• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 23 de Abril de 2018
Pesquisar...
Qui.
 24° / 11°
Céu limpo
Qua.
 23° / 13°
Períodos nublados
Ter.
 28° / 15°
Períodos nublados com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  27° / 13°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Siul Sotnas: resistir é vencer

Cultura  »  2017-04-20 

“Destroços de uma bomba atómica” é apresentado hoje na Praça do Peixe

“Destroços de uma bomba atómica” traz com ele “uma certa mudança no registo da sonoridade”, admitia Luís Santos ao JT quando há dois meses anunciava a saída do disco para Abril, explicando que o gravou com a ajuda de alguns músicos amigos. Por sua conta, informava o músico riachense, ficaram as vozes e as guitarras, ukuleles, teclados, baixos, efeitos sonoros com a voz, copos de vidro com água e vinho, e alguns apontamentos de percussão.

Promessa cumprida: neste seco Abril, e dia de hoje, aí está um conjunto de canções de primeira água, que podem ser ouvidas na Praça do Peixe antiga logo à noite, estando aprazado também o lançamento do disco a quem o quiser agarrar. São dez temas, a saber: A longa batalha pela Humanidade, pt, Feira das vaidades, Vende-te, A rapariga sentada numa pedra, Uma canção de Natal, Intervalo, Tu & eu, Praia dos lilases, A viagem, A longa batalha pela Humanidade, pt2. E a ouvir com atenção: quanto mais se ouve, mais se percebe que se trata de uma grande disco. Depois do conceptual e panfletário “A Máquina”, Luís Santos afirma-se aqui como um valente escritor de canções.


Calem-se por momentos os choradinhos de Úrias, Fachadas e Fúrias, nobre gente sem dúvida, mas com a benção divina, não fossem eles adventistas das trovas do vento que vai passando, com a bênção divina, diga-se em boa verdade, de uma “boa imprensa” sempre a bombar. E ouça-se as histórias contadas e cantadas por Siul Sotnas, Luís Santos do outro lado do espelho. Elas são mais que o resultado da soma, paridas com uma força que vem sabe-se lá de onde por um inspirado e talvez desalinhado cantautor, neste dias negros como o raio que os parta. Podia-se entrar assim aqui, facilmente, pelo enredo das histórias, continuar a relevar frase e palavras de uma surpreendente poética, saltar pelos desenhos melódicos, vaguear pelo grito mais aguerrido ou mais contido das guitarras, deixar entrar no peito belos coros femininos presos por uma corrente a uma atmosfera de vertiginosa nostalgia. É melhor ouvir: “Rapariga...”, “Tu&eu”, “Feira das Vaidades”, “A Viagem”, “Praia dos Lilazes”, “Vende-te”, o grande hino “Uma canção de Natal” são grande canções. E sabe-se como na maior parte dos discos há apenas uma ou duas peças de encher o olho e o resto é para encher, por conta da casa. Não é o caso, juro.


É o quê, esta música de Luís Santos por alma de Siul Sotnas? Pós-rock, pop-rock? Protest song cá da nossa? Boa música ligeira embalada por outra verdade alternativa, suportada numa hábil utilização de recursos técnicos e instrumentais e por uma densidade criativa não muito vulgar por estas paróquias perdidas do portugalório da província, que não existe para o Ipsilon nem para a Blitz? Inúteis os rótulos, sempre simplificadores. É a música de Luís Santos. Se houver paciência, se houver resistência, se não morrermos na praia dos lilazes e ouvirmos bem este disco, veremos simplesmente que é um grande disco. Tão bom que ficava ainda melhor, isto é, dispensava a entrada inicial e o epílogo das batalhas pela humanidade, que isto de batalhas sabe Luís Santos. Se resistir é vencer, a sua resistência na perseguição de uma utopia, ser músico aqui e agora, já é condição de vitória.


FICHA TÉCNICA - Luís Santos/Siul Sotnas: composição, produção, captação, guitarras eléctricas e acústicas, voz, beats, ukuleles, campainhas, copos, teclados, efeitos sonoros, baixos, artwork do disco; Maria Jeromito, produção executiva, melódicas, vozes; Patrícia Pinto e Dora Santos, vozes; Joel Madeira, baixo; Edgar Ferreira, teclados; Pedro Dias e David Santos, bateria; Alexandre Ribeiro, guitarra; Miguel Serra, mistura e masterização; edição, Paralelo 39.

