• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 23 de Abril de 2018
Pesquisar...
Qui.
 24° / 11°
Céu limpo
Qua.
 23° / 13°
Períodos nublados
Ter.
 28° / 15°
Períodos nublados com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  27° / 13°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

BENDITOS OS PEIXES DO AZUL ( há 30 anos o Zeca emalou a trouxa e zarpou)

Opinião  »  2017-02-23  »  João Carlos Lopes

"Há mais de 40 anos, como até há vinte, estava longe de se imaginar a importância e a dimensão do legado musical e poético de José Afonso"

Pelos 14 anos, quando me meti nas militâncias revolucionárias logo a seguir ao dia inicial, mais que as ideologias e as cartilhas, vejo eu agora, havia uma espécie de programa poético que em fundo embalava gestos e ousadias, esperanças e coragens: pelas praias do mar nos vamos à procura da manhã clara. Eram palavras e música, uma mão cheia de músicas e poemas que me impressionavam tanto como a claridade daqueles dias, uma claridade feita de futuro enquanto se acreditou nele, pois claro.

Mas era o Zeca sempre em fundo, a pontuar os momentos de alegria e celebração, da vida e de como ele a via e no-la fazia sentir, mais do que tudo o resto, vejo agora. Por isso, um pouco mais tarde, quando surgiu a etiqueta “músico de intervenção” colada ao Zeca, aquilo fazia-me uma impressão danada, embora na altura não soubesse definir esse sentimento: intuía que a designação, mesmo quando não pejorativa, apequenava e limitava a dimensão do Zeca, cuja obra (o Zeca nunca permitiria que falássemos assim) me parecia larga, bela, sublime, inteira, ímpar.

Também ainda não se falava de “música do mundo” e uns anitos mais à frente, já mais ou menos visitador atento de outras gentes de vulto, de Cohen a Dylan, a norte, mais a sul dos Parra, aos outros grandes nomes da música latino-americana, de autor ou de inspiração tradicional, passando pelo genial mais que genial Chico Buarque, por um conjunto de meia dúzia de cantautores espanhóis, por Brel, pelas lendas da canção francesa, enfim, eu via-me a achar, baixinho, sem dizer a ninguém, que o Zeca era dessa dimensão, era um músico do mundo, que a justiça deveria colocar junto a essa gente de uma linhagem universal, que o Zeca ombreava claramente com esses todos e, pensava eu também, era maior que muitos deles e que o mundo só não via isso porque o Zeca cantava em português e era de um país chamado Portugal.

Posso explicar por que razão, acho eu, o José Afonso é o maior músico da segunda metade do século XX português e um dos maiores vultos da nossa cultura do mesmo período. Subsistem, hoje, dois nomes cuja música continua a ouvir-se, porque foi maior que eles e que continuam a inspirar as novas gerações: Amália e José Afonso. Mas Amália é uma voz e é apenas isso, uma inspiração, o que já é muito, a que se junta a sua contribuição para tornar o fado uma música maior. José Afonso deixou uma obra imensa que é também inspiração, sim, mas é matéria-prima sempre pronta para mais uma reinvenção, é argamassa e tijolo e pedra sempre prontos para ousar diferentes construções musicais, opções estéticas, fonte inesgotável de novos e inesperados impulsos criativos.

Basta olharmos para a geração mais recente da música portuguesa, onde tudo se funde (géneros, técnicas, influências, roupagens instrumentais e poéticas). De onde surge essa fonte, essa água fresca e límpida que tonifica uma certa identidade e que inspira Ana Cláudia ou Tomás Wallenstein, Capicua ou Marfox? Há, claro, Sétima Legião ou Madredeus, Sérgio Godinho ou José Mário Branco, «mas apenas um nome os reúne a todos, José Afonso – e até DJ Marfox, que não cresceu a ouvi-lo, já o inclui agora nas suas sessões», escrevia-se num jornal, em que afiançava Éme (João Marcelo): «70% do que ouço é Zeca. Os outros 30%, divido-os por artistas americanos. Ouço o Variações, gosto muito de algumas coisas do Zé Mário, mas o que me move é mesmo o Zeca».

