• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Terça, 23 de Janeiro de 2018
Pesquisar...
Sex.
 13° / 6°
Períodos nublados
Qui.
 14° / 6°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 15° / 6°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  17° / 7°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Siul Sotnas: resistir é vencer

Cultura  »  2017-04-20 

“Destroços de uma bomba atómica” é apresentado hoje na Praça do Peixe

“Destroços de uma bomba atómica” traz com ele “uma certa mudança no registo da sonoridade”, admitia Luís Santos ao JT quando há dois meses anunciava a saída do disco para Abril, explicando que o gravou com a ajuda de alguns músicos amigos. Por sua conta, informava o músico riachense, ficaram as vozes e as guitarras, ukuleles, teclados, baixos, efeitos sonoros com a voz, copos de vidro com água e vinho, e alguns apontamentos de percussão.

Promessa cumprida: neste seco Abril, e dia de hoje, aí está um conjunto de canções de primeira água, que podem ser ouvidas na Praça do Peixe antiga logo à noite, estando aprazado também o lançamento do disco a quem o quiser agarrar. São dez temas, a saber: A longa batalha pela Humanidade, pt, Feira das vaidades, Vende-te, A rapariga sentada numa pedra, Uma canção de Natal, Intervalo, Tu & eu, Praia dos lilases, A viagem, A longa batalha pela Humanidade, pt2. E a ouvir com atenção: quanto mais se ouve, mais se percebe que se trata de uma grande disco. Depois do conceptual e panfletário “A Máquina”, Luís Santos afirma-se aqui como um valente escritor de canções.


Calem-se por momentos os choradinhos de Úrias, Fachadas e Fúrias, nobre gente sem dúvida, mas com a benção divina, não fossem eles adventistas das trovas do vento que vai passando, com a bênção divina, diga-se em boa verdade, de uma “boa imprensa” sempre a bombar. E ouça-se as histórias contadas e cantadas por Siul Sotnas, Luís Santos do outro lado do espelho. Elas são mais que o resultado da soma, paridas com uma força que vem sabe-se lá de onde por um inspirado e talvez desalinhado cantautor, neste dias negros como o raio que os parta. Podia-se entrar assim aqui, facilmente, pelo enredo das histórias, continuar a relevar frase e palavras de uma surpreendente poética, saltar pelos desenhos melódicos, vaguear pelo grito mais aguerrido ou mais contido das guitarras, deixar entrar no peito belos coros femininos presos por uma corrente a uma atmosfera de vertiginosa nostalgia. É melhor ouvir: “Rapariga...”, “Tu&eu”, “Feira das Vaidades”, “A Viagem”, “Praia dos Lilazes”, “Vende-te”, o grande hino “Uma canção de Natal” são grande canções. E sabe-se como na maior parte dos discos há apenas uma ou duas peças de encher o olho e o resto é para encher, por conta da casa. Não é o caso, juro.


É o quê, esta música de Luís Santos por alma de Siul Sotnas? Pós-rock, pop-rock? Protest song cá da nossa? Boa música ligeira embalada por outra verdade alternativa, suportada numa hábil utilização de recursos técnicos e instrumentais e por uma densidade criativa não muito vulgar por estas paróquias perdidas do portugalório da província, que não existe para o Ipsilon nem para a Blitz? Inúteis os rótulos, sempre simplificadores. É a música de Luís Santos. Se houver paciência, se houver resistência, se não morrermos na praia dos lilazes e ouvirmos bem este disco, veremos simplesmente que é um grande disco. Tão bom que ficava ainda melhor, isto é, dispensava a entrada inicial e o epílogo das batalhas pela humanidade, que isto de batalhas sabe Luís Santos. Se resistir é vencer, a sua resistência na perseguição de uma utopia, ser músico aqui e agora, já é condição de vitória.


FICHA TÉCNICA - Luís Santos/Siul Sotnas: composição, produção, captação, guitarras eléctricas e acústicas, voz, beats, ukuleles, campainhas, copos, teclados, efeitos sonoros, baixos, artwork do disco; Maria Jeromito, produção executiva, melódicas, vozes; Patrícia Pinto e Dora Santos, vozes; Joel Madeira, baixo; Edgar Ferreira, teclados; Pedro Dias e David Santos, bateria; Alexandre Ribeiro, guitarra; Miguel Serra, mistura e masterização; edição, Paralelo 39.

