• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sábado, 02 Julho 2022    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Ter.
 34° / 16°
Céu limpo
Seg.
 33° / 15°
Períodos nublados
Dom.
 32° / 16°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
Torres Novas
Hoje  34° / 15°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Tamanho - inês vidal

Opinião  »  2022-05-09  »  Inês Vidal

"“A falta de apoios à imprensa regional é grande, mas não estamos dispostos a calar-nos por isso. O preço da vida vai crescendo e a ele é proporcional a nossa determinação."

Fez na segunda-feira, dia 2 de Maio, 19 anos que comecei a trabalhar no Jornal Torrejano. Lembro-me desse dia como se fosse hoje, embora os tempos estejam bem diferentes. Pelo caminho, desde então, fomos mudando de caras, de timings, de cor e de formato, mas nunca, em momento algum, mudámos a nossa essência.

Durante essas quase duas décadas passadas, assistimos a mudanças gigantes na realidade que nos rodeava e que, inevitavelmente, condicionaram a vida de quem nos lia, de quem nos ajudava nesta tão bonita tarefa de informar ou até mesmo a forma como nos fomos fazendo.

Nesse período – que na história do mundo não é nada – o país despediu-se das vacas gordas e abriu os braços a um governo que de presente envenenado nos ofereceu a troika. Percebemos, depois de tanto tempo iludidos, que nem mesmo nessa Europa de sonho, o dinheiro nascia nas árvores, conforme nos foi a dada altura tão conveniente acreditar. Regredimos anos à nossa humilde condição, quase não acreditando nos sacrifícios que nos eram de novo pedidos. Somos fáceis de nos habituar ao que é bom. Fáceis de esquecer o que não nos convém.

Aqui, à nossa escala, neste nosso pequeno jornal, fomos remando no balancear da maré, resistindo a todas as intempéries, muitas vezes rasgando as ondas, rumando a um destino que, independentemente da forma, foi sempre o mesmo para nós: a informação isenta, a crença de que o jornalismo regional é uma ferramenta essencial para a democracia que tantos apregoam mas nem sempre praticam, a noção de que contar por palavras escritas o que vai sendo dito por aí, é fundamental para que possamos crescer conscientes e exigentes.

Tempos e formas de ser que já o eram muito antes de mim. Formas de ser que continuarão nos muitos tempos que ainda virão.

Sempre com esta missão em mente, temos vindo, no entanto, a adaptar-nos como podemos. Continuamos a acreditar que o nosso papel é fundamental, mesmo que não o possamos desempenhar como gostaríamos. Faltam-nos o tempo e os meios para chegar a todo o lado onde gostaríamos de ir, para noticiar tudo o que mereceria ser noticiado, para denunciar tudo o que urge ser denunciado.

Faltam-nos os meios, mas o que nos falta em meios sobra-nos em vontade e convicção. Somos meia dúzia de carolas que, mesmo quando mais ninguém acredita, sabe que Torres Novas não pode viver sem nós. Que é preciso haver quem conte, quem denuncie, quem chame a atenção. Não somos perfeitos. Não vamos a todas. Deixamos escapar algumas. Faltam-nos os meios e toda a ajuda é pouca. A carolice dá trabalho e dores de cabeça e o compromisso requer tempo.

Mas assim somos nós. Não conseguimos não nos comprometer. E comprometemo-nos com os torrejanos. Comprometemo-nos em dar-lhes a melhor informação, a isenção, o pluralismo de ideias. Comprometemo-nos com a democracia. Só detentores de todos os factos, podemos ser cidadãos completos. Comprometemo-nos em continuar por aqui a dar a verdade, porque não sabemos fazer outra coisa. Mesmo que a conjuntura seja cada vez mais difícil.

