• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sábado, 23 de Setembro de 2017
Pesquisar...
Ter.
 28° / 13°
Períodos nublados
Seg.
 27° / 14°
Períodos nublados
Dom.
 29° / 11°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  29° / 13°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Siul Sotnas: resistir é vencer

Cultura  »  2017-04-20 

“Destroços de uma bomba atómica” é apresentado hoje na Praça do Peixe

“Destroços de uma bomba atómica” traz com ele “uma certa mudança no registo da sonoridade”, admitia Luís Santos ao JT quando há dois meses anunciava a saída do disco para Abril, explicando que o gravou com a ajuda de alguns músicos amigos. Por sua conta, informava o músico riachense, ficaram as vozes e as guitarras, ukuleles, teclados, baixos, efeitos sonoros com a voz, copos de vidro com água e vinho, e alguns apontamentos de percussão.

Promessa cumprida: neste seco Abril, e dia de hoje, aí está um conjunto de canções de primeira água, que podem ser ouvidas na Praça do Peixe antiga logo à noite, estando aprazado também o lançamento do disco a quem o quiser agarrar. São dez temas, a saber: A longa batalha pela Humanidade, pt, Feira das vaidades, Vende-te, A rapariga sentada numa pedra, Uma canção de Natal, Intervalo, Tu & eu, Praia dos lilases, A viagem, A longa batalha pela Humanidade, pt2. E a ouvir com atenção: quanto mais se ouve, mais se percebe que se trata de uma grande disco. Depois do conceptual e panfletário “A Máquina”, Luís Santos afirma-se aqui como um valente escritor de canções.


Calem-se por momentos os choradinhos de Úrias, Fachadas e Fúrias, nobre gente sem dúvida, mas com a benção divina, não fossem eles adventistas das trovas do vento que vai passando, com a bênção divina, diga-se em boa verdade, de uma “boa imprensa” sempre a bombar. E ouça-se as histórias contadas e cantadas por Siul Sotnas, Luís Santos do outro lado do espelho. Elas são mais que o resultado da soma, paridas com uma força que vem sabe-se lá de onde por um inspirado e talvez desalinhado cantautor, neste dias negros como o raio que os parta. Podia-se entrar assim aqui, facilmente, pelo enredo das histórias, continuar a relevar frase e palavras de uma surpreendente poética, saltar pelos desenhos melódicos, vaguear pelo grito mais aguerrido ou mais contido das guitarras, deixar entrar no peito belos coros femininos presos por uma corrente a uma atmosfera de vertiginosa nostalgia. É melhor ouvir: “Rapariga...”, “Tu&eu”, “Feira das Vaidades”, “A Viagem”, “Praia dos Lilazes”, “Vende-te”, o grande hino “Uma canção de Natal” são grande canções. E sabe-se como na maior parte dos discos há apenas uma ou duas peças de encher o olho e o resto é para encher, por conta da casa. Não é o caso, juro.


É o quê, esta música de Luís Santos por alma de Siul Sotnas? Pós-rock, pop-rock? Protest song cá da nossa? Boa música ligeira embalada por outra verdade alternativa, suportada numa hábil utilização de recursos técnicos e instrumentais e por uma densidade criativa não muito vulgar por estas paróquias perdidas do portugalório da província, que não existe para o Ipsilon nem para a Blitz? Inúteis os rótulos, sempre simplificadores. É a música de Luís Santos. Se houver paciência, se houver resistência, se não morrermos na praia dos lilazes e ouvirmos bem este disco, veremos simplesmente que é um grande disco. Tão bom que ficava ainda melhor, isto é, dispensava a entrada inicial e o epílogo das batalhas pela humanidade, que isto de batalhas sabe Luís Santos. Se resistir é vencer, a sua resistência na perseguição de uma utopia, ser músico aqui e agora, já é condição de vitória.


FICHA TÉCNICA - Luís Santos/Siul Sotnas: composição, produção, captação, guitarras eléctricas e acústicas, voz, beats, ukuleles, campainhas, copos, teclados, efeitos sonoros, baixos, artwork do disco; Maria Jeromito, produção executiva, melódicas, vozes; Patrícia Pinto e Dora Santos, vozes; Joel Madeira, baixo; Edgar Ferreira, teclados; Pedro Dias e David Santos, bateria; Alexandre Ribeiro, guitarra; Miguel Serra, mistura e masterização; edição, Paralelo 39.

