• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 06 Dezembro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 16° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 14° / 9°
Céu nublado
Ter.
 17° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  17° / 8°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Um olhar sobre as eleições concelhias - jorge carreira maia

Opinião  »  2021-10-13  »  Jorge Carreira Maia

"Estes resultados eleitorais mostram, em primeiro lugar, que grande parte do eleitorado está contente com a governação socialista do município e que sufraga o seu programa para os próximos 4 anos. "

Há dias, um médico prescreveu-me um conjunto de exames e, como se pretendesse explicar-me a razão, disse que não praticava uma medicina intuitiva (a que é feita de diagnósticos baseados nas aparências sintomáticas), mas que lidava com resultados empíricos, uma medicina científica. Como se sabe, também esta pode cometer erros, embora em muito menor escala do que a intuitiva. O que se passa na medicina passa-se também na política. Mesmo quando há sondagens feitas com rigor, os eleitores podem determinar um resultado inesperado (veja-se o caso de Lisboa). Muito mais equívoca é a situação quando não existem sondagens e as percepções que se têm são meramente intuitivas.

Antes das últimas eleições autárquicas, pensava que os resultados do PS e da lista de António Rodrigues (AR) estariam muito mais próximos, não descartando a possibilidade de este retornar à presidência do município. Pensava que ele teria uma maior capacidade de penetração no eleitorado socialista, assim como no da direita concelhia. Pensava ainda que o BE e a CDU seriam menos afectados pela candidatura de AR que o PSD-CDS. Estas crenças baseadas na intuição revelaram-se todas completamente erradas. AR não teve qualquer capacidade de penetrar no eleitorado de direita. Esta, no seu conjunto (com Chega e IL), alcançou mais 389 votos do que em 2017. Também não teve capacidade para dividir o eleitorado socialista. O PS perdeu um pouco menos de mil votos (11,2%) em relação a 2017. Onde AR teve capacidade de penetrar fundo foi nos eleitorados do BE e CDU. O BE perdeu 1303 votos (52,2%) e a CDU, 558 votos (34,7%). A soma dos votos perdidos pelo PS, BE e CDU perfaz, quase na totalidade, a votação obtida por AR.

Estes resultados eleitorais mostram, em primeiro lugar, que grande parte do eleitorado está contente com a governação socialista do município e que sufraga o seu programa para os próximos 4 anos. Em segundo lugar, a direita concelhia, apesar de mais dividida, conseguiu estancar a perda continua de eleitorado. Em terceiro lugar, a figura política de António Rodrigues é muito menos atractiva do que se imaginava. Em quarto lugar, o eleitorado deu uma nota negativa muito forte às políticas autárquicas do BE e da CDU, dispensando a sua presença no executivo e reduzindo-a na Assembleia Municipal. Do ponto de vista puramente político, não da gestão do município, os próximos quatro anos colocam alguns problemas interessantes. Como vão os socialistas gerir a substituição de Pedro Ferreira? Terá o PSD uma oportunidade para reaver uma câmara perdida há muito? A perda de votos de BE e CDU foi conjuntural, efeito de AR, ou será estrutural?

Post Scriptum. Na edição de papel do JT, está escrito, no meu texto, que a CDU perdeu 1606 votos (34,7%). A percentagem está correcta, o número de votos perdidos foi de 558. O número 1606 refere-se à votação da CDU em 2017. Ao escrever o texto troquei os números e nas releituras permanci cego.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Resiliências, Rui Rio/PSD, BE e Futebol »  2021-12-03  »  Jorge Carreira Maia

Resiliências. Ser ministra da Saúde em Portugal não é tarefa fácil. Ser ministra da Saúde em Portugal e em tempos de pandemia é tarefa hercúlea. O sector é atravessado por múltiplos, poderosos e discordantes interesses, que têm tanto ou mais poder que qualquer ministro.
(ler mais...)


