• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Terça, 14 de Agosto de 2018
Pesquisar...
Sex.
 36° / 16°
Períodos nublados
Qui.
 33° / 17°
Céu limpo
Qua.
 34° / 16°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  34° / 15°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Ir à Praça

Opinião  »  2017-11-14  »  José Ricardo Costa

"Cá temos a praça como lugar onde se projecta espacialmente esta nova identidade"

Qualquer jovem de Lisboa sabe que ir “ao bairro” é Bairro Alto. No Porto, ir “ao palácio” é Palácio de Cristal. Em Torres Novas “ir à praça” é Praça 5 de Outubro. Mas houve um tempo em que a expressão tinha outro sentido: ir à 2ª feira comprar fruta, legumes, hortaliças, queijos, enchidos, animais, loiças, móveis em pinho e até a famosa banha da cobra ali em frente onde foi o Rogério. Isto, porque o mercado ocorria, como noutras terras, na sua praça mais nobre e central. E a coisa ficou tão impregnada nas mentes que ainda hoje pessoas mais velhas, graças a uma feliz casmurrice semântica, continuam a ir “à praça” de cestinha no braço.

Para um jovem de hoje, devido a uma nova fisionomia -e fisiologia- social e económica deste espaço urbano, “ir à praça” não tem que ver com matinais hortaliças ou necessidades quotidianas mas sair à noite e divertimento. Houve tempos em que, para além de ser uma zona habitada, havia uma loja de impressos e selos, armazém de tecidos, policlínica, papelaria, oculista, ourivesaria, posto de polícia, barbearia com jornais e revistas, fotógrafo, dois bancos (sim, dois!), um edifício institucional para o que desse e viesse e…uau!, sim, um restaurante, o incontornável Rogério. A vidinha “nine to five”. Depois, a grande metamorfose, não kafkiana, graças a Deus, mas mais tipo tender is the night: dois hotéis, cinema, posto de turismo, três restaurantes, cafés e bares com esplanadas e, vá, duas lojas, um banco, e este com bem menos funcionários a chegar de manhã e a sair à tarde por causa de quem já lá não vai porque faz tudo no Multibanco e na conta on line. E perda de residentes.

Aconteceu o mesmo que nos centros de outras cidades: uma perda da sua tradicional identidade social e económica, dando lugar a uma cultura de lazer, mudando a percepção da cidade. Assim um bocadinho como restaurar a casa de aldeia, transformando a velha horta num jardim com piscina e barbecue. Uma nova mentalidade, mais afastada das necessidades primárias, sendo maior a pulsão para o lazer e divertimento, cujo apogeu está no sair à noite.

Mentalidade mais urbana e iluminada, vindo substituir o lânguido lazer das tabernas, casas de pasto ou pacatos cafés de bairro, das tacinhas enquanto se vê os Portugal-Espanha em hóquei em patins, a preto e branco, que isto do mundo a cores era só para lá dos Pirinéus e a Benetton ainda iria demorar. Mentalidade com uma geografia mais pombalina, sendo até as bebedeiras mais cosmopolitas com os seus gins tónicos, shots, vodkas ou cervejas artesanais, em contraste com as ainda medievais ou pré-iluministas bebedeiras dos anos 60 com bagaço e carrascão, numa espécie de casamento entre a underground e ácida fuligem de Dickens com uma salazarista melancolia. E, pronto, cá temos a praça como lugar onde se projecta espacialmente esta nova identidade, após os anos de chumbo de meados de 70, em que viveu sem eira nem beira e aromatizada com charros, entre a ressaca do regime anterior e a europeização da pátria com a sua adesão à CEE. Que assim continue.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O meu Ti Boino »  2018-08-09  »  Maria Augusta Torcato

O meu Ti Boino foi-se. Faltavam-lhe dois aninhos para chegar aos cem.

