• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Terça, 17 de Julho de 2018
Pesquisar...
Sex.
 27° / 16°
Períodos nublados
Qui.
 26° / 16°
Céu nublado
Qua.
 26° / 16°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  30° / 16°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O gajo de Benfica apaixonado pela alentejanita

Cultura  »  2018-07-11 

É uma gaiata de cintura fina, curvas generosas, redondinhas, sensuais: foi por ela que João Morais, curtido e calejado rocker da selva urbana de Benfica, se apaixonou, paixão improvável, uma luz que se acendeu numa noite de calmaria na campina alentejana. Subitamente, João empreendeu mudar de vida, sim, mudar de vida: trocar os decibéis brutais e alucinados dos verdes anos, aprender agora a moldar com as mãos a fragilidade e a graça feitas música, música estranha, a pedir os dedos em sincronia num ballet iluminado sobre um braço a dez vozes pontilhadas.

Quando Michel Giacometti percorreu tabernas e barbearias de Ourique e Odemira no início de 70, ele, um corso, doente dos pulmões em terapia de vida chegado a este país de doces manhãs, e registou as baladas indecifráveis do lendário Ti António Bento, ainda jovem, e dos últimos malteses e ganhões que percorriam feiras e despiques, viola a tiracolo, uma viola esquisita a tiracolo, pensou ter encontrado qualquer tesouro vindo de uma terra de ninguém, um tesouro arqueológico de difícil filiação. O corso já tinha andado antes por outros mediterrânios, até por Tras-os-Montes, mas nunca tinha visto nem ouvido nada parecido.

A viola campaniça era, no estertor daquele Alentejo danado o parente mais pobre da família de cordofones tradicionais portugueses: não tinha a beleza rendilhada nem o coração de uma amarantina ou de uma braguesa, nem a elegância burguesa de uma viola da terra açoriana. A campaniça era tosca, roufenha, de voz aramada, sem narrativas melódicas que não as tristes e cansadas melopeias sem princípio e sem fim, sempre mal amanhada, feita com o que havia à mão, o espelho da ascética pobreza de um Alentejo interior do interior, pobre, à parte, ele próprio, naquele triângulo rural dos montes e searas de Ourique, Odemira e Castro, um país à parte.

Perto da passagem do milénio, a campaniça estava praticamente extinta e o Ti António Bento, já velho, apresentado de feira em feira como troféu de um ou outro ansioso académico à procura de salvar o mundo: a graciosa campaniça, moça morena do sol terrível do sul, perdera o canto, salvavam-se ainda as encantadoras curvas de mulher antiga, madura como as amoras dos silvados em Agosto. Mas já não se viam bandoleiros e moinantes que a sabiam amar, num amor bruto, furtivo, de alimentar noites enluaradas de festins e zaragatas.

Eis senão quando gente como Pedro Mestre, um miúdo hoje feito homem e nome grande da cultura musical alentejana, que resgatou a velha viola do seu torpor e a fez renascer, ela e os seus cantos, ou como Daniel Luz, artista construtor com oficina ali na estrada de São Teotónio a chegar ao Brejão, última terra de Amália, operaram o milagre dos justos, passo a passo numa canção de paciência que honra quem sabe esperar. Hoje, a campaniça é ensinada nas escolas, a ela se dedicam cancioneiros esquecidos. Aperaltou-se, ressuscitou alegre, maria bonita de fazer inveja às irmãs beiroas ou minhotas.

João Morais confessa que ainda em tempos da barulheira underground dos "Corrosão Caótica" e dos "Gazua" tentou tocar guitarra, a lisboeta guitarra de fado, mas desistiu por pensar que seria apenas mais um sofrível intérprete do melancólico choro da alfacinha cítara. Confessa que sempre ouvira Carlos Paredes, de quem era uma íntimo e secreto admirador. E, conta a lenda de João Morais, O GAJO, que numa algara rockeira a Beja, ouviu o tocador Paulo Colaço a dedilhar uma guitarra esquisita de que nunca tinha ouvido falar e que nunca tinha avistado em seus atribulados dias.

Foi paixão súbita: este gajo não quis saber de mais nada e atirou-se de alma e coração a uma nova vida. Aquele podia ser uma caminho. Afinou-se literalmente ao seu novo amor para lhe revelar acordes belos e imprevistos, toadas antes impossíveis. Este gajo não segue o canon dos novos académicos tocadores da campaniça. Esta mulher afinada em dó é de um homem só. É do Gajo. Ele diz que, sendo o punk uma atitude, é hoje mais punk naquilo que faz com a campaniça do que foi enquanto andou pela electricidade de alta voltagem. Que o punk é assim, um terreno sem tabus nem preconceitos. Como o amor. Seja.

