• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Domingo, 23 de Setembro de 2018
Pesquisar...
Qua.
 34° / 18°
Períodos nublados
Ter.
 36° / 20°
Céu limpo
Seg.
 38° / 18°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  35° / 18°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Ir ao dentista

Opinião  »  2018-04-04  »  José Ricardo Costa

"No tempo em que ainda era uma pacata vila, havia quatro dentistas em Torres Novas: Silva Mendes, Faria, Aurelina e Orlando"

Na Idade Média, um italiano chamado Dante Alighieri escreveu uma obra chamada “Divina Comédia”, cuja primeira parte se chama “Inferno”. Sim, é muita chama para uma só frase mas vem a calhar pois bastou aquele ígneo título para o escritor ser promovido a padroeiro dos jornalistas-que-fazem-directos-durante-a-época-dos-incêndios, falando em “cenário dantesco” com a mesma naturalidade com que o Ronaldo marca golos, mas, no caso deste, sem a mesma volúpia literária, pois a caixa craniana com que se marcam os golos é menos dada à fineza intelectual dos clássicos do que o seu interior. Conta o poeta que o Inferno tem nove círculos, sendo verdade que em nenhum deles vamos encontrar dentistas. E nem podíamos encontrar, uma vez que nem o Quadrivium e muito menos o Trivium incluíam já o curso de Medicina Dentária. Mas no imaginário de grande parte das pessoas que sofreu o infortúnio de frequentar dentistas no século passado, bem se justificaria um décimo círculo só para eles.

No tempo em que ainda era uma pacata vila, havia quatro dentistas em Torres Novas: Silva Mendes, Faria, Aurelina e Orlando. Nomes, apenas nomes, mas que soavam aos quatro cavaleiros do Apocalipse. Não por acaso, uma das principais angústias dos torrejanos era tentar perceber, embora com versões contraditórias e muita contra-informação, qual deles seria o mais feroz ou o mais misericordioso. Atenção, não me refiro às pessoas. O meu dentista, Silva Mendes, era um homem gentil e de quem não tenho razões de queixa…fora do consultório. Mas pronto, eram dentistas e era o que bastava para olharmos para eles e ver o Peter Lorre de broca na mão dentro de um consultório que tanto faria lembrar o gabinete do dr. Caligari como o do dr. Mabuse.

Quem é velho como eu percebe-me. O dentista era possuidor de uma aura sinistra e ir a uma consulta transformava cada um de nós no Dustin Hoffman de boca aberta em «O Homem da Maratona». Uma tortura que, entretanto, começava antes de chegar à tétrica cadeira. Logo à entrada, com o tristemente famoso “cheiro a dentista”, que fazia logo aumentar os batimentos cardíacos e os níveis de stress no organismo e na psique. Depois, já na sala de espera, era o sinistro som da broca, vindo lá de dentro, intercalado com gritos de aflição, fazendo com que chegada a nossa vez lá chegássemos tão exangues como uma mulher que acabou de dar à luz. Conheço pessoas que desistiam enquanto esperavam e até quem deixasse apodrecer os dentes por se recusar sequer a marcar consulta. Compreende-se. Em Toledo, há um museu com instrumentos que eram usados pela Inquisição para tratar da saúde dos seus utentes. Se lá constasse a cadeira de um dentista com toda a sua horrenda parafernália, incluindo o cínico holofote, muitos nem dariam pelo anacronismo. Ora, é precisamente para evitar anacronismos e referências descontextualizadas que não posso falar em «cenário dantesco» como fazem os nossos repórteres. Mas se disser «cenário dentesco», consigo respeitar a verdade histórica e sem trair o seu mórbido significado.

Os tempos mudaram e ir hoje ao dentista é uma experiência nova, assim mais ou menos como chegar ao Evangelho, acabadinho de sair do Levítico. Nada de ameaça ou condenação. Os próprios consultórios são mais airosos e luminosos e os dentistas já não lembram o Peter Lorre, sendo antes uma mistura de José Carlos Malato e Sónia Araújo, de bata branca, sim, mas ar fofinho. Até porque quem é jovem vai ao dentista sobretudo para enfiar um aparelho nos dentes. Ou seja, um dentista já não é mais visto como furioso psicopata, um desventrador de bocas que arranca, broca, esburaca, destroça gengivas e olha para um dente arrancado como um tarado para um soutien, mas como esteticista que ilumina e embeleza sorrisos. Em suma, hoje vai-se ao dentista para, como na bela gastronomia italiana, ficar com a boca “al dente”. De novo a Itália mas já nada que ver com uma Itália dantesca.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O quarto milagre de Fátima »  2018-09-13  »  Jorge Carreira Maia

