porque nem todos podemos tomar aquele medicamento, mesmo que seja de venda livre. E ali, no comércio tradicional, seja no centro ou na zona alta, há sempre atrás do balcão alguém que sabe quem somos ou que pelo menos se interessa em vir a sabê-lo.

Mas apesar deste assunto já ser velho e de todos sabermos e sentirmos isto, continuamos a ir em cantigas e cartões, em promoções com grandes "senões". É por isso que nos dá um certo ânimo ver que, passando no centro histórico por exemplo, ali ainda ninguém se rendeu. Todos os anos surgem lojas novas, pessoas que se recusam a acomodar às ditaduras massificadas dos hipermercados e que acham que Torres Novas merece uma alternativa aos produtos que encontramos em prateleiras todas iguais.

E com as novas, se animam as que já por aí vão estando. Só entristece ver que o esforço não é reconhecido por todos. Não bastava já uma concorrência desleal, os comerciantes vêem-se ainda obrigados a lutar contra uma outra força. Uma que passa multas, umas atrás das outras, de bloco em riste, a tudo quanto é carro que para pelo centro. Eu já apanhei uma, o David outra, o António também. Nós não vamos fugir do centro, porque não temos outra opção, mas se pudéssemos, como tantos outros, se calhar optaríamos por outro local para as nossas compras, poupando assim o dinheiro da multa para prendas de Natal. Isto já está difícil só por si... não compliquem mais. Os comerciantes agradecem.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Escola, religião e cidadania »  2017-11-17  »  Jorge Carreira Maia

Por motivos profissionais estou a fazer formação na área da Filosofia da Religião. As reorientações que o programa de Filosofia do ensino secundário está a sofrer implicam, entre outras coisas, que a área dos valores religiosos se torne obrigatória e não seja, como até aqui, uma opção, a qual, por norma, é preterida pela dos valores estéticos.
(ler mais...)


Odores a granel: marketing olfativo ou cascomia? »  2017-11-15  »  Maria Augusta Torcato

Afinal, tenho uma boa justificação, científica até,  para a constância desta minha zanga e para este estado de cansaço e ausência de vontade que teimam em desaparecer e me têm feito a vida negra, nestes últimos tempos, além de muito mal cheirosa.
(ler mais...)


Os anos de seca vieram para ficar. »  2017-11-15  »  Nuno Curado

8 de Novembro de 2017: “Poderá não haver colheita de arroz no Vale do Sado [em 2018]”. Esta região é a maior produtora de arroz em Portugal. 06/11/2017: “A nascente do Rio Douro está seca”.
(ler mais...)


QUE FUTURO PARA TORRES NOVAS? »  2017-11-15  »  Denis Hickel

Há poucos anos atrás facilitei diversas oficinas junto à comunidade escolar do concelho e que trazia o questionamento de como seria a escola diante de todos os problemas globais que enfrentamos. A gravidade destes temas são difíceis de abordar em toda a sua amplitude por trazerem uma complexidade e uma interdependência difíceis para nossa forma linear de pensamento; o que invariavelmente leva os interlocutores à visões muito negativas sobre o futuro.
(ler mais...)


Solidariedade »  2017-11-14  »  Inês Vidal

Vivemos uma época em que somos todos um bocadinho, e cada vez mais, individualistas. Pensamos em nós e nos nossos, no que temos ou vamos precisar e alargamos a esfera da preocupação a quem nos pode ajudar a isso. Regra geral, somos assim.
(ler mais...)


A melhor opinião »  2017-11-14  »  Carlos Tomé

Olha lá, não estou nada de acordo quando eles dizem que têm a melhor opinião. Melhor opinião em quê? Há melhores e piores opiniões? Ou há só opiniões? Para além de estarem a puxar lustro aos galões, toda a gente sabe que a melhor opinião é a do Marques Mendes, o grilo falante, o tipo sabe as calhandrices todas do PSD e casca na geringonça à má-fila que até dá gosto.
(ler mais...)


Ir à Praça »  2017-11-14  »  José Ricardo Costa

Qualquer jovem de Lisboa sabe que ir “ao bairro” é Bairro Alto. No Porto, ir “ao palácio” é Palácio de Cristal. Em Torres Novas “ir à praça” é Praça 5 de Outubro.
(ler mais...)


Diabetes uma doença em plena expansão - II »  2017-11-14  »  Juvenal Silva

Os efeitos adversos da diabetes aumentam 20 vezes mais os riscos de problemas cardíacos e são responsáveis por 25% das operações cardíacas, 40% dos casos de insuficiência renal, 50% das amputações não traumáticas, ou seja, as que não resultam de acidente e 75% de mortes por doenças cardiovasculares.
(ler mais...)


Centralistas »  2017-11-07  »  Jorge Salgado Simões

Quando muitos pensavam que a única coisa positiva da recente tragédia dos incêndios era que finalmente o país ia olhar de outra forma para a interior, para o espaço rural e para fora das grandes áreas metropolitanas, as notícias que vão sendo conhecidas sobre a reprogramação dos fundos comunitários desfazem qualquer réstia de dúvidas.
(ler mais...)


O velho PS »  2017-11-02  »  Jorge Carreira Maia

Aquando da formação do actual governo, não faltaram maus agoiros sobre o descalabro da economia, o descontrolo do défice e a desmedida loucura da extrema-esquerda, isto é, do Bloco de Esquerda e do Partido Comunista.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2017-11-15  »  Denis Hickel QUE FUTURO PARA TORRES NOVAS?
»  2017-11-14  »  José Ricardo Costa Ir à Praça
»  2017-11-15  »  Nuno Curado Os anos de seca vieram para ficar.