 

 

 Outras notícias - Cultura


Torres Novas: exposição revisita os 58 anos do Cine Clube »  2018-01-11 

Realiza-se entre os dias 19 e 26 de Janeiro uma exposição comemorativa dos 58 anos do Cine Clube de Torres Novas, na biblioteca municipal da cidade, um espaço privilegiado para o efeito. De acordo com aquale associação torrejana, esta será uma reedição de uma exposição realizada em 1973 “e que teve grande projecção nos media do país, nomeadamente na RTP”.
(ler mais...)


Teatro Virgínia: conhecida a agenda para os primeiros meses de 2018 »  2018-01-11 

Teatro, música e dança continuam a ser as disciplinas artísticas privilegiadas pela direcção artística do Teatro Virgínia, em Torres Novas. O programa para os meses de Janeiro, Fevereiro e Março já foi divulgado, destacando-se na área da música o regresso de Mário Laginha e o seu trio (27 de Janeiro) ou Sean Riley & The Slowriders (3 de Março).
(ler mais...)


Riachos: oficina de teatro regressa em Fevereiro »  2018-01-11 

A Paralelo 39 – Associação Cultural de Saberes e Artes – promove uma oficina de teatro, intitulada “Novos Encontros com o Teatro” sob orientação de Hugo Gama, que terá início no próximo dia 3 de Fevereiro.
(ler mais...)


Tomar mantém aposta no festival de percussão »  2018-01-11 

A 12.ª edição de Tomarimbando, o festival de percussão que se realiza na cidade de Tomar desde 2007, realiza-se entre os dias 16 e 22 de Julho, com masterclasses, concertos de escolas, concertos profissionais, tertúlias e exposições de marcas de instrumentos e acessórios de percussão.
(ler mais...)


Barquinha: Jorge Esperança fala de jazz »  2018-01-04 

O Centro de Estudos de Arte Contemporânea, em Vila Nova da Barquinha, acolhe no próximo dia 11 de Janeiro, às 18h30, uma tertúlia na qual participa Jorge Esperança. O tema é “Jazz na Tuna”. Jorge Esperança é um músico natural de Vila Nova da Barquinha, líder do quarteto de jazz residente no Clube de Instrução e Recreio (Ex-Tuna) de Moita do Norte, que actua quinzenalmente às sextas, à noite.
(ler mais...)


Denis Filipe: “Concorri ao “The Voice” porque não sabia que mais voltas devia dar para me mostrar” »  2018-01-04 

 

Há cinco anos Denis foi vencedor do concurso televisivo “The Voice”. De então para cá gravou um disco, emigrou durante um ano regressou e, em 2018, tem a esperança de gravar um novo disco, nem que seja ao vivo.
(ler mais...)


António Lúcio apresenta livro de poemas em Torres Novas »  2017-12-08 

“25 poemas de dores e amores” é o título do livro de António Lúcio Vieira que será apresentado na biblioteca municipal de Torres Novas no dia 16 de Dezembro. Recorde-se que, com este trabalho, o autor venceu o prémio literário Médio Tejo Edições.
(ler mais...)


Luís Rodrigues expõe trabalhos no edifício do antigo hospital »  2017-12-08 

Luís Rodrigues, artista plástico torrejano radicado em França, expõem alguns dos seus trabalhos de pintura de cerâmica, azulejo e olaria, no edifício do antigo hospital de Torres Novas de 11 de Dezembro a 28 de Janeiro, tratando-se de uma exposição de pintura e cerâmica e na qual se revela parte da mais recente doação do artista ao Museu Municipal Carlos Reis.
(ler mais...)


Barquinha: exposição de pintor amador que não resistiu a um cancro »  2017-10-25 

Carlos Daniel Pascoal Serras nasceu a 23 de Dezembro de 1957 e faleceu no passado dia 21 de Outubro vítima de cancro. Era natural de Mouriscas (Abrantes) e residente em Atalaia, Vila Nova da Barquinha.

Bacharel em Engenharia Electrotécnica, desempenhou funções na instituição militar e na banca, área onde exerceu maioritariamente a sua vida profissional, nos balcões da CGD de Vila Nova da Barquinha, Entroncamento, entre outros locais.
(ler mais...)


Dança: Cláudia Dias apresenta “Tudo o que é sólido dissolve-se no ar” »  2017-10-24 

O Teatro Virgínia recebe, no dia 4 de Novembro, o espectáculo de dança «Terça-feira: Tudo o que é sólido dissolve-se no ar», a segunda peça do projecto Sete Anos Sete Peças de Cláudia Dias.
(ler mais...)

 Mais lidas - Cultura (últimos 10 dias)