• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Terça, 14 de Agosto de 2018
Pesquisar...
Sex.
 36° / 16°
Períodos nublados
Qui.
 33° / 17°
Céu limpo
Qua.
 34° / 16°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  34° / 15°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Ir a Lisboa

Opinião  »  2018-05-03  »  José Ricardo Costa

"Entre as pessoas da minha geração havia uma frase feita que era dizer que a melhor coisa de Lisboa é a estrada para Torres Novas"


Uma coisa é o vagaroso e até algo aborrecido ritmo das eras geológicas, outra será o alegre ritmo da evolução social. É como estar uma manhã a ouvir Steve Reich e passar para uma ópera de Verdi. Serve este erudito preâmbulo para explicar que se a distância entre o que é hoje Lisboa e Torres Novas é a mesma há milhões de anos, já num plano social, e num espaço de poucas décadas, essa distância faz lembrar aqueles anúncios de produtos para emagrecer que mostram a diferença entre o antes e o depois, sendo hoje bem mais magra.

Quando cheguei a Lisboa para estudar, levava uma mala de cartão na mão e uma cabeça deslumbrada com a grande urbe: cinemas, teatros, livrarias, discotecas (chamava-se assim às lojas que vendiam discos), cafés, lojas e mais lojas. Já não era mais o provinciano que ia de propósito a Lisboa para ir aos Porfírios ou ao Imaviz. Não, eu estava lá, acordava e adormecia lá, onde o coração bombeia o sangue da pátria, e já não numa periférica veia do corpo humano. Isto, apesar de lá chegar ainda antes do “Manel” ter inventado o Bairro Alto, outorgando à cidade a “noite” moderna e cosmopolita de Londres ou NY e como novo e heróico Salgueiro Maia desse outro 25 de Abril que foi permitir à labrega nação ficar a saber quem é a Eduarda Abbondanza.

Mas se eu saí da província, a província teimava em não sair de mim como um pedaço de fita-cola do dedo. Há coisas que não se esquecem, como ter de repetir mais uma vez que não era de Torres Vedras e, como se acabasse de chegar do Djibouti, explicar depois que vinha, neste caso, não do Corno de África, mas de algures entre Santarém e Tomar. Se ser de Torres Novas era ser provinciano e pertencer à “paisagem” enquanto resto de Lisboa, imagine-se ser de Alcorriol, Rexaldia ou Resgais, pequenos satélites à volta de outro pequeno satélite, cuja arrastada órbita à volta da brilhante capital seria para aí como a de Saturno à volta do Sol.

Terras cujos habitantes, na sua maioria, não tinham telefone em casa ou carro, sendo a esporádica ida a Lisboa uma odisseia. De tal modo, que era comum estrear roupa para se poder chegar com a mesma digna e honrada urbanidade dos de lá, embora mal disfarçada pelas duas horas e meia de distância, com tanta curva para tornear, tanta localidade para atravessar, tanto tractor para ultrapassar, só faltando mesmo as pombas assassinadas mas também convém não exagerar. Ainda há pouco tempo fiz esse percurso e fiquei com a sensação de que mais do que percorrer uma estrada estava a folhear um calendário para trás como no início do Written on the Wind, do Douglas Sirk.
Hoje, qualquer torrejano de 18 anos chega a Lisboa para estudar de cabeça levantada, sendo apenas mais um jovem português com h grande. Que importância tem ser de Torres Novas ou morar nas Avenidas Novas num mundo em que o espaço real é cada vez menos importante? O jovem de Alcorriol já viu no youtube os mesmos vídeos do betinho de Lisboa, o da Brogueira sacou os mesmos filmes, o de Alcorriol anda com o mesmo smartphone com as mesmas centenas de música e o de Assentiz comunica via whatsapp ou skype com qualquer pessoa do mundo inteiro e à caixa do correio do de Liteiros vão parar os mesmos produtos comprados na Amazon ou na OLX, descobertos num espaço que já não é medido em quilómetros mas em segundos.

Mesmo ir hoje estudar para Lisboa é apenas ir estudar para a cidade onde já se foi inúmeras vezes para ir dar uma volta pelo Colombo, aos pastéis de Belém ou até mesmo a concertos, que hoje já toda a gente tem carro para ir levar os filhos ao Entroncamento para apanhar o Intercidades. Bem, talvez precise de continuar a explicar que em Torres Novas não há Carnaval, mas já sem qualquer complexo de inferioridade, sabendo que isso se deve apenas à estupidez do lisboeta que passou centenas de vezes na saída da A1 para Torres Novas mas cuja pobre cabeça é como a daqueles americanos broncos que não sabem localizar a França no mapa da Europa.