Pedinchice - inês vidal »  2021-11-25  »  Inês Vidal

Habituámo-nos à pedinchice. Já não a estranhamos nem questionamos, antes a integrámos na nossa rotina, no nosso dicionário mental, assumindo-a como parte integrante e inerente à solidariedade de que somos tão adeptos.
(ler mais...)


Violência na família - mariana varela »  2021-11-25  »  Mariana Varela

A evolução do estado de coisas, a nível sócio-cultural, é quase sempre gradual e lenta, repleta de avanços e recuos constantes. Se é certo que em vários domínios da vida em comunidade alcançámos, sim, objectivos muito valiosos, outras situações continuam a destoar profundamente do ideal que possamos ter de uma sociedade mais justa.
(ler mais...)


Desesperança 1, ou o Novembro do nosso descontentamento - maria augusta torcato »  2021-11-25  »  Maria Augusta Torcato

Às vezes, lembro-me das personagens de Sancho Pança e D. Quixote, evocadas no capítulo III de “Viagens na minha terra”, de Garrett.

Não sei, todavia, se a lembrança dessas personagens, neste contexto, vem por boas razões.
(ler mais...)


Dos fracos não reza a história - carlos paiva »  2021-11-25 

 

É uma realidade: dos fracos não reza a história. A prerrogativa fica do lado dos fortes, dos vitoriosos que, nessa condição, escrevem a história. A versão dos factos para a posteridade é invariavelmente simpática para os vencedores e vincadamente penalizadora para os vencidos.
(ler mais...)


SEMPRE É UMA COMPANHIA - josé alves pereira »  2021-11-25  »  José Alves Pereira

Num destes dias, ocorreu-me passar os olhos pelo Fogo e as Cinzas, livro de contos do Manuel da Fonseca. Acabei relendo o que me serve para título desta crónica e pretexto para uma incursão por algumas recordações ligadas ao aparelho de rádio que um dia, pelos anos 50, entrou lá em casa.
(ler mais...)


Vírus, clima, PSD e futebol - jorge carreira maia »  2021-11-25  »  Jorge Carreira Maia

1. O vírus resiste. Depois de uns meses de acalmia, volta o espectro do confinamento. Isto apesar da vacinação em Portugal ter corrido muito bem. O problema é que a vacinação, embora sendo uma condição necessária para combate à COVID-19, não é suficiente.
(ler mais...)


Sem pinga… »  2021-11-18  »  Hélder Dias

Perigo! PS e Presidente da República em manobras - josé alves pereira »  2021-11-09  »  José Alves Pereira

A rejeição do O.E. e o seu desmedido empolamento, arrastaram na ventania da pressão mediática gente, mesmo de esquerda, que perdeu o bom senso e a serenidade. Importa, pois, voltar a 2015, relembrando factos. Para fazer face ao retrocesso da governação PSD/CDS de ir além da troika na retirada de direitos e rendimentos, formou-se um governo minoritário do PS.
(ler mais...)


Quem paga a conta do chumbo do orçamento? - jorge carreira maia »  2021-11-09  »  Jorge Carreira Maia

Julgo que os eleitores tanto do BE como do PCP não compreendem as razões que levaram ao chumbo do Orçamento de Estado. Quando falo em eleitores desses partidos não me estou a referir aos militantes e simpatizantes partidários que rodeiam esses militantes, mas às pessoas que votam nesses partidos não por fé ideológica, mas porque acham que eles são instrumentos para a defesa dos seus interesses e do bem comum.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-11-25  »  Inês Vidal Pedinchice - inês vidal
»  2021-11-18  »  Hélder Dias Sem pinga…
»  2021-11-09  »  Carlos Paiva Bizarro - carlos paiva
»  2021-11-09  »  Jorge Carreira Maia Quem paga a conta do chumbo do orçamento? - jorge carreira maia
»  2021-11-25  »  Jorge Carreira Maia Vírus, clima, PSD e futebol - jorge carreira maia