 

 

 Outras notícias - Cultura


Fado tem lugar cativo na próxima temporada do Teatro Virgínia »  2017-07-30 

Cristina Branco e Ana Moura, duas fadistas da nova geração, actuam no Teatro Virgínia, em Torres Novas, durante a próxima temporada daquela sala de espectáculos que vai de Setembro a Janeiro. Cristina Branco actua em Outubro e Ana Moura estará por Torres Novas no mês do Natal.
(ler mais...)


Tomar: Quinta do Bill festejou 30 anos e carreira “em casa” »  2017-07-15 

“Foram 30 aninhos que passaram a correr e sempre com o apoio das gentes de Tomar”, foi o que começou por dizer Carlos Moisés, compositor e vocalista da banda se formou-se em 1987, em Valdonas, no concelho de Tomar.

A Praça da República, em Tomar, foi o local escolhido para o concerto comemorativo dos 30 anos de carreira do grupo musical mais mediático daquele concelho, a Quinta do Bill.
(ler mais...)


Vila Nova da Barquinha: teatro ao ar livre, no Verão »  2017-07-12 

O grupo de teatro Fatias de Cá tem agendadas exibições de peças de teatro no concelho de Vila Nova da Barquinha e Chamusca. A peça “Tanegashima” é apresentada em Tancos e Arripiado nos dias 14, 15 e 16 de Julho, às 21h21.
(ler mais...)


Salvador Sobral abre nova temporada no Teatro Virgínia »  2017-07-12 

Salvador Sobral, o vencedor da última edição do Festival da Eurovisão, vai abrir o conjunto de espectáculos da próxima temporada do teatro Virgínia, em Torres Novas, temporada que se estende de Setembro a Dezembro.
(ler mais...)


Constância: Ana Trincão apresenta percurso artístico de 13 a 16 de Julho »  2017-07-12 

Inserido na programação cultural “Caminhos”, promovido pela Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo e sete dos seus 14 municípios, tem lugar em Constância entre os dias 13 e 16 de Julho a apresentação do percurso artístico criado por Ana Trincão, o qual teve início com a residência artística.
(ler mais...)


Alcanena: biblioteca apresenta exposição sobre abolição da pena de morte em Portugal »  2017-07-09 

Está a decorrer desde o dia 1 de Julho, até ao dia 13 de Outubro, uma mostra bibliográfica sobre as comemorações dos 150 anos da abolição da pena de morte em Portugal (1867 – 2017), na biblioteca municipal de Alcanena.
(ler mais...)


Fórum Ribatejo defende manutenção da unidade “do antigo distrito de Santarém” »  2017-07-04 

O Fórum Ribatejo, uma plataforma informal de reflexão sobre o Ribatejo que reúne várias dezenas de cidadãos da grande maioria dos concelhos ribatejanos, aprovou recentemente uma moção em defesa da manutenção da unidade dos municípios do antigo distrito de Santarém, num cenário de uma eventual reforma administrativa do país.
(ler mais...)


“Música nas Cidades, Sons do Mundo”: Manuel Fernandes Vicente apresenta novo livro domingo à tarde »  2017-06-28 

 

 

 

 “Música nas Cidades, Sons do Mundo é uma rota pelas músicas urbanas do mundo, das mais notórias e trauteadas às mais remotas e ameaçadas, e procura em histórias os segredos e as emoções que cada cidade teve ou tem ainda para contar com os seus estilos musicais ou os instrumentos que depurou e soube cultivar” – é assim que começa por apresentar-se mais um livro do conhecido professor e jornalista do Entroncamento, com sessão de lançamento marcada para domingo, dia 2, pelas 18 horas, no Centro Cultural da cidade ferroviária.
(ler mais...)


Constância: protocolo com Universidade Católica para estudo da vida e obra de Alexandre O’ Neill »  2017-06-20 

A Câmara Municipal de Constância e a Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa, assinaram na passada terça-feira, 20 de Junho, um protocolo de cooperação com vista à promoção e estudo da vida e obra de Alexandre O’Neill, bem como a dinamização de algumas sessões temáticas sobre este nome da cultura portuguesa.
(ler mais...)


Banda Operária: audições de final e ano »  2017-06-20 

Com vem sendo habitual, a escola de música da banda Operária Torrejana (BOT) realiza uma audição pública dos seus alunos, iniciativa que marca, oficialmente, o final do ano lectivo. A audição realiza-se no dia 24 de Junho, a partir das 17h30, na sede da colectividade, no Largo do Paço, em Torres Novas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Cultura (últimos 10 dias)