Entre as pessoas da minha geração havia uma frase feita que era dizer que a melhor coisa de Lisboa é a estrada para Torres Novas. A frase, sendo elogiosa aqui para a terra, não deixava de espelhar um certo provincianismo e orgulho paroquial. Hoje, quantos jovens a dirão? É que, como diria Sócrates (o filósofo, claro), ou até S. Paulo, não há lisboeta, nem torrejano, nem riachense, apenas cidadãos de um mesmo espaço que é de todos e não é de ninguém. Atenas e Jerusalém continuam a ser os eixos da nossa civilização, nem que seja para ligar o Terreiro do Paço ao largo da Botica.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O meu Ti Boino »  2018-08-09  »  Maria Augusta Torcato

O meu Ti Boino foi-se. Faltavam-lhe dois aninhos para chegar aos cem.

A notícia chegou hoje, nesta terça feira de julho, logo pela manhazinha, e eu, que nunca tenho tempo para retornar a casa, porque a nossa terra é e será sempre a nossa casa, mesmo que nela não tenhamos passado mais do que um oitavo dos anos que temos, lá vou amanhã, quarta feira, também de manhazinha, para o acompanhar à sua última morada.
(ler mais...)


Um tema leve para o Verão »  2018-07-30  »  Nuno Curado

Tenho andado a pensar num tema ligeiro sobre o qual escrever nesta crónica, porque, pronto, é Verão e está calor e ninguém tem vontade de gastar energia a preocupar-se com temas importantes. Por isso é que nos telejornais lá temos as habituais reportagens na praia sobre a temperatura da água do mar, ou na Amareleja sobre os impressionantes 45 graus que lá se fazem sentir… todos os anos sem diferença… Quer dizer, este ano ainda não.
(ler mais...)


Torto e fora dos eixos »  2018-07-28  »  Jorge Carreira Maia

Tornou-se um lugar comum aproximar duas ideias que emergiram na mesma época, mas em obras literárias diferentes. Em Hamlet, William Shakespeare fazia notar que “O mundo está fora dos eixos. Oh! Sorte maldita! … Por que nasci para colocá-lo em ordem!”.
(ler mais...)


Um concubinato de conveniência »  2018-07-12  »  Jorge Carreira Maia

Desde o início que a actual solução governativa sofre de um pecado mortal. Este reside num governo onde só um dos partidos de esquerda tem assento. Ao escolher o caminho mais fácil, a esquerda resolveu alguns problemas de momento.
(ler mais...)


Obstipação intestinal: um mal cada vez mais presente »  2018-07-12  »  Juvenal Silva

A obstipação intestinal, também conhecida como prisão de ventre, é uma doença gastrointestinal cada vez mais presente e, com um grau de Incidência preocupante, já na idade infantil. Num organismo saudável, o percurso da matéria residual pelo trato digestivo, corresponde a um ciclo previsível e regular que poderá oscilar entre 6 a 24 horas.
(ler mais...)


F »  2018-07-12  »  José Ricardo Costa

Admito ser um bocadinho conservador, sobretudo naqueles dias em que acordo com uma certa vontade de lavar os dentes com pasta medicinal Couto e de ter um mordomo chamado Jeeves para me trazer o fato às riscas enquanto faz o resumo do Financial Times.
(ler mais...)


A avó Augusta, a foice e a vassoura »  2018-07-12  »  Maria Augusta Torcato

Esta crónica vai apresentar o formato de duas em uma. É que, apesar das temáticas e problemáticas quotidianas fervilharem na minha cabecinha, não tenho tido tempinho algum para escrever. E o ato de escrever exige pelo menos um bocadinho de tempo.
(ler mais...)


Dias difíceis »  2018-06-22  »  Jorge Carreira Maia

A situação política está mais confusa do que parece. Só há um dado claro e inequívoco. Exceptuando os socialistas, todos os actores agem com o objectivo de evitar que o PS obtenha maioria absoluta nas próximas legislativas.
(ler mais...)


Aloé Vera, a planta milagrosa »  2018-06-21  »  Juvenal Silva

Aloé Vera, também conhecida por planta do milagres pelos médicos da antiguidade, é uma planta medicinal cujo uso tem sido intensificado ao longo dos séculos e, nas últimas décadas, tem sido motivo de interesse de pesquisas, com vários estudos científicos na aplicação de uma grande variedade de doenças e com grande destaque nas doenças oncológicas.
(ler mais...)


Cumpre-se a tradição »  2018-06-21  »  Anabela Santos

Junho, mês dos santos populares… António, Pedro e João.
Santo António, conhecido por Santo António de Lisboa, o santo que pregou aos peixes, o Santo casamenteiro, não é exclusivo da nossa capital e não é de Pádua.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-08-09  »  Maria Augusta Torcato O meu Ti Boino