Ora, desde o final da década de 80, timidamente, e em força a partir da seguinte, grupos da área pop-rock e intérpretes de diversas tendências e géneros (incluindo o punk rock ou o novo fado) revisitaram, tocaram e gravaram dezenas de versões de temas de José Afonso, finalmente erguido à sua estatura de figura maior da nova música portuguesa, considere-se como se considere o âmbito e as fronteiras desse território.

Afinal, quando em 1972, nos estúdios do castelo de Herouville, próximo de Paris, onde gravavam os Pink Floyd, foi eternizado o melhor álbum de sempre da música portuguesa, não estávamos diante de uma ruptura e de um ponto de partida: “Cantigas do Maio”, de José Afonso era, pelo contrário, um ponto de chegada, o resultado de um processo de maturação iniciado há mais de uma década em Coimbra e a partir de um género musical limitado, circunscrito em termos geográficos, culturais e musicais.

José Afonso logrou atingir a síntese perfeita de um conjunto de referências musicais, poéticas, formais e instrumentais cuja conceptualização, dotada de uma enorme modernidade, continha em si um núcleo interior bastante próximo daquilo que muitos músicos e criadores musicais, antes e depois dele, almejaram: uma música que revelasse indiscutivelmente uma identidade portuguesa. No caso de José Afonso uma música dotada de uma inesperada frescura lírica, límpida nos processos instrumentais, atmosferas sonoras luminosas e surpreendentes, tudo isto em redor de uma voz também ela verdadeiramente única.

Há mais de 40 anos, como até há vinte, estava longe de se imaginar a importância e a dimensão do legado musical e poético de José Afonso e o modo como a sua obra iria inspirar as novas gerações e invadir campos impensáveis, como o próprio rock, com as revisitações de temas seus, dotados de elasticidade rítmica e potencialidades melódicas capazes de mobilizar as motivações criativas de tão loucas e desvairadas gentes.

Enorme como poeta (raramente se fala na dimensão de Zeca enquanto poeta), músico genial, uma voz única (sim, única, à dimensão da de Amália), eis o meu José Afonso. São raros os dias em que não assobio uma cantiga do Zeca, não trauteio uma canção pela enésima vez, que não me venham à lembrança versos do Zeca onde a vida espreita e convoca as palavras que se nos colaram à pele e à alma. Raros são os dias. Por isso o Zeca é o companheiro de uma vida, o companheiro dos dias, o mais fiel e persistente companheiro: fecho os olhos e vêm-me à lembrança dezenas de músicas, centenas de frases poéticas, imagens, sons, pequenos grandes pormenores de belas criações, geniais criações, e eis-nos perante a pura alegria da criação.

Bendito seja o pão, bendita seja a dor. Benditas as portas do amor. Ouvem-se palavras assim e é tudo.

 

(23 de Fevereiro de 2017, 30 anos depois de o Zeca se ter feito eterno andarilho)

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


O desafio »  2018-04-20  »  Jorge Carreira Maia

Tenho estado a ler The Benedict Option: A Strategy for Christians in a post-Christian Nation, um livro do conservador Rod Dreher. O autor, um cristão ortodoxo americano, defende que os Estados Unidos são já uma sociedade pós-cristã.
(ler mais...)


ATIVIDADE FÍSICA É UM MEIO DE PREVENÇÃO REGULADOR DA VIDA »  2018-04-20  »  Juvenal Silva

Cada vez se verifica mais que grande parte das pessoas se poderia tratar e curar, exercitando-se todos os dias ao ar puro. Podemos citar, entre outros tipos de doenças a obesidade, diabetes, colesterol, depressão, sistema cardiovascular, respiratório, etc.
(ler mais...)