 

 

 Outras notícias - Cultura


Atalaia: arte urbana de Vhils homenageia oleiros »  2018-04-23 

Está concluída a primeira intervenção artística em espaço público no âmbito do projecto ARTEJO. A obra do artista português Alexandre Farto (Vhils) foi executada nos últimos dias e já pode ser apreciada pelo público na Atalaia, concelho de Vila Nova da Barquinha.
(ler mais...)


Bons Sons: radiografia de um amor de verão »  2018-04-15 

Há várias dimensões a analisar quando se trata de avaliar um festival e o BONS SONS passa com distinção em todas. O estudo realizado junto do público do festival mostra que há todo um país a convergir a Cem Soldos, em Agosto.
(ler mais...)


Jorge Fazenda lança livro de memórias dia 21 »  2018-04-06 

“Nas longas caminhadas por montes e vales que diariamente fazia nos arredores, travava conhecimento com um mundo fantástico que, aos poucos, ia substituindo aquele a que toda a vida julgara pertencer”: não se sabe onde fica a elevação em que se ergue uma antiga árvore agora confidente do autor e, mais que isso, criatura irmã de uma vida finalmente reconfigurada e atada aos fios das gerações anteriores, não só de homens e mulheres, mas também de outras plantas e árvores, bichos, cheiros, ventos, aragens e sombras.
(ler mais...)


Barquinha: boa música com Pedro Jóia e Sopa da Pedra »  2018-04-06 

A igreja matriz da Atalaia vai ser o palco para a actuação do virtuoso e multifacetado guitarrista Pedro Jóia, no próximo dia 14 Abril, pelas 22 horas.
“Observar Pedro Jóia e a sua guitarra é vislumbrar um único corpo.
(ler mais...)


Teatro Virgínia: “Sopro, um solo de dança”, por Sofia Neuparth »  2018-02-28 

Sofia Neuparth e o c.e.m. – centro em movimento, trazem ao Teatro Virgínia um solo de dança, acompanhado de conversa, no dia 10 de Março, às 21h30.
Segundo Sofia Neuparth, «Sopro é um estudo do nascer do gesto que traz ao encontro a alegria de ser movimento! Não se é corpo sozinho.
(ler mais...)


Barquinha: workshop de escrita criativa »  2018-02-26 

O Centro de Estudos de Arte Contemporânea, em Vila Nova da Barquinha, acolhe nos dias 2 e 3 de Março um workshop de escrita criativa, que contará com a dinamização de Nuno Garcia Lopes. A inscrição para esta iniciativa custa 25 euros (para sócios é 20 euros).
(ler mais...)


Exposição evoca 120.º aniversário de Maria Lamas »  2018-02-21 

É inaugurada no Dia Internacional da Mulher (8 de Maio), a exposição “MULHERES, PAZ, LIBERDADE //MARIA LAMAS”, naquela que pretende ser um “homenagem singela a esta figura ímpar da cultura portuguesa” no ano em que se celebra o 120.
(ler mais...)


Barquinha: “A terceira margem e as ruínas circulares”, é título de exposição de João Seguro »  2018-02-08 

A exposição “A terceira margem e as ruínas circulares”, de João Seguro, pode ser visitada na Galeria do Parque, em Vila Nova da Barquinha, entre 17 de Fevereiro e 27 de Maio de 2018.

Numa apresentação desta iniciativa, João Pinharanda, o curador, realça que João Seguro trabalhou algumas semanas nas residências de Verão em Vila Nova da Barquinha em 2107.
(ler mais...)


Prolongamento da exposição de Luís Rodrigues no Convento do Carmo »  2018-02-08 

Vai estar patente até ao próximo dia 2 de Março a exposição de pintura e cerâmica “Correspondências – técnica mista”, na qual se revela parte da mais recente doação do artista Luís Rodrigues ao Museu Municipal Carlos Reis.
(ler mais...)


Filarmónica Riachense celebra aniversário este sábado, dia 10 »  2018-02-08 

A Sociedade Velha Filarmónica Riachense celebra o 134.º aniversário no próximo sábado, dia 10 de Fevereiro, com um almoço seguido de concerto (17 horas). Esta importante colectividade do concelho de Torres Novas tem no seu currículo diversas distinções e menções, nomeadamente a “Grã-Cruz da ordem do Infante D Henrique – 1984”; “Associação cultural de Utilidade Publica – desde 1994”, “Medalha de Ouro da Cidade de Torres Novas – 1984” e “Mérito da Freguesia de Riachos – 1998 e 2010”.
(ler mais...)

 Mais lidas - Cultura (últimos 10 dias)
»  2018-04-23  Atalaia: arte urbana de Vhils homenageia oleiros