A notícia chegou hoje, nesta terça feira de julho, logo pela manhazinha, e eu, que nunca tenho tempo para retornar a casa, porque a nossa terra é e será sempre a nossa casa, mesmo que nela não tenhamos passado mais do que um oitavo dos anos que temos, lá vou amanhã, quarta feira, também de manhazinha, para o acompanhar à sua última morada.
(ler mais...)


Um tema leve para o Verão »  2018-07-30  »  Nuno Curado

Tenho andado a pensar num tema ligeiro sobre o qual escrever nesta crónica, porque, pronto, é Verão e está calor e ninguém tem vontade de gastar energia a preocupar-se com temas importantes. Por isso é que nos telejornais lá temos as habituais reportagens na praia sobre a temperatura da água do mar, ou na Amareleja sobre os impressionantes 45 graus que lá se fazem sentir… todos os anos sem diferença… Quer dizer, este ano ainda não.
(ler mais...)


Torto e fora dos eixos »  2018-07-28  »  Jorge Carreira Maia

Tornou-se um lugar comum aproximar duas ideias que emergiram na mesma época, mas em obras literárias diferentes. Em Hamlet, William Shakespeare fazia notar que “O mundo está fora dos eixos. Oh! Sorte maldita! … Por que nasci para colocá-lo em ordem!”.
(ler mais...)


Um concubinato de conveniência »  2018-07-12  »  Jorge Carreira Maia

Desde o início que a actual solução governativa sofre de um pecado mortal. Este reside num governo onde só um dos partidos de esquerda tem assento. Ao escolher o caminho mais fácil, a esquerda resolveu alguns problemas de momento.
(ler mais...)


Obstipação intestinal: um mal cada vez mais presente »  2018-07-12  »  Juvenal Silva

A obstipação intestinal, também conhecida como prisão de ventre, é uma doença gastrointestinal cada vez mais presente e, com um grau de Incidência preocupante, já na idade infantil. Num organismo saudável, o percurso da matéria residual pelo trato digestivo, corresponde a um ciclo previsível e regular que poderá oscilar entre 6 a 24 horas.
(ler mais...)


F »  2018-07-12  »  José Ricardo Costa

Admito ser um bocadinho conservador, sobretudo naqueles dias em que acordo com uma certa vontade de lavar os dentes com pasta medicinal Couto e de ter um mordomo chamado Jeeves para me trazer o fato às riscas enquanto faz o resumo do Financial Times.
(ler mais...)


A avó Augusta, a foice e a vassoura »  2018-07-12  »  Maria Augusta Torcato

Esta crónica vai apresentar o formato de duas em uma. É que, apesar das temáticas e problemáticas quotidianas fervilharem na minha cabecinha, não tenho tido tempinho algum para escrever. E o ato de escrever exige pelo menos um bocadinho de tempo.
(ler mais...)


Dias difíceis »  2018-06-22  »  Jorge Carreira Maia

A situação política está mais confusa do que parece. Só há um dado claro e inequívoco. Exceptuando os socialistas, todos os actores agem com o objectivo de evitar que o PS obtenha maioria absoluta nas próximas legislativas.
(ler mais...)


Aloé Vera, a planta milagrosa »  2018-06-21  »  Juvenal Silva

Aloé Vera, também conhecida por planta do milagres pelos médicos da antiguidade, é uma planta medicinal cujo uso tem sido intensificado ao longo dos séculos e, nas últimas décadas, tem sido motivo de interesse de pesquisas, com vários estudos científicos na aplicação de uma grande variedade de doenças e com grande destaque nas doenças oncológicas.
(ler mais...)


Cumpre-se a tradição »  2018-06-21  »  Anabela Santos

Junho, mês dos santos populares… António, Pedro e João.
Santo António, conhecido por Santo António de Lisboa, o santo que pregou aos peixes, o Santo casamenteiro, não é exclusivo da nossa capital e não é de Pádua.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-08-09  »  Maria Augusta Torcato O meu Ti Boino