O começo do ano lectivo é marcado pela generalização de uma nova reforma do sistema educativo. A ideia que está na base de mais uma aventura na educação portuguesa prende-se com a convicção da actual equipa do Ministério da Educação de que o trabalho realizado pelo professorado está globalmente desadequado às exigências do século XXI.
(ler mais...)


Poesia nos posters »  2018-09-12  »  José Mota Pereira

Eu não entendia. Nem poderia entender (aos seis, sete, oito anos de idade) o alcance daquelas palavras. Mas havia naqueles dois posters um magnetismo, uma espécie de magia que me prendiam às palavras que deles saltavam para os meus olhos.
(ler mais...)


Rentrée »  2018-09-12  »  Anabela Santos

O mês de Agosto já passou, acabaram as férias, o verão vai deixar-nos e aproxima-se o Outono.

Chegou Setembro, o mês do(s) recomeço(s). Na minha opinião, seria a altura de abrirmos uma garrafa de champanhe, de fazer um brinde à nova época, um brinde à vida.
(ler mais...)


Ansiedade: uma doença da sociedade moderna »  2018-09-12  »  Juvenal Silva

O que é a ansiedade?

A ansiedade é uma emoção causada por uma ameaça observada ou experimentada e, que o organismo utiliza como mecanismo para reagir de forma saudável às pressões da vida ou até a situações de perigo.
(ler mais...)


Olha, a gaivota! Olha a gaivota! »  2018-09-01  »  Maria Augusta Torcato

 As ideias estão ainda de férias. Se a palavra não fosse tão feia, eu até a utilizaria mais – procrastinação. Meu Deus, que palavra horrível para dizer apenas que se anda com  preguiça, sem vontade, a adiar o que tem de ser feito.
(ler mais...)


O passado e a tradição »  2018-08-30  »  Jorge Carreira Maia

Graças a um artigo de António Guerreiro, no Público, descobri dois versos extraordinários do realizador e poeta italiano Pier Paolo Pasolini. Deste, conheço alguns filmes, mas nunca li a sua poesia.
(ler mais...)


Ética »  2018-08-29  »  Inês Vidal

As novas tecnologias e a Internet - admirável mundo este que nos leva ao outro lado do globo num segundo - vieram mudar os nossos dias, rotinas, até o tom e a forma das nossas conversas. “O meio é a mensagem”, já anunciavam há muito alguns teóricos destas coisas da comunicação.
(ler mais...)


Agosto »  2018-08-29  »  José Mota Pereira

O mês de Agosto vai-se despedindo, a pouco e pouco, nestes dias e noites quentes.

Não há novidade nisto: Agosto ainda é o mês em que, por todo o país, se toma conta dos largos e se dança, canta, convive nas festas populares, trazendo vida aos territórios a que chamamos aldeias e de onde, se há notícias ao longo do ano, é para contar do abandono e da desertificação.
(ler mais...)


Uso e abuso de substancias químicas: a dependência de drogas e álcool »  2018-08-29  »  Juvenal Silva

O uso e abuso de substâncias químicas caracteriza-se por uma dependência, tanto psicológica como física, de drogas, incluindo-se medicamentos com receita médica e álcool.

O que é uma dependência química? Acontece quando um indivíduo necessita de uma droga para funcionar.
(ler mais...)


Protectorado »  2018-08-16  »  Jorge Carreira Maia

O Verão teve, até agora, dois acontecimentos políticos maiores. O caso Robles e o fogo de Monchique. Maiores para os mass media e para uma certa direita social. Por direita social não me refiro aos partidos políticos de direita, os quais não estiveram particularmente mal em ambos os casos, mas àqueles que se manifestam nas redes sociais, nas caixas de comentários dos jornais online, que surgem como espontâneos nos directos das televisões, isto é, a uma militância informe, mas muito activa, que vive despeitada pelos seus não estarem no governo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-09-13  »  Jorge Carreira Maia O quarto milagre de Fátima