Seja como for, o primeiro disco foi uma revelação. E do que se ouviu daquele que há-de vir se pode assegurar que o gajo continuar a amar esta outra vez feliz alentejana. A música do Gajo é surpreendente: aqui e ali ouve-se Paredes, muito Paredes, e esta afinidade de universos melódicos e harmónicos é um imenso elogio; nas esquinas parece surgir um Tó Trips a sorrir, malandro; a meias, às vezes, umas frases rockeiras dos velhos e violentos amores urbanos. Quem quiser saber mais, tem de ouvir, não chega contar. O gajo esteve nas festas da cidade num ritual secreto junto à velha chaminé iluminada de um vermelho a escorrer paixão. O gajo está apaixonado e isso nota-se.
João Carlos Lopes

 

 

 Outras notícias - Cultura


Torres Novas: Prémio Maria Lamas entregue no domingo, dia 8 de Julho »  2018-07-03 

Realiza-se no domingo, dia 8 de Julho (Dia da Cidade), a cerimónia de entrega  do Prémio Maria Lamas, relativo à edição de 2018, que terá lugar na biblioteca municipal Gustavo Pinto Lopes, às 18 horas.
(ler mais...)


Vítor Xarepa vai cantar ao Museu Carlos Reis »  2018-06-21 

Para assinalar os 81 anos da fundação do museu-biblioteca de Torres Novas, vão realizar-se diversas actividades no Museu Municipal Carlos Reis (MMCR), no âmbito de um programa especial para o efeito.
No dia 20 de junho, o MMCR participa no programa nacional da organização “Portas Abertas”, realizando-se visitas às reservas do Museu Municipal: às 10h30 à reserva arqueológica municipal, na antiga escola de Rodrigos e às 16h visita às reservas do próprio Museu municipal Carlos Reis.
(ler mais...)


Ainda a tempoEmodo, amanhã, na BOT »  2018-05-11 

Mais uma oferta cultural para amanhã, sábado, em Torres Novas: nada mais nada menos que a actuação do grupo riachense tempoEmodo, pelas dez horas da noite, na sede da Banda Operária Torrejana.

A carismática banda, formada ainda nos finais dos anos 70 do século passado, e que deixou para a posteridade um LP que é referência da progrock portuguesa, regressou aos palcos há uma dúzia de anos depois de um hiato de quase uma vida.
(ler mais...)


Riachos: bombas sobre o Irão, “Intifado” contra a ordem vigente »  2018-05-10 

Enquanto não caem bombas sobre a antiga Pérsia, as brigadas anti-militaristas atacam em Riachos no sábado, dia 12, um “intifado” da paz contra as convenções da música bem comportada e arrumadinha nos “géneros” da ordem estabelecida.
(ler mais...)


Atalaia: arte urbana de Vhils homenageia oleiros »  2018-04-23 

Está concluída a primeira intervenção artística em espaço público no âmbito do projecto ARTEJO. A obra do artista português Alexandre Farto (Vhils) foi executada nos últimos dias e já pode ser apreciada pelo público na Atalaia, concelho de Vila Nova da Barquinha.
(ler mais...)


Bons Sons: radiografia de um amor de verão »  2018-04-15 

Há várias dimensões a analisar quando se trata de avaliar um festival e o BONS SONS passa com distinção em todas. O estudo realizado junto do público do festival mostra que há todo um país a convergir a Cem Soldos, em Agosto.
(ler mais...)


Jorge Fazenda lança livro de memórias dia 21 »  2018-04-06 

“Nas longas caminhadas por montes e vales que diariamente fazia nos arredores, travava conhecimento com um mundo fantástico que, aos poucos, ia substituindo aquele a que toda a vida julgara pertencer”: não se sabe onde fica a elevação em que se ergue uma antiga árvore agora confidente do autor e, mais que isso, criatura irmã de uma vida finalmente reconfigurada e atada aos fios das gerações anteriores, não só de homens e mulheres, mas também de outras plantas e árvores, bichos, cheiros, ventos, aragens e sombras.
(ler mais...)


Barquinha: boa música com Pedro Jóia e Sopa da Pedra »  2018-04-06 

A igreja matriz da Atalaia vai ser o palco para a actuação do virtuoso e multifacetado guitarrista Pedro Jóia, no próximo dia 14 Abril, pelas 22 horas.
“Observar Pedro Jóia e a sua guitarra é vislumbrar um único corpo.
(ler mais...)


Teatro Virgínia: “Sopro, um solo de dança”, por Sofia Neuparth »  2018-02-28 

Sofia Neuparth e o c.e.m. – centro em movimento, trazem ao Teatro Virgínia um solo de dança, acompanhado de conversa, no dia 10 de Março, às 21h30.
Segundo Sofia Neuparth, «Sopro é um estudo do nascer do gesto que traz ao encontro a alegria de ser movimento! Não se é corpo sozinho.
(ler mais...)

 Mais lidas - Cultura (últimos 10 dias)
»  2018-07-11  O gajo de Benfica apaixonado pela alentejanita