Caros Riachenses (I) »  2018-04-20  »  António Gomes

O processo de decisão sobre a rede viária de acesso às zonas industriais de Riachos e Entroncamento chegou ao fim. A decisão tomada pelo governo (Infraestruturas de Portugal IP), câmaras municipais do Entroncamento e Torres Novas e com o apoio da junta de freguesia de Riachos (com os votos contra do BE) é a proposta que liga a A23, Torreshoping, à rotunda dos boieiros e esta à zona do terminal de contentores junto à linha férrea.
(ler mais...)


O Janota nunca entrou na Abidis »  2018-04-20  »  Carlos Tomé

Quando saiu de casa, o Janota ia com a intenção de finalmente ter coragem de beber um chá e comer um duchese na Abidis, a pastelaria mais fina do burgo. Especialista em navalhas de ponta e mola, limpa-unhas, bilhetes falsos, ilusões cheias e carteiras vazias, as suas relações sociais e profissionais subiam até às subcaves de Alcântara e aos vendedores de vigésimos premiados.
(ler mais...)


Angústia no Supermercado »  2018-04-20  »  José Ricardo Costa

Resolvi fazer há dias um risoto. Precisava por isso de queijo parmesão ralado. Tudo na vida há-de ter um sentido e se na ordem universal das coisas coube ao parmesão a grata missão de dar alma ao risoto, a ordem lá terá as suas razões.
(ler mais...)


A história da gente »  2018-04-20  »  Anabela Santos

Sem saber muito sobre o assunto, tenho a certeza de que para entendermos melhor o mundo e a nós próprios, é muito importante conhecermos a história da gente e a gente da história.

É o passado que temos em comum que nos serve como referência e nos ajuda a compreender o presente e a preparar o futuro.
(ler mais...)


PERDER EM CASA »  2018-04-20  »  Eduarda Gameiro

Sou uma vítima do fanatismo pelo futebol e como tal, não preciso de estar a ver um jogo para saber se o Benfica perdeu ou ganhou, porque assim que uma bola atinge a baliza, os meus ouvidos fazem questão de me avisar que há ruído na sala e, das duas, uma: ou algo está correr muito bem, ou algo está a correr muito mal.
(ler mais...)


Escola...escola, quem és tu? »  2018-04-20  »  Maria da Luz Lopes

Quase a terminar mais um ano letivo, muitos e grandes desafios se colocam à Escola Pública no próximo ano. Flexibilização Curricular ou a Educação Inclusiva são apenas alguns. Abraçá-los, exige um compromisso e um envolvimento de todos há muito reclamado.
(ler mais...)


A anemia democrática »  2018-04-05  »  Jorge Carreira Maia

Se olharmos para as três principais ideologias políticas que estruturaram as democracias representativas, conservadorismo, liberalismo e socialismo (cada uma delas com diversas nuances), descobrimos que resultaram da implosão da visão cristã do mundo.
(ler mais...)


Um sobreiro em Águas de Moura, ondas na Nazaré e eucaliptos em Riachos »  2018-04-04  »  Carlos Tomé

Sempre me arrependi de não ter aceitado o convite, faz agora 40 anos, do Victor Silvino para irmos à Nazaré na sua Vespa ver uma onda enorme que estava a chamar curiosos. Mas na altura a imagem que me apareceu de imediato à frente dos olhos, não foi a do mar em polvorosa, foi a do pendura da motorizada a esbardalhar-se todo pela serra abaixo quando o mais célebre chofer da biblioteca itinerante da Gulbenkian fizesse as curvas de Porto de Mós mais direito do que um fuso, e isso deu razão à nega.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-04-20  »  Eduarda Gameiro PERDER EM CASA
»  2018-04-20  »  Jorge Carreira Maia O desafio
»  2018-04-20  »  José Ricardo Costa Angústia no Supermercado