• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 22 de Janeiro de 2018
Pesquisar...
Qui.
 14° / 7°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 15° / 6°
Céu nublado
Ter.
 17° / 7°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  17° / 9°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Thomas Bernhard

Opinião  »  2017-03-10  »  Jorge Carreira Maia

"O génio de Bernhard está em ter transformado o ressentimento em obra de arte, uma obra de arte violenta e sem contemplações com a hipocrisia dos austríacos."

A obra do escritor austríaco Thomas Bernhard é daquelas que colocam com mais acuidade a relação entre a biografia pessoal e a obra de arte. É verdade que o princípio, presente na hermenêutica de Paul Ricœur, que nos ordena ler uma obra como se nada soubéssemos do seu autor continua válido. A arte de Bernhard vale por si mesma, muito para além das circunstâncias pessoais e sociais do autor. Quem ler, porém, obras como “Extinção. Uma derrocada”, “Perturbação”, “O náufrago” ou “O sobrinho de Wittgenstein. Uma amizade”, não deixa, ao ser confrontado com o ressentimento com a Áustria e os austríacos que inunda as páginas daquelas obras, de perguntar o que na vida do autor gerou tal reacção. O génio de Bernhard está em ter transformado o ressentimento em obra de arte, uma obra de arte violenta e sem contemplações com a hipocrisia dos austríacos.

Bernhard é marcado por dois acontecimentos. A ilegitimidade do seu nascimento (nasce em 1931, filho natural de uma criada e de um carpinteiro, que nunca chegou a conhecer) e a tuberculose pulmonar que o leva a um grande período de internamento num sanatório e a estadias bastante prolongadas na Polónia e em Portugal, em busca de um clima mais adequado à sua saúde. A patologia – seja a social, como nascer fora da norma católica, ou a física, como a tuberculose – torna-se num ponto de observação sobre a realidade social que envolve o autor. O talento está em transformar um observatório meramente subjectivo – as patologias de que se é vítima – num dispositivo de observação e análise da realidade com valor universal.

Um estado patológico permite perceber melhor e mais exaustivamente a doença que está presente nas pessoas e na sociedade. É a partir daí que incessantemente Thomas Bernhard expõe cruamente a falsidade presente nas instituições e nos sujeitos. O cerne da desmontagem está na relação que o autor estabelece entre um espírito nacional-socialista – que permitiu o anschluss e cujo anti-semitismo não teria chegado a desaparecer no pós-guerra – e a cobertura católica com que o próprio Estado (durante muito tempo nas mãos dos socialistas) e a sociedade se travestem. A partir do abandono originário e da morte sempre próxima, tudo aos olhos do escritor parece ridículo e a caminho da destruição ou da extinção. Ridículo e destruição que as suas personagens, também elas patológicas, exibem ou, melhor, proclamam em longos monólogos, que denunciam o solipsismo do autor e, na verdade, um autismo social inultrapassável. Seja como for, Thomas Bernhard é um dos grandes escritores da segunda metade do século XX.

http://kyrieeleison-jcm.blogspot.pt/

 

 

 Outras notícias - Opinião


Passos Coelho »  2018-01-18  »  Jorge Carreira Maia

Agora que Rui Rio tomou conta do PSD, falemos de quem sai. Passos Coelho recebeu o país das mãos de Sócrates numa situação terrível e com um programa de resgate de dureza desnecessária imposto pela troika.
(ler mais...)


Por este rio »  2018-01-18  »  João Carlos Lopes

O Rio Tejo (o vale do Tejo, a linha do Tejo, o território adjacente, o percurso português do Tejo) é porventura o recurso natural e o pedaço de território nacional potencialmente mais rico que temos, dada a diversidade dos seus elementos constitutivos: paisagísticos, pedológicos, agrários e agrícolas, hidrográficos, etnográficos, etc.
(ler mais...)


Geringonça festiva »  2018-01-17  »  Miguel Sentieiro

A indignação invadiu as hostes mais puritanas deste país ao saber-se o ministro das finanças, Mário Centeno, pediu uma borla de bilhetes para o cássico Benfica/Porto na época passada. Quando questões éticas se levantam nesta associação “bola à borla” estimulando acesas discussões repudiando esse pedido especial, sinto que tenho obrigação de prestar solidariedade para o nosso pobre, quase pobrezinho, Mário.
(ler mais...)


V de Vingança »  2018-01-17  »  José Ricardo Costa

Como não entra nas contas um livro de Pablo Neruda que me ofereceram no Natal ainda eu mal sabia ler, o meu verdadeiro baptismo poético foi com um livro de António Ramos Rosa que comprei numa feira do livro do Cine-Clube de Torres Novas.
(ler mais...)


Patos bravos »  2018-01-17  »  Denis Hickel

Os recentes processos movidos contra ambientalistas por denunciar a poluição no Rio Tejo, Ribeira da Boa Água, Almonda, entre outros, inauguram um teatro do absurdo. Temos diante de nós empresas que sabemos serem claramente poluidoras, porém protegidas por arcabouços jurídicos e contratuais e tão poderosas nas suas redes de relações que, ao invés de tomarem a iniciativa de limpar a sua imagem, não negam o estatuto e preferem manter os negócios sujos pela força da intimidação.
(ler mais...)


Como reforçar o nosso sistema imunitário »  2018-01-17  »  Juvenal Silva

O nosso sistema imunitário protege-nos a cada instante contra batalhões de vírus, bactérias, fungos e outros parasitas. Uma debilidade de saúde ou fraqueza do sistema imunitário, é uma doença que se estabelece e se instala no nosso organismo.
(ler mais...)


O menos pior?... »  2018-01-12  »  Hélder Dias

Era uma vez o alho, o remédio para quase tudo »  2018-01-05  »  Juvenal Silva

A utilização do alho remonta à própria existência da humanidade. Três mil anos a.C. já era utilizado pelos Sumérios para prevenir epidemias e tratar parasitoses e, em documentos históricos como o papiro de Ébers (1700a.
(ler mais...)


Against the weed... »  2018-01-05  »  Hélder Dias

Tabacaria Central »  2018-01-04  »  José Ricardo Costa

Ser criança será sempre ser criança e é perante um chocolate ou um brinquedo que se vê. Uma coisa como o 1.º andar da Tabacaria Central numa pequena vila dos anos 60 como era Torres Novas, só não era uma utopia porque as utopias não existem e aquele 1ºandar era tão real como o castelo mais acima.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-01-12  »  Hélder Dias O menos pior?...
»  2018-01-18  »  João Carlos Lopes Por este rio
»  2018-01-17  »  Denis Hickel Patos bravos