Neste vinte anos, já reduzimos o pessoal. O tempo não poderia ser menor. Só nos resta, por agora e esperemos que por pouco tempo, reduzir o número de páginas da nossa edição de papel, porque do papel não tencionamos, nem sabemos abdicar. O aumento do custo de vida reproduz-se em tudo o que fazemos. Poderíamos aumentar o valor do jornal para fazer face às despesas, mas optamos por concentrar a nossa informação, que queremos acessível a todos, no espaço que podemos oferecer. A falta de apoios à imprensa regional é grande, mas não estamos dispostos a calar-nos por isso. O preço da vida vai crescendo e a ele é proporcional a nossa determinação.

Por isso caros leitores, o jornal que vos trazemos esta semana é um pouco mais fino. Mas desde quando é que o tamanho importa, desde que cumpramos essa nossa tão nobre missão?

 



 

 

 Outras notícias - Opinião


Tomatina - carlos paiva »  2022-06-18  »  Carlos Paiva

Até os mais distraídos na escola, fui um deles, se devem lembrar do princípio mais básico da física. Para qualquer acção, há uma reacção. Por incrível que pareça, por muito tosco que seja, é o princípio base que orienta e rege todo o método científico, até o de ponta.
(ler mais...)


A GRANDE PORTA DE KIEV - josé alves pererira »  2022-06-18  »  José Alves Pereira

O conflito em curso na Ucrânia veio dar maior visibilidade à sua capital e sede de governo, Kiev. Como todos os cidadãos, vejo com uma sensação de perda a destruição das estruturas materiais e das vidas, mas igualmente das irreparáveis, no curto prazo, fracturas nas relações humanas.
(ler mais...)


Escavar no romance português - jorge carreira maia »  2022-06-18  »  Jorge Carreira Maia

Está calor. Em vez de falar de política, como habitualmente, o melhor é derivar e falar de literatura. Não é que o assunto interesse mais aos portugueses do que a política. Não interessa, mas ajuda a suportar o calor e a inflação.
(ler mais...)


Fantoche... »  2022-06-17  »  Hélder Dias

Sim, dou licença - inês vidal »  2022-06-04 

Sempre quis ser espanhola. Gosto e invejo o ritual das cañas e pinchos, ao mesmo tempo que me questiono, intrigada, sobre onde enfiam as crianças para poderem passar os fins de tarde na esplanada. Adoro o conceito. Sempre quis ser espanhola.
(ler mais...)


Aquela máquina - carlos paiva »  2022-06-04 

Somos conhecidos no mundo inteiro como o povo do desenrasca. Não é pelo vinho do Porto, não é pelo CR7, não é pelos descobrimentos, não é pelo clima e pelas praias. É pelo desenrasca. Como testemunham os hábitos de leitura nacionais, temos uma facilidade nata em absorver conhecimento pela prática.
(ler mais...)


A fraternidade - jorge carreira maia »  2022-06-04  »  Jorge Carreira Maia

Dos três princípios da Revolução Francesa – Liberdade, Igualdade e Fraternidade – este último permaneceu sempre numa espécie de limbo. Os grandes debates e os grandes conflitos ideológicos estruturaram-se em torno dos outros dois.
(ler mais...)


Desafiamos a sorte e a tragédia - antónio gomes »  2022-06-04  »  António Gomes

Há longos anos que desafiamos a sorte com a tragédia logo ali à espreita no centro histórico de Torres Novas. As derrocadas das casas abandonadas sucedem-se, felizmente ainda ninguém foi apanhado. A última, na rua da Corrente, veio apenas confirmar a sorte que temos tido e a tragédia que está por perto.
(ler mais...)


Rei Carlos? »  2022-06-02  »  Hélder Dias

Zé Lensky... »  2022-06-01  »  Hélder Dias
 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2022-06-02  »  Hélder Dias Rei Carlos?
»  2022-06-17  »  Hélder Dias Fantoche...
»  2022-06-04  Sim, dou licença - inês vidal
»  2022-06-18  »  Jorge Carreira Maia Escavar no romance português - jorge carreira maia
»  2022-06-18  »  Carlos Paiva Tomatina - carlos paiva